Sete das melhores obras de Ernest Bloch Artes & contextos sete das melhores obras de ernest bloch

Sete das melhores obras de Ernest Bloch
0 (0)

25 de janeiro, 2022 0 Por Artes & contextos
  • 4Minutos de leitura
  • 951Palavras

Ernest Bloch

 

 

O compositor, nascido em Genebra, Suíça, de pais judeus, começou a tocar violino aos nove anos de idade e começou a compor logo a seguir. Inicialmente criando música num estilo romântico, a sua composição evoluiu para se inspirar na sua formação judaica, pois afirmava que o espírito hebreu era uma das suas inspirações mais importantes. Ao longo de sua variada carreira, há muitos destaques musicais, se não sempre críticos.

Aqui estão sete dos melhores.

 

Hiver–Printemps, two symphonic poems for orchestra  (1905)

Antes de adotar o som de influência judaica pelo qual ele ficou mais conhecido, Bloch inspirou-se em vários períodos diferentes da história musical. Em Hiver-Printemps (Winter-Spring), há uma forte influência do romantismo francês. Desde o uso de misteriosas melodias de violino e oboé no primeiro movimento, até às fanfarras de trompete do segundo, esta peça mostrou que, mesmo antes de encontrar a sua própria voz, Bloch era um compositor de muitos pontos fortes.

 

 

 

 

 

Macbeth  (1906)

Baseado na obra de Shakespeare que também inspirou obras de Verdi e Richard Strauss, Macbeth  de Bloch enfrentou inúmeras dificuldades na época. Recebeu diversas críticas alegadamente devido ao conflito dentro do elenco; não foi apresentado por quase 30 anos e foi banido pelo anti-semita Mussolini devido à sua fé judaica durante seu renascimento em 1938 em Nápoles. Isso significou que levou mais de um século para conseguir estrear-se no Reino Unido em 2009 e nos EUA em 2013. Bloch inicialmente até foi cético quanto à ideia de usar Macbeth como tema para a sua única ópera, querendo em vez disso concentrar-se em material de “grande alegria”. Mas apesar das suas dificuldades, esta foi uma obra que fez com que muitos dos contemporâneos de Bloch se apercebessem que tinham razão na sua fé no compositor.

 

 

 

 

 

Israel Symphony   (1912-1916)

Desde 1911-1926, Bloch ganhou a sua própria voz composicional no que ficou conhecido como seu Ciclo Judaico, um período em que ele recebeu influências da cultura e do espírito judaico para obras como esta peça, a sua Sinfonia de Israel. A obra conta com cinco solistas no final – quatro vozes femininas e um baixo solo. Esta peça é uma audição fascinante pela justaposição da orquestra sinfónica com temas judeus, como no primeiro movimento, Oração no Deserto.

 

 

 

 

 

Schelomo: Hebrew Rhapsody  (1916)

A útima obra composta antes do compositor se estabelecer nos EUA em 1916. Esta obra para violoncelo e orquestra marca o auge do Ciclo Judaico de Bloch e tornou-se um padrão do repertório violoncelo. O título da obra é a tradução hebraica de Salomão, pois o compositor inspirou-se para a escrever, após ver uma estátua do rei Salomão feita pela esposa de outro violoncelista. Há pistas da Era Romântica, mas esta é uma peça do estilo próprio de Bloch, graças ao seu uso de motivos orientais, uso colorido de orquestra e lirismo dinâmico.

 

 

 

 

 

Baal Shem: 3 Pictures from Hassidic Life  (1923)

O especialista em música Erik Levi acredita que o Ciclo Judaico de Bloch veio como resultado dos impulsos interiores do seu coração em vez de uma intenção consciente de escrever música num estilo judaico. Em poucos lugares a sua música foi mais sentida do que esta peça para violino e orquestra. Com o nome de Baal Shem Tov, o fundador do movimento hassidico no século XVIII, foi concebida como uma exploração do espírito judaico através dos seus três movimentos, o doce mas triste Contrição, o virtuosismo e dramático Improvisação e o brilhante e optimista Rejubilação.

 

 

 

 

 

From Jewish Life  (1924)

Este trabalho de três movimentos para violoncelo e piano foi dedicado ao violoncelista solo da Filarmónica de Nova Iorque Hans Kindler, que tinha estreado anteriormente Schelomo. Numa das últimas obras do Ciclo Judaico de Ernest Bloch, o foco principal da obra não é tanto o virtuosismo, mas sim a emoção e a expressão. Para além do espírito judaico da peça, há uma linha de violoncelo ao estilo romântico, acordes debussianos ao piano e uma partilha da linha melódica entre violoncelo e piano.

 

 

 

 

Two Last Poems  (1958)

Esta foi uma das composições finais do Bloch antes da sua morte por cancro no ano seguinte à sua conclusão. Apresenta dois movimentos ininterruptos, Música Fúnebre  e Life Again?,  ambos profeticamente nomeados antes do seu diagnóstico de cancro. No seu período tardio o compositor morava em Agate Beach, uma área à beira-mar no Condado de Lincoln, Oregon. Durante este período ele continuou a tomar influência do passado da música, mas em peças como esta ele também experimentou a vanguarda com trítones e melodias de flauta modais disjuntas.

 

 

 

 

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos


O artigo original Seven of the best… works by Ernest Bloch , foi publicado @ Classical-Music.com
The original article Seven of the best… works by Ernest Bloch , appeared first @ Classical-Music.com


Talvez seja do seu interesse:  Como Compreender e Apreciar a Música Clássica

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos