Juliette Minchin

Juliette Minchin, A Alma das Formas

2 de julho, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Juliette Minchin

 

Formada em 2018 na Ecole des Beaux-Arts, Juliette Minchin trabalha com formas suaves e robustas em tons de carne e rosa.

Para a sua obtenção, a práxis da artista distingue-se pelo uso de cera e cerâmica, materiais com a particularidade de terem vários estados, do líquido ao sólido, passando pelo maleável. Essas alterações dos materiais são visíveis nas dobras e nas fendas das membranas argilosas que colapsam, bem como nos seus matizes púrpura. Tal como a muda orvalhada de um organismo animal, estas peles leitosas contêm a memória de uma forma passada.

A mão da artista apalpa e escava irregularmente a terra, que se parece com um recipiente que poderíamos ter cansado. Estas cerâmicas não vidradas são apresentadas em várias séries cujo aspeto amorfo evoca seres em fase embrionária, apenas vivos e intuitivos. Como bocas rasgadas, elas abrem-se para o abismo. As suas curvas incertas podem ser observadas nas ceras, bem como num conjunto de aguarelas que respeitam as mesmas cores em tons de pele.

Para o seu diploma de fim de ano, Juliette Minchin apresentou uma imponente instalação quadrada na École des Beaux-Arts, consistindo em quatro paredes de cera erguidas como cortinas ao redor de um espaço vazio. Uma espécie de grande altar cerimonial, La veillée au candélou invocou um aspecto cenográfico pelo lento derretimento das ceras em torno de um esqueleto metálico cujo motivo retoma uma tatuagem talismã de Bengala, que supostamente guiará a alma do defunto na vida após a morte.

Juliette Minchin, La veillee au candelou, cire acier et leds, 200X200X200 cm,2019

Juliette Minchin, La veillee au candelou, cera, aço e leds, 200X200X200 cm,2019

A teatralização da obra coloca o espectador sob o seu feitiço, no sentido etimológico que esta palavra implica: “carmen”, o encantamento. Como uma enorme vela oca, o trabalho queima pouco a pouco, num acontecimento acompanhado pela artista, onde a experiência sensorial tem o seu lugar: a luz, o som, o cheiro da cera queimada colocam o visitante em imersão total…

Em todo o seu trabalho, Juliette Minchin demonstra a sua apetência por mitos e rituais. As ceras da artista, em primeiro lugar, remetem a velas usadas como símbolos de oferendas em muitas crenças. Também se pensa na cera das asas de Ícaro, demasiado perto do sol. Para esta artista apaixonada pela etnografia e antropologia, as referências são numerosas e ecléticas: tatuagens arménias, ritos romenos, a dança da fertilidade indiana são tradições que pairam sobre estes misteriosos magmas como a sombra de uma mariposa.

O aspecto cerimonial habita o próprio trabalho, uma vez que a cera é acompanhada de forma autónoma – que quase se acreditaria ser divinatória – e é depois recuperada e reativada como um barril dos Danaides. Descartes usa precisamente a imagem da peça de cera nas suas Meditações Metafísicas para mostrar que a compreensão apreende razoavelmente a realidade quando os sentidos nos enganam, dando-nos qualidades diferentes, mesmo opostas, desta cera, dependendo do seu estado. Um olhar mais crente veria nesta transformação a garantia de um mundo mágico e espiritual.

Será que as formas redondas que aparecem, morrem ou nascem? A relação com o ciclo parece ser tão importante na técnica quanto no simbolismo. Esculpida, derretida, iluminada, moldada e refundida, esta cera rosa é uma carcaça alegre que renasce de si mesma. E os mini santuários de parafina brilham na luz e quebram-se ao mais pequeno choque como feitiços desfeitos. A sua elaboração é mais acompanhada do que concebida pela mão da artista que apalpa para dar volume às folhas de cera dificilmente maleáveis, como pedaços de pele.

Juliette Minchin também pode moldar a cera em colunatas antiquadas, símbolos do tempo. Nestes pequenos teatros, encontra-se a ideia de uma obra apotropaica, presente em toda a actividade criativa da artista, o que transforma o espaço criativo num santuário de protecção.

Juliette Minchin, Peau de terre, faience, eau et pompe, dim.var., 2018

Juliette Minchin, Peau de terre, terracota, água e bomba, dim.var., 2018

Juliette Minchin, La veillee au candelou, cire acier et leds, 200X200X200 cm,2019

Juliette Minchin, La veillee au candelou, cera, aço e leds, 200X200X200 cm,2019

Juliette Minchin, Vallée de chair, 33x41 cm

Juliette Minchin, Vallée de chair, 33×41 cm

Juliette Minchin, Fractale 1, cire acier et leds, d.30x6 cm, 2020

Juliette Minchin, Fractale 1, cera, aço e leds, d.30×6 cm, 2020

Juliette Minchin, Matrice #1, 2020, aquarelle sur papier, 33x41cm

Juliette Minchin, Matrice #1, 2020, aguarela sobre papel, 33x41cm

Juliette Minchin, Omphalos, cire et acier, 200x200x240 cm, 2020

Juliette Minchin, Omphalos, cera e aço, 200x200x240 cm, 2020

Juliette Minchin, Peau de terre #2, ceramique, 32x21x17 cm, 2018

Juliette Minchin, Peau de terre #2, ceramica, 32x21x17 cm, 2018

Juliette Minchin, Matrice #3, 2020, aquarelle sur papier, 33x41cm

Juliette Minchin, Matrice #3, 2020, aguarela sobre papel, 33x41cm

O artigo original foi publicado em @Boumbang
The original article appeared first @Boumbang

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: Florian Mermin l’homme qui murmure à l’oreille des objets


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos