Artigos de Rui Freitas

Jornalista, Diretor. Licenciado em Estudos Artísticos. Escreve poesia e conto, pinta com quase tudo e divaga sobre as artes. É um diletante irrecuperável.
18 de junho, 2021 0

Uma Conversa com Richard Sorce

Por Rui Manuel Sousa

Bossambal Brazil, o quarto disco de Richard Sorce, continua a senda da exploração e reconfiguração dos sons brasileiros que o apaixonaram há muito. O Samba a Bossa Nova e as Baladas, são fonte de inspiração e matéria-prima para este, afinal, músico de Jazz.

Por: Rui Manuel Sousa e Rui Freitas

11 de junho, 2021 0

Uma Conversa com Luísa Fresta

Por Rui Freitas

Luísa Fresta aborda temas como a soidão, o abandono, o trauma pessoal, a traição, o medo…, numa linguagem riquíssima temperada com regionalismos gíria e mesmo com calão; com descrições de um pormenor que transformam texto em imagem. Histórias também nossas, da nossa rua, do nosso bairo

29 de abril, 2021 0

Luiza de Jesus – A Assassina da Roda

Por Rui Freitas

Maria Henrique transfigura-se e reconfigura-se vezes sem conta, sob o domínio de Luíza de Jesus que a possui; é a condenada a caminho da forca, enquanto é atenazada (queimada com uma tenaz em brasa), um rosto perdido sem uma expressão identificável, mas não só.

13 de novembro, 2020 0

ProjectoMAP 2010–2020. Mapa ou Exposição

Por Rui Freitas

O projectoMAP é uma ideia que surge do desiderato de documentar os caminhos da arte em Portugal e que para isso dispensa os académicos e os críticos e recorre aos artistas, habitualmente relegados a figurantes na crítica artística.

17 de setembro, 2020 0

A Vida Extraordinária de David Copperfield

Por Rui Freitas

The Personal History of David Copperfield (A Vida Extraordinária de David Copperfield) (2019), é mais uma versão cinematográfica daquela obra de Dickens, mas pode, em muitos aspetos ficar como “A” versão cinematográfica desta obra.

8 de setembro, 2020 0

MALASAÑA 32 na Abertura do MotelX14

Por Rui Freitas

O apartamento é velho e pelo ar de abandono adivinha-se que não terá voltado a ser aberto após a morte da anterior inquilina, quatro anos antes. Tudo parece manter-se como ficara nesse dia.