Characteristics-of Gospel Music

Características da Música Gospel

10 de julho, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Música e Canção Gospel

 

A versão popular da música Gospel que vemos regularmente no cinema e que ecoa em muitas igrejas – dos EUA em particular – tem as suas raízes no início do século XIX.

Tanto a música Gospel americana branca como a negra, evoluíram de um ressurgimento da fé protestante que varreu os EUA naquela época. A partir das canções mais sérias, espirituais e baseadas em hinos da música Gospel do início do século XIX, a mistura de música euro-americana e afro-americana tornou-se numa das formas de música mais populares da actualidade.

 

Uma Inrodução

Uma diferença fundamental entre as duas vertentes deste género musical, é que a música Gospel afro-americana teve em conta influências que incluíam o Blues, o Ragtime, e as tradicionais músicas de escravos negros. A música Gospel europeia estava mais claramente alinhada com as mensagens protestantes dos hinos da viragem do século que defendem a temperança, a pureza de espírito, e a salvação final. Com isto em mente, a música Gospel dos americanos europeus demonstrou estruturas mais simples.

A forma estrófica era uma característica comum deste género de música sustentada por progressões harmónicas funcionais que se orientavam em torno dos acordes dominantes em qualquer chave dada (I, IV, V). Algumas canções incluíam arranjos vocais mais sofisticados em quatro naipes e isso era paralelo na música Gospel afro-americana. Uma diferença importante era que a música afro-americana continha uma sensação mais sincopada (off-beat) inspirada pelo Blues ou pelo Jazz primitivo.

Outra característica marcante da música Gospel afro-americana nasceu do desejo de tornar a música cristã acessível a toda a congregação. O Dr. Isaac Watts, (um compositor de centenas de Hinos), fez bom uso da repetição nas composição da sua música evangélica para ajudar os participantes a aprender a música. Além disso, a “chamada e resposta” foi utilizada na música de adoração para reforçar a aprendizagem da melodia e para refletir uma das características inerentes à música tradicional africana. Vale a pena lembrar que esta música Gospel primitiva, raramente era acompanhada, mas, em vez disso, era cantada ‘a cappella’ com as ocasionais batidas de palmas e com os pés a baterem no chão para acompanhar o canto.

 

À medida que o género se foi desenvolvendo, a música Gospel, tanto europeia como afro-americana, ganhou popularidade com a temática religiosa, incorporando gradualmente textos mais seculares. Nas Igrejas pentecostais norte-americanas, a música Gospel começou a progredir para uma forma mais enérgica com a qual estamos hoje mais familiarizados. Os pregadores eram apoiados e acompanhados pelas vozes congregacionais que melhoravam grandemente as mensagens do texto.

O acompanhamento instrumental da música Gospel dos anos 20 e 30 tornou-se cada vez mais frequente. Pianos em certa medida começaram a substituir o órgão da igreja, a percussão manual como os tamborins tornou-se popular, assim como as guitarras e mesmo os instrumentos de sopro. Havia uma divisão distinta entre as vozes solo e de coro, muitas vezes com o solista ou o pregador a executar passagens prolongadas e altamente virtuosas durante a canção. O coro e o pregador solista interagiam para aumentar a tensão e a natureza devocional da música, que se tornou característica de muitas actuações Gospel.

Algumas das canções evangélicas mais conhecidas têm origem no final do século XIX, quando o termo ou frase Gospel se estabeleceu.

A publicação, por Philip Bliss (compositor e maestro norte-americano), das suas Gospel Songs; A collection of Hymns and Tunes (1874),

 

provavelmente ajudou a colocar a música Gospel no ouvido de muitos milhares de cristãos. Em vez dos hinos algo sublimes de anos anteriores, Bliss compôs deliberadamente música simples mas sólida, tangível e fácil de cantar, anunciando uma nova era na música evangélica.

Foi durante este período que canções como Amazing Grace, (1772 por John Newton), se tornaram extremamente populares ao lado de I’ll Overcome Someday (Reverendo C.A Tindley), e muitos outros para além destes.

 

 

O estilo destas canções tornou-se a espinha dorsal para o futuro da música Gospel que reunia uma audiência cada vez maior à medida que passou a ser difundida regularmente na rádio. Do mesmo modo, os discos Gospel começaram a ser procurados e uma das primeiras gravações deste género musical foi feita pela Família Carter, que passou muitos anos a gravar tanto música Gospel como Bluegrass. Os Quartetos Gospel tornaram-se populares, fazendo tournées pelos EUA para promover novas coletâneas de canções e gravações recentes. Grupos como os Five Blind Boys of Alabama ou The Soul Sisters foram exemplos notáveis destes pequenos conjuntos de “a cappella”.

Nesta altura, na evolução da música Gospel, as características que hoje conhecemos foram plenamente estabelecidas. Embora a música Gospel continuasse a ser música da comunidade, passou também diretamente para a esfera profissional. Os padrões de performance musical começaram a subir vertiginosamente à medida que artistas como Elvis Presley começaram a adotá-la e até Jerry Lee Lewis se interessou fortemente pelo género.

 

 

Gospel que conquistou locais de atuação cada vez maiores e, após a Segunda Guerra Mundial, não era raro ser ouvido em lugares como Madison Square Garden.

Hoje em dia, parece haver dois tipos fundamentais de música Gospel que se dividem em Black and White Gospel.

Em certa medida, esta divisão deve-se aos públicos que cada género atrai e às culturas ás quais deve raízes. Ambos os géneros de música são imensamente populares em todo o mundo e partilham características semelhantes. Embora alguns artistas evangélicos não se identifiquem especificamente como cristãos, a Bíblia cristã permanece no centro de muitos textos escritos para as canções.

A música Gospel pode variar desde a intimidade de um quarteto vocal de quatro naipes sem acompanhamento, até aos coros cem vozes fortes apoiadas por secções completas de metais, órgão Hammond, bateria, baixo, e guitarras eléctricas.

Os solistas geralmente assumem as funções de pregador, sacerdote e líder dos grupos, evocando o espírito de Deus e do Espírito Santo tanto nos intérpretes como nas audiências. Os fundamentos da estrutura das canções permanecem descomplicados e geralmente fiéis à música tradicional de quase duzentos anos atrás. A improvisação de todos os intérpretes com um enfoque especial no vocalista principal é um elemento de vital importância do Gospel.

O Gospel subdividiu-se numa série de outros géneros, incluindo o Gospel do Sul, Inspiracional, o Tradicional, e o Gospel Contemporâneo. Da componente sagrada à vertente mais secular, as actuações são poderosas, convincentes e belas, com muitas canções que apelam a um enorme número de fãs devotos.

 

O artigo original foi publicado em @CMUSE – Classical
The original article appeared first @CMUSE – Classical

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: The Virtual Choir: 3500 Cantores de 73 Países Unidos Virtualmente

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos