Open Gardens de Nogueira de Barros

Open Gardens, de Nogueira de Barros

3 de junho, 2022 Off Por Rui Freitas
  • 4Minutos de leitura
  • 905Palavras

Open Gardens

Resguardadas pelo jardim no pátio interior do belo edifício do Centro Ismaili de Lisboa encontramos numa sala branca, limpa de ruídos sonoros e visuais, 18 obras de Nogueira de Barros numa exposição a que deu o título Open Gardens, inspirado nos “Jardins Abertos”, realizados anualmente por esta instituição.

 

nauguração da exposição Open Gardens de Nogueira de Barros

Inauguração da exposição Open Gardens de Nogueira de Barros

 

Todos os quadros desta exposição podem ser associados de uma forma ou de outra ao jardim, à Natureza, à terra e à Terra e compõem no seu todo, um jardim naquele espaço branco, ascético e puro.

São trabalhos de grande impacto visual, num conjunto que não obedece a um tipo nem tem identificável uma onda única, uma hegemonia criativa movida por alguma motivação estética hermética, atribuíveis a uma fase. Todas nos levam ao jardim de Nogueira de Barros, mas as diferentes perspetivas divergem o bastante para serem únicas.

Há sim, um ou outro grupo de duas ou três obras em que se adivinha uma comunhão estética mais forte, mas não deixam de ser partes de um todo heterogéneo comprometido pela harmonia das singularidades. São cenários distintos da mesma narrativa, que nos levam a momentos diferentes.

Nogueira de Barros  utiliza vernizes e rezinas que são tratadas pela sabedoria do tempo. Não acelera a secagem em fornos ou por qualquer outro método, deixando antes, que os materiais sequem ao seu próprio ritmo. Isto pode levar a que um trabalho demore semanas ou meses a ser concluído.

O seu “material” por excelência é a cor. A escolha das cores, seja por opção estética ou porque sim, porque aquele momento foi assim, é vigorosa, muitas vezes recorrendo a relações de complementaridade, sempre apelando ao olhar. Um apelo que nos compromete, obra a obra e no conjunto.

Com o uso das rezinas sobre as tintas e/ou misturadas com elas, dispondo-as em camadas realçadas pelo brilho vidrado e pela transparência, cria em algumas obras um volume e tridimensionalidade ótica e quase tátil.

Alguns dos quadros ora nos empurram para um afastamento que permita uma apreensão do grande plano, ora nos puxam para uma aproximação até entrarmos pela obra adentro ao encontro dos detalhes e dos recantos mais ocultos do jardim.

Para lá da riqueza de códigos e sinais descobertos a cada observação, a exposição no seu todo é bela e a beleza, embora outros valores frequentemente se sobreponham e possam até dispensá-la, nunca será descartável da obra de arte.

Não me deixo tentar pela armadilha das classificações compulsivas e e das etiquetas por corrente ou subcorrente, dos néo-  e dos pós-, que pretendem a mais das vezes, resumir a um termo arbitrário e sem o senso do tempo que a obra reclama, a observação séria, anulando a individualidade e a diversidade da obra e do artista.

Porque esta obra é Nogueira de Barros e sim, porque é em cada quadro e no seu conjunto, abstrato, surrealista, gestualista, fauvista, expressionista, orfista, figurativo, impressionista, e tudo o cabe em cada artista e que cabe neste em particular. (Nota: Não consegui vislumbrar traços bizantinos, góticos nem pré-rafaelitas).

 

Em cada obra há um jardim ou parte dele, o jardim de Nogueira de Barros, e uma homenagem à Arte.

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos Open Gardens fotos web lente II 64

Inauguração da exposição Open Gardens de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos Open Gardens fotos web lente II 101

nauguração da exposição Open Gardens de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos Open Gardens fotos web lente II 86

Inauguração da exposição Open Gardens de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos

Anémonas  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos girassois final web

Girassóis  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos Alegoria da caverna

Alegoria da Caverna  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos San Valentin gardens 80 x 170 fina

San Valentim  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos mardepapoilas final web

Mar de Papoilas  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos

Open Gardens  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos

Mares Salgados  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos de Lirios 120x180cm 1

Lírios  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos someflowers 100x120cm final 2

Some Flowers  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos mardasindias web

Madressilvas  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos fenix 120 x180 cm

Fenix  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos

Vida  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos lirio calla

Lírio Calla  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Open Gardens, de Nogueira de Barros Artes & contextos

Mapa Mundis  – Open Gardens, de Nogueira de Barros

 

Website e Instagram de Nogueira de Barros

 

Veja AQUI quem é Nogueira de Barros


Open Gardens no Centro Ismaili, em Lisboa, até 10 de junho.


 

0

Jornalista, Diretor. Licenciado em Estudos Artísticos. Escreve poesia e conto, pinta com quase tudo e divaga sobre as artes. É um diletante irrecuperável.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos