Anna Pavlova

Ballerina Anna Pavlova Perform “The Dying Swan” (1925)

19 de novembro, 2016 0 Por Artes & contextos

The Dying Swan

 

 

“Prepare o meu traje de Cisne.”

Supostas últimas palavras da bailarina Anna Pavlova, relatadas pelo seu marido.

 

 

A Internet sugere que os cisnes são espécimes bastante resistentes, rápidos a assobiar e abanar em qualquer YouTuber imprudente o suficiente para violar o seu espaço pessoal com uma câmara de vídeo.

A célebre bailarina Anna Pavlova (1881-1931) pinta um quadro diferente na sua peça de assinatura, The Dying Swan.

O coreógrafo Mikhail Fokine criou o solo de quatro minutos em 1905, a pedido de Pavlova, aproveitando a sua admiração por alguns cisnes residentes num parque público de Leninegrado e o poema de Alfred Lord Tennyson, o The Dying Swan.

Talvez tenha sido um feliz acidente ele ter acabado de aprender a tocar Le Cygne de Camille Saint-Saëns do Le Carnaval des Animaux  no seu bandolim. Executado no violoncelo, como originalmente pretendido, ele fornece um clima de melancolia deslumbrante com o qual se observa os estertores da morte en pointe (N.da R. em pontas) da personagem principal.

 

Anna Pavlova

Imagem do filme Anna Pavlova Speaks – To Her Swans At Ivy House

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

 

A descrição de Fokine da criação da obra na edição de Agosto de 1931 da revista Dance Magazine fala do rigor destes praticantes e da sua forma de arte:

 

“Foi quase uma improvisação. Eu dancei em frente dela [Pavlova], ela directamente atrás de mim. Depois ela dançou e eu caminhei ao seu lado, curvando-lhe os braços e corrigindo detalhes de poses. Antes desta comosiçãon, eu era acusado de tendências de vulgaridade e de rejeitar a dança erudita em geral. The Dying Swan  foi a minha resposta a essas críticas… A dança é tecnicamente mais difícil do que pode parecer. A bailarina move-se constantemente usando diferentes “bourrees”. Os pés devem ser belos, expressando um tremor. Todas as pausas em sus-sous devem mostrar pernas reduzidas a um ponto. Os braços e as costas trabalham independentemente dos pés que continuam a mover-se regularmente.”

 

As filmagens de arquivo de 1925, acima, transmitem o que as palavras de Fokine não podem – a emoção profunda pela qual esta intérprete em particular era conhecida. É uma experiência visceral assistir este animal alquebrado lutando por sua sobrevivência, tremendo e arfando, antes de finalmente desabar. (É uma pena que esta versão seja cortada tão abruptamente … essa nota final deve perdurar.)

Pavlova executou The Dying Swan cerca de 4000 vezes ao longo da sua carreira, nunca se enjoando, nem dos animais que a inspiraram. Cisnes povoaram um pequeno lago na sua casa de campo em Inglaterra inglesa.Testemunhe abaixo o seu carinho por eles.

 


O Artigo: Watch the Celebrated Ballerina Anna Pavlova Perform “The Dying Swan” (1925), foi publicado em Open Culture
The Post: Watch the Celebrated Ballerina Anna Pavlova Perform “The Dying Swan” (1925), appeared first on Open Culture

0

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)