Eva Jospin, Nymphées

Eva Jospin a nadar contra a corrente
0 (0)

8 de abril, 2022 0 Por Artes & contextos
  • 9Minutos de leitura
  • 2181Palavras

Eva Jospin

 

 

Ecossistemas muito frágeis – Por favor não apanhar nada, não tocar nas árvores, não acariciar as rochas.Quando o constrangimento emite uma definição das obras.

 

Este artigo foi totalmente traduzido por software
Cet article a été traduit par ordinateur

 

Eva Jospin não diz “antropoceno” ou “ecológico”. Nem desliza para o greenwashing , cujo nome francês é todos os tons entre o branco imaculado e o verde esmeralda: «éco-blanchiment» ou «verdissage». Há mais de dez anos que a sua proposta vem nadando contra a corrente em água clorada: trazer à tona o conteúdo da embalagem, apontando as árvores que escondem a floresta. É uma ecologia deservagem.

Como é que mastiguei o meu lápis IKEA até descobrir o sabor da madeira?
O que fazemos com estas árvores, matéria-prima para sonhos?

 

Eva Jospin, Matera , 2019 (detalhe) © Museum of Hunting and Nature – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

Eva Jospin, Matera , 2019 (detalhe) © Museum of Hunting and Nature – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Caixas sem guarda-florestal, uma vez que a intensificação técnico-científica reina suprema sobre o desequilíbrio planetário. O que Eva Jospin transmite na sua estética de política ética poderia ser descrito como Ecosofia(2) na medida em que procura no nosso lixo o que tende a lançar luz sobre “a relação da subjectividade com a sua exterioridade – seja ela social, animal, vegetal, cósmica – que fica assim comprometida numa espécie de movimento geral de implosão e infantilização regressiva(3)”.

Caixas de cartão feitas de sonhos perfurados, descartáveis, intercambiáveis nos dias da grande mudança para todos os ecologistas dominicais, gananciosos por bons sentimentos, nunca mesquinhos com contradição, pois “o império de um mercado mundial que elimina sistemas particulares de valor, (que) coloca no mesmo plano de equivalência : bens materiais, bens culturais, sítios naturais(4)” como as obras de Éva Jospin Cenotaph e Ninfas, revestidas na mesma pele de cartão que os móveis dos cartazes pré-fabricados, exibem diante de nós. “Eco” na sua raiz, OÏKOS, é tudo ao mesmo tempo a casa, o habitat, o ambiente natural. O capitalismo alargado e deslocalizado está também enterrado sob os estratos subjectivos mais inconscientes.

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 8

Eva Jospin, Nymphées , Vista da exposição em Kaiserslautern em 2019 © Eva Jospin / Cortesia Galerie Suzanne Tarasieve

 

Estes dois receptáculos abordam os vestígios que deixamos quando não os habitamos. Do cenotáfio, eu tinha escrito noutro lugar que “ninguém vai sujar este edifício com os seus traços indesejáveis”. É a própria habitação que faz um vestígio. Não é o eco de um porquê mas de um quando?(5)” O significado oco é o que o cenotáfio representa. O que não é: um vazio de significado.

É a partir de um bloco de cartão, o seu material favorito, que Éva Jospin trabalha sobre o conceito, para dar o seu primeiro toque à sensação. Escava a peça de cartão até remover parte da sua superfície para a recuar, flauta e esculpir. Assistimos à união marcante da matéria e da forma (6). (6) O cartão monumenta a matéria comum que se torna sagrada em si mesma, evocando os nossos templos perdidos, os nossos deuses enterrados, como madeleines num mundo amaldiçoado que tem a infelicidade de não ter mais nada para procurar. O que resta para explorar se não o próprio homem?

A proibição de fazer uma sensação do corpo em relação às obras é a forma de dizer que esta é uma relação entre o sujeito e o corpo, entre o corpo e o objecto, em toda a sua transversalidade. O desgaste dos nossos dedos nas obras, combinado com a nossa respiração alterando as condições da sua preservação, são novas injunções para não questionar a passagem do tempo e para situar o impacto do homem. O que pode parecer uma evacuação do sensível no ideal antiquado da cientificidade(7) permite-nos paradoxalmente reinjectar sensações nestes fragmentos de uma distância inacessível, adequadas à emergência de um território existencial sonhado.

No entanto, isto é para proscrever uma possível interpretação do elo sujeito-corpo, uma reinvenção estética quase mística que encena um novo espaço onde os “mistérios” se aninham sob o material da uniformização conformista. Os lugares do comum onde ocorre a passagem da vida para a morte (Cenotaph), a limitação do divino sobre a humanidade (Nymphaeum). De modo a dar origem a Cappricio, uma réplica de paisagens em pintura imaginária, misturando poeticamente ruínas e uma arquitectura mais clássica na singularidade de um irreversível fora do tempo. É este afastamento do mundo circundante dentro do mundo, fechado em si mesmo como o cenotáfio, que só nos aproximamos circundando-o, sem nos dignarmos a entrar nele, que torna o objecto artístico próximo e distante de nós ao mesmo tempo.

Uma arquitectura óssea esticada em pilastras com ornamentos dedicados à meditação. Uma espécie de vestígios de subjectividade colectiva, enrolados em arcaísmos líricos à medida que as suas limitações desaparecem. É difícil não encontrar um “ritornello existencial(8)” na prática de Éva Jospin, no sentido de que ela não hesita em “resingularizar conjuntos seriados(9)“.

Nós, os contemporâneos do golpe de Estado no Sudão e do imposto do Carbono, para quem cada peça da toalha redonda é conhecida e reconhecida, velada e revelada, encontrada e redescoberta, estamos extasiados com obras de cartão que nos dizem tanto sobre si próprios que quase desejávamos poder colher, tocar e acariciar esta natureza exposta com o seu esmalte áspero?
Se isto não é tocar no fundo, se isto não é mais um sonho de cartão…

Pensamos que as florestas são intocáveis, mas são circuncidadas pelas tesouras do domador. A liberdade ainda é saber como dizer algo sobre eles. Os seres são sempre impostores dóceis, sensíveis à imitação da natureza, e prontos para se atirarem, com o coração a bater, ao ritmo da floresta. O que fazemos com esta ternura invertebrada? Porque deveria o modo avião ter hoje o único monopólio do silêncio?

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin

Eva Jopsin, Foret , ©Museum of Hunting and Nature, Paris-photo Béatrice Hatala

 

A floresta não é o silêncio, pelo contrário, são os sons que prometem formas. Se a floresta em tempos representou a fronteira intransponível entre o enterrado Aqui e o indecifrável Noutro lugar, hoje é uma uma fronteira turva entre o estado de vigília e o devaneio. Noutro lugar é agora relegado para um pequeno canto do sonho no omnipresente aqui, afogado pelo imediatismo dos instrumentos de mediação. Nesta floresta, procuramos um ponto de equilíbrio à medida que nos reunimos em frente de uma árvore que vimos crescer ao longo dos anos, mas não haverá árvore para ligar a terra ao céu, simplesmente cipós, caules ou ramos para nos lançar para uma busca por outro lugar sem destino, aquele que permanece para o culto quando tudo é arrancado dele: um esqueleto arquitectónico.

O confronto entre Natureza e Cultura deve ser superado: as duas noções estão a ser construídas em conjunto. Não temos uma percentagem a fornecer de um no outro. A natureza e a cultura são indetermináveis e, no entanto, tão decisivas. Com Éva Jospin, voltamos a ser objecto de investigação de um ambiente que só medianamente podemos perceber.

Será que vimos a natureza com os nossos próprios olhos?
Não, excepto através de olhos de vidro, íris de cultura e sentidos de papelão. O homem, tal como os peixes, é incapaz de ver o seu ambiente mesmo quando levanta a cabeça da água; não pode ver o seu ambiente a não ser através do encontro de linguagem e tecnologia. No entanto, o homem não é descartado do olhar do seu tempo, ele é convidado a fazer parte dele duas vezes. É-lhe impossível isolar os materiais que a artista utiliza das suas referências míticas, e isto funciona quando ela intitula a sua abundante e monumental fila de árvores Floresta. Éva Jospin não se perde quando traz à tona esta floresta de raspadinhas, dá-nos um vislumbre da floresta e do seu universo de conto de fadas que abre a virilha a todos os inconscientes freudianos. Pois é sempre na floresta que as crianças são abandonadas nas histórias. Escura é a floresta, pois escura é o mal-entendido mais cruel. A floresta já não é virgem há muito tempo, os prados verdes estão a rachar, a floresta negra está a estalar, as línguas de madeira estão a florescer, a magia negra de um derrame de petróleo está a fluir sobre a água das nossas inconsistências. Que segredos ainda precisam de ser trespassados?

Sonhos inconscientes onde altares esvaziados dos seus sacrifícios se aninham, adiados para outro momento mais oportuno, ou deslocados para um local menos visível e menos dispendioso. Pois o paradoxo é tal que aquele que compra roupa na Amazónia, arbitrariamente designada por uma pessoa mais rica, monta o sangue de uma pessoa mais pobre.

Assim, seria fácil dizer que a Galleria leva uma vida de escravo de galé. A galeria espalha-se até à sua ruína: a vista, mal desfrutando da sua ilusão bem praticada, leva sempre a si mesma. É talvez uma introdução e uma conclusão para uma nova obra de Éva Jospin se ela própria não se tiver esquecido que as galerias da Villa Medici enfrentam a estátua de Hermes, o deus mensageiro, uma vez que a artista transmite mais por sinais do que por palavras, para que possamos depois metabolizá-las em palavras e assumir plenamente que gostamos do significado da sua obra.

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 12

Eva Jospin, Balcon , 2015 © Museu da Caça e da Natureza – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 11

Eva Jospin, Cappricio , 2019 © Museu da Caça e da Natureza – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 15

Eva Jospin, Galleria , 2021 (detalhe) © Museum of Hunting and Nature – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 16

Eva Jospin, Galleria , 2021 © Museu da Caça e da Natureza – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021 (11)

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 13

Eva Jospin, Cénotaphe , 2020 © Museu da Caça e da Natureza – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 4

Eva Jospin, Cénotaphe , 2020, madeira, cartão, papel colorido, conchas, cortiça, cobre e latão, col. do artista, cortesia da Galerie Suzanne Tarasiève. © Museu da Caça e da Natureza – Béatrice Hatala – ADAGP, Paris, 2021

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 10

Eva Jospin, Nymphées  , detalhe, Vista da exposição em Kaiserslautern em 2019 © Eva Jospin / Cortesia Galerie Suzanne Tarasieve

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 14

Eva Jospin, Nymphées  , detalhe, Vista da exposição em Kaiserslautern em 2019 © Eva Jospin / Cortesia Galerie Suzanne Tarasieve

 

Eva Jospin a nadar contra a corrente Artes & contextos eva jospin 7

Forêt, Eva Jospin © Museu de Caça e Natureza, Paris – Béatrice Hatala_adagp, 2021


(1) Referimo-nos a Gregory Bateson e à sua expressão “uma ecologia de ervas daninhas”. Ele diz “Há uma ecologia de más ideias, tal como há uma ecologia de ervas daninhas” em Vers l’écologie de l’esprit, tomo II, Paris, Le Seuil, 1980.
(2) Para Guattari, seria necessário romper com as soluções tecnocráticas às ameaças colocadas pelo homem ao ambiente natural, a fim de destacar a articulação dos “três registos ecológicos, o do ambiente, o das relações sociais e o da subjectividade humana”.

(3) Félix Guattari, Les trois écologies, ed. Galilée, p.12.

(4) Ibid, p.15.

(5) Para ir mais longe na impressão digital do cenotáfio para destacar a transferência do imaterial para o material, entre o projector do invisível e o seu projector invisível, leia-se: Ivan Murit e Simon Lazarus

(6) No sentido de que Aristóteles o entende por Hymorphism.

(7) “As flores são belezas naturais livres. O que deve ser uma flor, poucos sabem excepto o botânico, e mesmo o botânico, que reconhece na flor o órgão de fertilização da planta, não tem em conta este fim natural quando a julga de acordo com o gosto.” Kant, Critique of the Faculty of Judgement, 1790, trans. A Philonenko, Ed. Vrin, 1968, 16, p.71.

(8) Termos emprestados de Guattari, ibid, p.38.

(9) Ibid, p.39.


Este artigo foi totalmente traduzido por software
Cet article a été traduit par ordinateur

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos


O artigo original Eva Jospin , foi publicado @ BOUM!BANG!
The original article Eva Jospin , appeared first @ BOUM!BANG!


Talvez seja do seu interesse:  12.000 Folhas de Papel de Arroz Enrugadas numa Instalação de Zhu Jinshi

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos