Manchester by The Sea

Manchester by The Sea
0 (0)

5 de janeiro, 2017 1 Por Rui Freitas
  • 4Minutos de leitura
  • 991Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 5 anos - o que é muito em "Tempo Internet". Pode estar desatualizado e pode ter incongruências estéticas.

Manchester by The Sea é um filme poderoso, brutalmente honesto e ao mesmo tempo de uma simplicidade assinalável. É a vida de Lee Chandler (um soberbo Casey Affleck) que nos narra o autor e realizador Kenneth Lonergan.

Lee é-nos apresentado logo no início como um zelador de apartamentos que cumpre as suas funções sem qualquer entusiasmo, um homem sorumbático, e solitário, pouco expressivo e pouco emotivo, e que, veremos mais à frente, é dado a resolver os problemas a soco.

Num dia igual a todos os outros Lee recebe uma chamada em que fica a saber que o seu irmão Joe (Kyle Chandler) está a morrer no hospital da terra onde tinham crescido, vitima de uma insuficiência cardíaca diagnosticada há muitos anos. Aparentemente indiferente, tem a sua primeira reação quando num bar se vira à pancada a dois clientes cujo olhar o estava a incomodar.

Dirigiu-se àquela terra de pescadores onde decidira não voltar e quando chega ao hospital o irmão já tinha falecido.

O encontro com pessoas do seu passado numa terra onde toda a gente conhece toda a gente, despoleta as mais diversas reações que vão desde a alegria ao desprezo, e à provocação, o que nos deixa as primeiras pistas de que há algo para contar.

Pelo advogado do irmão fica a saber que aquele lhe deixara a tutela do filho de 16 anos, Patrick (excelente papel do jovem Lucas Hedges, uma estrela a nascer) com o qual na sua infância nutrira uma ligação profunda. A mãe de Patrick, (Gretchen Mol), uma alcoólica mentalmente desequilibrada deixara a família há muito e Lee que não se sentia capaz de tomar conta nem de si próprio vê-se confrontado com as contingências da adolescência.

E a relação entre os dois vai-se reconstruindo atribuladamente.

A linearidade da narrativa vai sendo entrecortada sabiamente e sem sobressaltos por flashbacks que a propósito de momentos do presente nos vão gradualmente desvendando o passado da vida de Lee, e o que o transformou naquilo que é, no homem que se odeia e que nutre por si próprio uma raiva reprimida e auto mutiladora. Conheceremos então uma tragédia familiar, uma história inenarrável de dor e amargura que se alastrou à comunidade e que como consequência destruiu o seu casamento com Randi (Michelle Williams) e ditou o seu afastamento da terra. Mostra-nos os personagens antes da tragédia que os marcou, passando por esta, até culminar no presente, num encontro de rua entre Lee a ex-mulher Randi, numa cena inesquecível dominada por silêncios e palavras subentendidas, de uma intensidade dramática e de uma genuinidade notáveis.

Manchester by The Sea

Mas Lonergan sabe que a vida não é composta apenas de tristezas e que continua apesar de tudo, continua sempre. Mostra-nos em Patrick um jovem saudável e como tal a perda ainda que terrível, não toma conta da sua vida. Angustia-o o facto de o pai não poder ser sepultado de imediato – a terra está demasiado dura, terá que ficar congelado até à primavera – mas ao mesmo tempo tem que continuar com a sua banda e a gerir o tempo com as suas duas namoradas. Introduz aqui e ali momentos hilariantes sem que pareçam forçados nem patetas, mas momentos simples da vida, que continua. Enquanto transporta o sobrinho para os ensaios, ou para casa das namoradas Lee vê a mãe de uma delas a tentar seduzi-lo e sem jeito nem interesse descarta-se atabalhoadamente.

E a morte do irmão vai sendo absorvida pelo quotidiano de Lee, da sua relação com Patrick, com os seus fantasmas e com a insuportável ideia de que terá de permanecer naquela terra muito mais tempo do que desejaria.

Esta história apresenta-se-nos de uma forma autêntica, a um ritmo perfeito, sem lapsos e sem pressa.

Com excelentes prestações e personagens impecavelmente desenhadas, o realizador não descarta nunca o sofrimento, para seguir em frente livre de constrangimentos, mas mantém o espectador agarrado à realidade de que uma tragédia da dimensão da que Lee e Randi sofreram não se cura facilmente, simplesmente não se cura. Mas também é só isso, sem o recurso a um desespero épico nem aterrador. O realizador não nos quer contagiar com o sofrimento das personagens, quer apenas mostrá-lo de uma forma realista e honesta como se o estivéssemos a acompanhar perante pessoas do nosso bairro.

Apesar de um ou outro apelo à lágrima, está longe de ser este o objetivo do realizador. É a vida. Lonergan faz expor em cada olhar em cada frase ou em cada silêncio as emoções das personagens e não se deixa nunca cair em lugares comuns nem em tentações hollywoodescas de início fresco e tranquilo, para uma tragédia profunda, seguida da gestão de rancores e vinganças para o apaziguamento, e da redenção para a paz do final feliz.

A narrativa segue um rumo natural da vida a avançar indiferente às contingências e aos dramas de cada um, levando-nos atrás.

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos

Lee vive marcado pela tragédia e mortificado pela culpa e em momento nenhum procura redenção ou apela à nossa compaixão; sem momentos de catarse e sem truques na manga. Vive-a como os seres humanos a vivem. Assim como Patrick e como Randi…

 

 

Realizado por Kenneth Lonergan, com cinematografia de Jody Lee Lipes e edição de Jennifer Lame; musica da responsabilidade de Lesley Barber (bela “aplicação” de Adagio em Sol m pela London Philarmonic Orchestra) e com uma extraordinária prestação de Casey Affleck, mas também Lukas Edges e Michelle Williams, Manchester by The Sea, ficará certamente como um dos grandes momentos de cinema do ano.

 

 

Manchester by The Sea no IMDB

 

 

Como classificas este artigo?

Jornalista, Diretor. Licenciado em Estudos Artísticos. Escreve poesia e conto, pinta com quase tudo e divaga sobre as artes. É um diletante irrecuperável.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos