Frida Kalho

A tribo que inspirou Frida Kahlo
0 (0)

29 de abril, 2022 0 Por Artes & contextos
  • 11Minutos de leitura
  • 2987Palavras

Frida Kalho

 

 

Este artigo foi traduzido do original por software
This article was translated from the original by software

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos gettyimages 3249013 1525360197

Frida Kalho

 

Aquela sobrancelha sem remorso, a auréola de tranças adornadas com flores negras no centro, maçãs do rosto avermelhadas e lábios avermelhados emolduram um olhar destemido. Os seus colares torzal  mexicanos, brincos de filigrana de prata e contas de ónix que você e eu só tínhamos  esperança de colecionar durante uma vida inteira explorando obscuros mercados artesanais. Sem prémios por adivinhar quem ela é. Mas vamos afastar-nos momentaneamente da artista e ícone que é Frida Kahlo e voltar nossa atenção para a extraordinária tribo Zapoteca que foi fundamental na sua criação.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos img 3 small480

Mulheres zapotecas Carlos Monsiváis

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 50232877871 22f40dbe97 b

Mulheres zapotecas do istmo de Tehuantepec em toucas típicas, Foto de Ruth Lechuga

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos img 6

Archivo General de la Nación – Foto Open Edition Journals

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos img 5

Archivo General de la Nación – Foto Open Edition Journals

 

Voltemos aos astecas, maias e zapotecas da América do Sul, que construíram vastas cidades de pirâmides e palácios, ricas em elaborados trabalhos de padrão arquitetónico e decorativo. Estendendo-se pelo que é agora o México, este era um mundo à parte do conhecimento ocidental até à chegada fatídica dos conquistadores espanhóis no final do séc. XV. ‘Mesoamérica’, a faixa sinuosa de terra entre as Américas do Norte e do Sul, era um centro cultural diversificado e próspero na época da chegada de Cristóvão Colombo. A parte central (o que agora é o México) era fértil e exuberante, apoiando os astecas a oeste, os maias na península de Yucatan ao norte e os zapotecas ao sul. Eles constituíam uma confederação indefinida de cidades-estados cujo poder e influência mútua tinham ido e vindo, aumentado e diminuído ao longo dos séculos. As ruínas que deixaram estão incrustadas com entalhes decorativos religiosos e culturais: ícones, hieróglifos e padrões geométricos decorativos complexos. Descritas como ‘pré-colombianas’ (uma referência bastante colonialista), essas sociedades eram agrícolas, militaristas e defendiam um calendário definitivo que previa o fim do mundo.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 1990.119.39 PS9

Vendedora de Zacate (Vendedora de esponja), Oaxaca retrata uma mulher que carrega as suas mercadorias num cordão enrolado na cabeça, da fotógrafa mexicana Graciela Iturbide, cuja série inovadora em 1974 focou o povo indígena zapoteca na cidade de Juchitán de Zaragoza, Oaxaca, onde as mulheres dominam todos os aspetos da vida social, desde a economia aos rituais religiosos.

 

Na década de 1930, Frida Kahlo passou a ver os zapotecas e astecas como culturas saudáveis ​​e naturais, vivendo em harmonia com a natureza. Os zapotecas comercializavam e trabalhavam conchas, esponjas, ouro, âmbar, sal, penas, peles de algodão, especiarias, mel, cacau e outros materiais naturais que estavam prontamente disponíveis no seu ambiente imediato. Eram os ourives mais produtivos da região, uma sociedade comercial complexa e organizada que se expressava por meio da arte e da decoração diferenciadas, do vestuário à arquitetura. Os estilos desses artefatos antigos sobreviveram ao teste do tempo e foram transferidos para outros meios, como têxteis e design de moda – as blusas quadradas com os seus painéis bordados característicos que Frida tanto adorava, sendo um bom exemplo disso.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos Tina Modotti Two Women from Tehuantepec with jicalpextle Google Art Project

Duas mulheres de Tehuantepec, fotografadas por Tina Modotti (1895 – 1942)

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 48373381197 20903cc706 o

‍‍

 

Fotografia de Edward Weston de Rosa Covarrubias em vestido tehuana (1936)

Fotografia de Edward Weston de Rosa Covarrubias em vestido tehuana (1936)

 

No sul do México, onde hoje é o estado de Oaxaca, as antigas tradições da tecelagem ainda são praticadas, nomeadamente a incorporação de símbolos e padrões antigos tecidos por famílias específicas de tecelões. Cada família produz as suas próprias combinações únicas de design e, embora possa haver alguma repetição na forma e no padrão, usando um conjunto distinto de cores, a produção de cada família é especial. Os símbolos não são inventados, mas uma continuação da cultura zapoteca, ainda que ainda exibe os seus profundos significados espirituais, honrando a natureza e os seus deuses.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 3546866176 a64e9770d5 o

Mulher índia zapoteca em Oaxaca, 1/Jan/1990. Oaxaca, Mexico. UN Photo/F Keery

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 2328781731 3b2c6d65b7 k

Mulher zapoteca do Istmo de Tehuantepec vende flores no zócalo de Oaxaca, México © Karen Elwell

 

A sua capital, Tehuantepec, é uma cidade agora famosa pelo seu estilo de vestir distinto entre as mulheres; saias rodadas tradicionais, blusas bordadas artesanais e penteados floreados. É um lembrete visível de que, nesta região, as mulheres Tehuana governam o poleiro na sua sociedade historicamente matriarcal, onde as mulheres tinham direitos comerciais exclusivos e dominavam os mercados da cidade.

A propósito, até os anos 1970 havia uma proibição total de homens nos mercados, mas a regra foi um pouco relaxada desde então. Até hoje, estima-se que os homens representem menos de cinco por cento da população total nos mercados, porque tradicionalmente eles estavam a trabalhar no campo e as mulheres tratavam das ligações dentro e fora de casa. A visão de negócios das mulheres de Tehuantepec foi amplamente celebrado em textos do século XIX, que sem dúvida devem ter atraído uma Frida Kalho emancipada quase tanto quanto a sua estética.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos Lukas Avendan%CC%83o Muxhe Muxes Performance Art Zapotec Mexico Tehuantepec2

Lukas Avendaño, Muxhe Performance Artist em Tehuantepec, México, fotografado por Mario Patinho

 

O que deve ter tornado tudo ainda mais atraente para Frida foi que os zapotecas eram uma sociedade liberal para os padrões modernos. Desde os primeiros tempos pré-hispânicos até aos dias atuais em Oaxaca, eles reconheceram e toleraram três géneros: feminino, masculino e muxe , um termo exclusivo dos zapotecas para descrever uma pessoa que nasceu homem, mas que se veste e se comporta de maneiras diferentes associado às mulheres. Tradicionalmente considerados boa sorte, muxes  não são referidos como “homossexuais”, mas sim vistos como um terceiro género separado, sem as mesmas pressões frequentemente enfrentadas por pessoas transgénero nas sociedades ocidentais.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos download 2

Estrella Vasquez, uma mulher muxe. REUTERS / José de Jesus Cortes

 

A antropóloga Beverly Chiñas explica que, na cultura zapoteca, “a ideia de escolher o género ou a orientação sexual é tão ridícula quanto sugerir que se pode escolher a cor da pele”. (Saiba mais sobre as complexidades dos muxes aqui ).

As próprias opiniões de Frida Kahlo sobre identidade de género e a sua conduta pessoal também se encaixam bem nessa tradição. Como os antigos, ela aceitava a fluidez de género, ela mesma se sentia tanto masculina quanto feminina – a sombra de um bigode deliberadamente acompanhada do famoso unibrow  nas suas pinturas afirmava isso. Ela foi fotografada inúmeras vezes como uma jovem mulher vestindo um fato masculino com cabelo penteado para trás e a fumar um charuto.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos tqy0fr868me51

Frida Kahlo, no centro com sua família, vestida como um jovem em 1924

 

Enquanto o pai de Frida era um fotógrafo alemão-húngaro branco, a mãe de Kahlo era ‘mestiça’, meio espanhola, meio indígena tehuana , descendentes de tehuantepec , mulheres zapotecas. Desde tenra idade, no entanto, Frida foi protegida pela sua classe privilegiada, protegida pela sua origem burguesa, e não partilhou as mesmas realidades das mulheres Tehuana que vivem em comunidades atingidas pela pobreza onde os povos indígenas foram, e ainda são, ativamente oprimidos no rescaldo da colonização. Se a sua pintura de 1939, Las dos Fridas , é uma indicação, Kahlo mais tarde tornou-se bastante consciente da sua liberdade de dividir as duas culturas graças à sua classe social. À esquerda, ela pinta uma Frida mais europeia, vestida com um vestido de renda vitoriana branca, enquanto a figura à direita apresenta uma em traje mexicano, a pessoa que seu Diego Rivera defendeu e, por fim, preferiu.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos the two fridas 1939

Las dos Fridas , Frida KIaahlo

 

Frida conheceu Diego Rivera, o grande muralista, mulherengo e amigo íntimo de Leon Trotsky, por ser membro do Partido Comunista. O relacionamento deles era apaixonado e turbulento . Ela casou com ele em 1929 e divorciou-se dele, apenas para se casar com ele novamente em 1940. Outro camarada, Rivera criou vários murais políticos que atacaram a classe dominante, o capitalismo e o materialismo ocidental e, ao fazê-lo, elevaram e romantizaram a herança nativa e anticolonial do México. Foi Rivera quem sugeriu que Frida Kahlo deveria usar o traje tradicional como uma demonstração de orgulho mexicano. Frida não precisava xe ser convencida e abraçou a ideia de todo o coração.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos Frida Kahlo y diego rivera historia de amor

Frida Kahlo e Diego Rivera. © Graphic House

 

A revolução da década anterior procurou forjar uma nação nova e integrada de todas as descendências étnicas e a chave para esta nova identidade foi o uso da arte e ícones indígenas: as obras das culturas astecas, maias e zapotecas que floresceram antes de serem destruídas pelos espanhóis (cuja cultura de base europeia foi a imagem histórica do país até então) foram ativamente incentivados. O novo Ministério da Educação esforçou-se para promover a adoção e o uso da arte indígena como uma fuga ao passado destruído do México.

 

Frida Kahlo

Frida Kahlo, “Self-Portrait on the Borderline Between Mexico and the United States”, 1932, óleo sobre metal, coleção Maria Rodriguez de Reyero (As ruínas da Pirâmide Zapoteca em Monte Alban em contraste com a poluição industrial das fábricas nos EUA)

 

Para Kahlo e Rivera, celebrar a cultura indígena mexicana foi um ato de solidariedade política para mostrar do que se tratava o antigo e o novo México: uma sociedade de iguais, uma sociedade da terra e com todos partilhando uma herança comum e objetivos mútuos. A nova república ofereceu a Frida Kahlo muitas telas em branco – novas agendas socialistas, novas artes e uma nova perspectiva cultural, novos papéis para as mulheres e novos camaradas com interesses semelhantes, todos em busca de reinventar a sociedade mexicana.

Ferozmente política e orgulhosamente homossexual, o seu desejo pela vida e pelos amantes incluía Leon Trotsky, Georgia O’Keeffe e Josephine Baker. Uma Frida Kahlo sem filhos devotou toda a sua energia criativa a esse turbilhão de mudança social.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos tehuana 1593713846

O autorretrato de Frida Kahlo como Tehuana, de Frida Kahlo, 194 usando o Resplandor, que significa “O Brilhante, O Brilhante”. © A Coleção Jacques e Natasha Gelman de Arte Mexicana do Século XX e a Fundação Vergel.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 2076462584 91d17ca6c3 o

Cartão postal de Tehuana 1939 de Luis Marquez com o título “Tipo de Tehuana”. O Resplandor é um cocar típico das mulheres Tehuana da província de Oaxaca, no México.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 50639338616 8c90553345 o 1

Cartão postal vintage do México mostra um grupo de mulheres zapotecas do istmo de Tehuantepec em roupas típicas. Esta pode ser uma foto de casamento. (Fonte: Flickr de Karem Elwell)

 

Na arte e cultura zapoteca, Kahlo encontrou o recipiente perfeito para a sua autoexpressão nacional e própria. Sem dúvida, ficaria fascinada com as antigas técnicas de tecelagem da herança tehuantepec da sua mãe, nas quais cada padrão conta a história do tecelão.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 2459663704 3607c0bb98 b

Este cartão postal foi enviado em 1928 e mostra um grupo de mulheres mexicanas trabalhando em um trabalho desenhado (deshilo) têxtil (Fonte: Flickr de Karem Elwell)

 

Frida combinou os seus vestidos modernos com blusas Huipil  maias e pintou-se usando cocares cerimoniais conhecidos como resplandor. Usava as suas pulseiras de prata coloniais com contas e colares indígenas, ela colocava  lenços de rebozo  em volta dos ombros – trazidos pela primeira vez para a região pelos espanhóis durante a época de Cristóvão Colombo e posteriormente retrabalhados pelos astecas com tintas e bordados tradicionais. O rebozo  também foi usado por mulheres revolucionárias na década de 1910 para contrabandear armas pelos postos de controle do governo. Usar o lenço rebozo  simbólico era o tributo de Frida às mulheres pré e pós-coloniais, um aceno para a inclusão do pensamento livre e uma manifestação da sua própria formação social e política diversa.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 41bdfc5843aecd41beddee8d23f35ceb scaled

Frida, San Angel Nickolas Muray, 1941, cortesia do Arquivo Nickolas Muray

 

Com o passar dos anos, ela combinou propositadamente a moda ocidental com a vestimenta tradicional, usando o seu guarda-roupa eclético para expressar uma identidade mexicana feminista, política e nacionalista, mas também para navegar na sua experiência de viver num corpo deficiente. Por exemplo, as blusas Huipil bordadas em forma de caixa que ela ficou famosa por usar, comunicavam uma certa identidade, mas ao mesmo tempo, permitiam-lhe esconder discretamente os reforços traseiros e os elásticos do tronco que foi obrigada a usar a maior parte da sua vida.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos 1d10b33e99fc12da759c9249a2a8d76f 1593787686 1

Em 1953, Frida Kahlo soube pelos médicos que a sua perna seria amputada por causa de gangrena. A sua angústia foi demonstrada com desenhos na sua escrita. No seu diário, ela citou “Pés, para que os quero, se tenho asas para voar” e revelou o desejo de cometer suicídio, mas Diego impediu-a sempre de o fazêr.

 

Ao longo da sua vida, ela aplicaria esta estética engenhosa para dominar a sua auto-imagem e arte, e compensar um corpo desfigurado e enfermo com acessórios inteligentes – as suas longas saias Tehuana, lenços de pescoço Rebozo  coloridos e quantidades copiosas de jóias fabulosas serviram como belas e necessárias distrações. Decorou os seus elásticos e reforços com jargão político, fez e enfeitou as suas próprias botas de renda, construídas à mão.

No final dos anos 1930, a produção artística de Frida era prolífica e, após regressar das suas visitas aos Estados Unidos que ajudaram a cristalizar a sua personalidade artística única, ela agora era reconhecida internacionalmente. As aparições em Nova York com o seu vestido zapoteca causaram sensação na moda. André Breton, o artista surrealista francês, descreveria a sua arte em 1938 como uma “fita ao redor de uma bomba”. Em 1938, Elsa Schiapparelli desenhou  La Robe de Madame Rivera’  em resposta a Kahlo e aos seus conjuntos Tehuana com as suas mangas pretas transparentes e contas florais vermelhas.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos A 1946 photo of Frida Kahlo in New York

A artista mexicana num telhado em Greenwich Village em março de 1939. Fotografia: Arquivos de Nickolas Muray

 

Hoje a sua imagem encara-nos em postais, ímanes de frigorífico, calendários, agendas, Barbies, filtros snapchat, capas de telefone, joias e coleções de passarelle. Ela é a eterna musa para inspirar casas como Roland Mouret, Jean-Paul Gaultier, Valentino e Etro. “Frida Kahlo” tornou-se uma marca global, o seu estilo uma tendência que regressa constantemente às semanas de moda globais. É aqui que, quase 70 anos após a sua morte, as questões de apropriação cultural indígena são levantadas.

Frida é a mulher arquetípica, a mulher antropomórfica com a qual todos os géneros podem relacionar-se, um símbolo do sofrimento feminino – tanto social quanto fisicamente, mas ela também é uma vítima da cultura de massas. O saturado fenómeno da cultura pop de “Fridamania” fez com que a sua imagem se tornasse literal e unidimensional, e a iconografia indígena encontrada na sua obra perdeu-se totalmente no processo.

 

A tribo que inspirou Frida Kahlo Artes & contextos XXXVII 38 jimmynelson

da a série Zapotec – Foto, Jimmy Nelson

 

À medida que nos afastamos do exagero, deixemos que esta seja uma oportunidade de reconhecer o lado esquecido da história que ela também tentava contar; um convite para ouvir e aprender com as diversas comunidades que claramente têm muito a partilhar.

Por mais que Frida e a sua arte icónica nos capacitem a celebrar o feminismo, a identidade queer  e a encontrar esperança no meio do desespero, o legado de Kahlo tem o poder de fornecer uma paisagem fértil para uma narrativa atrasada que inclui, homenageia e se envolve com a rica cultura indígena que inspirou a nossa complexa heroína.

 

 

Tehuana (2020) é um documentário de Diego Huerta que oferece um olhar profundo sobre a cultura e o estilo de vida da mulher tehuana.

Este artigo foi traduzido do original por software
This article was translated from the original by software

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos


O artigo original The Tribe That Inspired Frida Kalho , foi publicado @ Messy Nessy Chic
The original article The Tribe That Inspired Frida Kalho , appeared first @ Messy Nessy Chic


Talvez seja do seu interesse:  Free Works of Art from World-Class Museums: A Meta List of Great Art Available Online (Em inglês)

0</h

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos