A&c é tão bom estar em casa - Cultura em tempos de Recolhimento

Cultura em casa #7

1 de janeiro, 2020 Off Por Laura Carvalho Torres

#EuFicoEmCasa não pode ser apenas mais uma hashtag

 

Nunca é de mais repetir:

A cultura é um fator agregador, comunitário, espiritual, e age como tal, mesmo em tempos de crise, como a atual em que, para nos pouparmos e pouparmos os outros, nos vemos, agora alertados para um  “Dever Cívico de Recolhimento”.

Vamos começando a sair de casa, evitando aglomerados e espaços fechados.

Vamos começando a povoar de novo as nossas cidades, mas sem pressas, elas esperam por nós.
Lamentamos pelos infetados e desejamos com toda a força a sua recuperação, lamentamos profundamente pelas famílias e amigos dos que não venceram, mas temos que continuar.

Mais um esforço. Sair, quando mesmo necessário e pode ser necessário, e é necessário! fazer um passeio ao ar livre, mas a segurança, essa continua mesmo Em casa!

E isso não tem que ser mau, pois não? Afinal, estamos nas nossas casas, no nosso ambiente.


Passados tantos dias em confinamento e agora, em recolhimento, e a cultura nunca deixou de nos fazer companhia.

Devagar, devagarinho, estamos a retomar à normalidade. Não aquela que sempre conhecemos, mas uma nova normalidade, expressão tão usada e reutilizada, nos últimos tempos. Mas, nem por isso, deixamos de ser banhados com arte e cultura, e grande parte desse privilégio está a chegar até nós por via de muitos artistas nacionais.

Antes de mais nada, queria relembrar que amanhã sai o quarto episódio do Podcast Artes & contextos, (aqui pode ouvir os episódios anteriores) que, tal como vos havia dito na semana passada, está com um formato encurtado. No dia 22, é lançado o novo álbum dos rapazes de Manchester, The 1975, e o Artes & contextos vai presentear-vos com uma review do mesmo.

 

Começamos com uma nota importante:

Hoje celebra-se o dia Internacional dos Museus.

Este ano, o objetivo passa pela promoção da diversidade e a inclusão nas instituições culturais: «Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão». Alguns museus e instituições irão iniciar as suas reaberturas, a partir de hoje. Mas, como não pode deixar de ser assinalado, há várias iniciativas virtuais e físicas para comemorar este dia.

O CCB irá reabrir parcialmente, e, por parte do MAAT, até 28 de fevereiro de 2021, inaugura-se Terra Irada (https://www.maat.pt/en/event/terra-irada), com a curadoria de Pedro Gomes. Segundo o website do museu: «O título deste programa vem de um fado do mesmo nome, popularizado por Fernando Maurício, “O Rei do Fado”, como muitos o chamam. A canção em si, lida com a força encontrada nas raízes das comunidades, da alma, da existência, da independência, a partir de um ângulo simples, claro, e filosófico, que é crucial salvar no meio da imposição de uma cultura despersonalizada e anónima, e da contínua luta por direitos, liberdade e emoção, que permeia a nossa presente realidade.»

 

Sugerimos então:

Uma nova esperança  (https://www.maat.pt/pt/event/nyege-nyege-uma-nova-esperanca) de Nyege Nyege,

Tradições Atípicas  (https://www.maat.pt/pt/event/tradicoes-atipicas),

Eu sou esparsa…   e

Journeys to the in-between.

 

Ora, no que toca a programação televisiva, para os próximos dias:

    • RTP1:
      • 17 de Maio, 00:17h, «Amar Pablo e Odiar Escobar»;
      • 19 de Maio, 01:21h, «Vidas Duplas»;
      • 20 de Maio, 00:17h, »Chacal»;
      • 21 de Maio, 00:45h, «Blow Out – Explosão»;
      • 22 de Maio, 01:15h, «São Jorge»;
      • 23 de Maio, 01:30h, «The Post»;
      • 23 de Maio, 23:45h, «Piaf».

 

    • RTP2:
      • 17 de Maio, 23:11h, «The Lumineers ao Vivo no Festival Musilac»;
      • 18 de Maio, 00:10h, »Espaço para um Homem»;
      • 18 de Maio, 23:31h, «The Place»;
      • 20 de Maio, 00:18h, «Gigantes» Temporada 1, episódio 1;
      • 20 de Maio, 23:15h, «Karajan no Teatro La Scala», episódio 1;
      • 22 de Maio, 23:15h, «Noites Escaldantes»;
      • 23 de Maio, 22:12h, «Rudolf Nereyev – A Atração Celeste».

 

    • AMC:
      • 18 de Maio, 08:28h, «The Feed», Temporada 1, episódio 1;
      • 19 de Maio, 22:11h, «Quatro Casamentos e um Funeral», Temporada 1, episódio 1;

 

A Quarentena Cinéfila da Medeia Filmes continua. Eis a programação desta semana:

  • A FLOR DO EQUINÓCIO (1958), de Yasujiro Ozu
    Disponível a partir das 12h de terça-feira, 19 de Maio, até às 12h de quinta-feira, 21 de MaioCom: Shin Saburi, Kinuyo Tanaka, Ineko Arima, Yoshiko Kuga, Fujiko YamamotoNa recepção do casamento da filha de um velho amigo seu, Hirayama questiona-se porque razão Mikami, outro velho amigo, não compareceu. Na verdade, Mikami estava preocupado com a filha Fumiko, que fugiu de casa com o namorado, e não quis ir à cerimónia. Mikami pede para Hirayama ir ver como Fumiko está. Este visita então o bar onde ela trabalha como empregada. Ao mesmo tempo que Hirayama se mostra compreensivo com Fumiko, fica furioso quando Taniguchi, o namorado de sua própria filha, faz uma surpresa e pede permissão para se casar com ela.

 

  • O FIM DO OUTONO (1960), de Yasujiro Ozu Disponível a partir das 12h de quinta-feira, 21 de Maio, até às 12h de sábado, 23 de MaioCom: Setsuko Hara, Yôko Tsukasa, Mariko OkadaApós o falecimento de Miwa, os seus melhores amigos decidem preocupar-se com o futuro da sua viúva, Akiko, e da sua filha, Ayako. Todos acreditam que a melhor solução é casar a jovem, mas esta rejeita um após o outro, todos os candidatos que lhe são oferecidos. Assim decidem casar primeiro Akiko.Asia-Pacific Film Festival:
    – Prémio para Melhor Filme – Yasujiro Ozu
    – Prémio para Melhor Fotografia – Yûharu Atsuta
    – Prémio para Melhor Actor Secundário – Nobuo Nakamura

 

  • BOM DIA (1959), de Yasujiro Ozu
    Disponível a partir das 12h de sábado, 23 de Maio, até às 12h de terça-feira, 26 de MaioCom: Keiji Sada, Yoshiko Kuga, Chishu Ryu, Kuniko Miyake, Haruko Sugimura, Koji Shitara“Bom dia” retoma um antigo filme do próprio Ozu (“Nasci, mas…”), modificando a história para fazer sentido no período em que foi rodado: neste filme dois rapazes juram não voltar a dizer qualquer palavra até que os pais comprem um aparelho de televisão.

 

A Medeia Filmes disponibilizou, ainda, 7 filmes de Luis Buñuel, através da Filmin, que estarão disponíveis  até dia 12 de Junho. Eis o cartaz:

  • UM CÃO ANDALUZ (1929)
    Un Chien AndalouUm homem afia uma lâmina de barbear, antes de com ela cortar o olho de uma mulher jovem e impassível. Um ciclista cai. Uma mulher e um homem observam um andrógino e uma mão cortada, e depois acariciam-se. Passado um ano, chega outro homem que ordena ao primeiro que saia da cama. Tudo acaba numa praia onde a mulher encontra um terceiro homem.O argumento de UM CÃO ANDALUZ foi escrito pelo realizador, juntamente com Salvador DalíCom: Pierre Batcheff, Simone Mareuil, Luis Buñuel, Salvador Dalí, Xaume Miravitlles

 

  • A IDADE DE OURO (1930)
    L’âge d’orNuma ilha deserta vivem escorpiões e bandidos, ao pé de esqueletos de bispos deixados ao sol. Um cortejo oficial desembarca na ilha, para celebrar o lançamento da primeira pedra da Roma imperial. A cerimónia é perturbada por um casal que se abraça e rola na lama. O homem é preso mas foge, reencontrando a amada numa festa. Enquanto isto acontece, no castelo de Selliny Cristo parece satisfeito por participar nas cerimónias dos Cento e Vinte Dias de Sodoma.Com: Lya Lys, Gaston Modot, Max Ernst, Pierre Prévert, Caridad de Laberdesque

 

  • LAS HURDES, TERRA SEM PÃO (1932)
    Las Hurdes, tierra sin panDocumentário que, inspirando-se numa tese etnográfica de Maurice Legendre, descreve a vida numa região desolada de Espanha, as Hurdes, situada entre Salamanca e a fronteira portuguesa, perdida no meio de uma cordilheira. A equipa de rodagem tenta ajudar os habitantes na sua luta contra as doenças e outros perigos, mas sem sucesso. Ao fim de dois meses nas Hurdes, a equipa parte.Com: Luis Buñuel, Pierre Unik, ulio Acin, Abel Jaquin e Alexandre O’Neill (vozes). Interpretação dos habitantes de Las Hurdes

 

  • ELE (1953)
    ÉlNuma cerimónia religiosa, o olhar de Francisco é atraído pelos pés de Gloria, sentada na primeira fila. Depois da missa, segue-a mas perde-lhe o rasto. Encontra-a e afasta um namorado incómodo, Raul. Francisco e Gloria casam. Logo na viagem de núpcias começa um pesadelo para Gloria, de que ela escapa com a ajuda de Raul, com quem refaz a vida. Tem um filho, a quem dá o nome de Francisco. Em família, visita o ex-marido, que foi viver a sua amargura para um convento. É informada de que o estado dele regista francas melhoras, que parecem ser contrariadas pela sua incapacidade de andar a direito.Com: Arturo de Córdova, Delia Garcés, Luis Beristáin, Aurore Walker, Manuel Dondé

 

  • O BRUTO (1953)
    El BrutoUm proprietário quer expulsar os moradores de um bairro pobre. Organiza-se uma revolta, liderada por Don Carmelo. Para suster a rebelião, contrária aos seus projectos, o proprietário contrata Pedro, dito “O Bruto”, um funcionário do matadouro. O “Bruto” acaba por matar, acidentalmente, Don Carmelo. Procurado pela polícia, o “Bruto” é abrigado pelo proprietário. A mulher deste, Paloma, passa a ser visita frequente da cama do “Bruto”. Mais uma vez em fuga depois de ser reconhecido pelos moradores, o “Bruto” esconde-se em casa de Meche, a filha de Carmelo, por quem se apaixona. Vexada, Paloma diz a Meche que o “Bruto” é o assassino do seu pai, e conta ao marido que o “Bruto” tentou abusar dela. No confronto que se segue, o “Bruto” mata o proprietário, antes de ser morto pela polícia, conduzida por Paloma.Com: Pedro Armendáriz, Katy Jurado, Rosita Arenas, Andrés Soler, Paco MartinezPrémios:
    Ariel Awards, México > Prémio de Melhor Actriz Secundária > Katy Jurado

 

  • O MONTE DOS VENDAVAIS (1953)
    Abismos de PasiónAlejandro regressa aos lugares do seu passado. Reencontra Catalina, amiga de infância, que para ele sempre fora como uma irmã, a despeito das diferenças sociais entre ambos. Catalina casou, entretanto, com Eduardo, para se vingar da partida de Alejandro. Este, não suportando ver Catalina casada com outro, humilha-a. Casa com Isabel, irmã de Eduardo, que ele não ama e negligencia. Grávida, Catalina morre durante o parto. Alejandro profana a sua tumba, abre o caixão, e contempla cadáver dela. Ricardo, irmão de Catalina, segue-o e mata-o a tiro.Com: Jorge Mistral, Irasema Dilián, Lilia Prado, Ernesto Alonso, Luis Aceves Castañeda

 

  • ENSAIO DE UM CRIME (1955)
    Ensayo de un crímenEm criança, Archibaldo recebe da mãe uma caixa de música dotada de poderes mágicos. Segundo a lenda, a caixa permite satisfazer um desejo de morte. Archibaldo tenta usar esse feitiço sobre a governanta, e ela morre, vítima de uma bala perdida. Já adulto, Archibaldo reencontra a caixa de música, e não resiste a repetir experiências semelhantes. Mas a cada tentativa há um elemento que o contraria, pois se as mulheres morrem não é ele o responsável pela morte delas. Tanto a polícia como a justiça recusam considerá-lo culpado, mesmo que Archibaldo o julgue, efectivamente, ser. Acaba por se desembaraçar da caixa de música, e fugir com Lavinia.Com: Ernesto Alonso, Miroslava Stern, Rita Macedo, Ariadna Welter, Rodolfo LandaPrémios:
    Ariel Awards, México > Prémio de Melhor Fotografia > Agustín Jiménez

Até para a semana!

Laura Carvalho Torres
Segue-me
Últimos artigos de Laura Carvalho Torres (exibir todos)

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Open Call Artes & contextos