Como A Grande Ilusão de Jean Renoir se tornou o "Inimigo Cinematográfico Número Um" para os nazis Artes & contextos como a grande ilusao do grande filme anti guerra de jean renoir se tornou o inimigo cinematografico numero um para os nazistas

Como A Grande Ilusão de Jean Renoir se tornou o “Inimigo Cinematográfico Número Um” para os nazis
0 (0)

6 de janeiro, 2022 0 Por Artes & contextos
  • 5Minutos de leitura
  • 1094Palavras

A Grande Ilusão

 

Ao contrário do que se pensa, o ministro da propaganda nazi Joseph Goebbels não admitiu espalhar uma “Grande Mentira”.

 

video
play-rounded-fill

 

Como diz o estudioso da propaganda alemã Randall Bytwerk:  “Goebbels sempre defendeu que a propaganda tinha de ser verdadeira. Isso não quer dizer que não tenha mentido, mas teria sido um propagandista muito fraco se proclamasse publicamente que ia mentir.” Ainda assim, Goebbels acusou incessantemente outros de mentirem e espalharem propaganda desonesta, e reprimiu brutalmente as verdades que considerou inconvenientes. Ficou particularmente furioso na estreia em 1937 de um filme do realizador francês Jean Renoir (filho do pintor Pierre-Auguste Renoir) chamado  La Grande Illusion  – um filme que questionava várias fantasias que os nazis pareciam desesperados em manter.

 

A Grande Ilusão

La Grande Illusion de Jean Renoir

 

Entre elas estava a ideia de que a guerra era inevitável e desejável, que uma aristocracia natural se ergueria acima da horda comum — e que as elites não deveriam ter solidariedade ou simpatia pelos judeus ou outras minorias. Estas crenças eram centrais na a ideologia fascista e para o projeto de propaganda de Goebbels. La Grande Illusion de Renoir minou-os a todos, apesar de se passar na Primeira Guerra Mundial e baseado num livro britânico ainda mais antigo,  A Grande Ilusão de Norman Angell, de  1909, que argumentava que a guerra na Europa era economicamente destrutiva em contraste com a cooperação mútua. Goebbels temeu tanto o filme anti-guerra de Renoir que chamou de “inimigo cinematográfico número um” e ordenou que cada impressão fosse entregue e queimada e os negativos originais destruídos.

Cinema Tyler explica no vídeo acima como o esforço para eliminar A Grande Ilusão  “tinha todo o poder da máquina de propaganda nazi numa missão para destruir todas as cópias”. Falharam. Como  nota Roger Ebert, o negativo original, supostamente destruído num ataque aéreo aliado em 1942, “já tinha sido assinalado por um arquivista alemão de nome Frank Hensel, então um oficial nazi em Paris, que mandou enviá-lo para Berlim”.

Nos anos 60, o próprio Renoir “supervisionou a montagem de uma cópia ‘restaurada'”. Depois, trinta anos mais tarde, na altura das publicação de  Ebert em 1999, o negativo original ressurgiu e uma nova cópia cintilante circulou, renovando os elogios a um filme sobre o qual Franklin Roosevelt proclamou, na altura do seu lançamento, “todas as democracias do mundo devem ver este filme”.

 

O filme estreou-se enquanto a Alemanha nazi e a União Soviética se posicionavam agressivamente em pavilhões monumentais para a Exposição Internacional de Artes e Técnicas na Vida Moderna de 1937 em Paris. A Alemanha estava a três anos de invadir a França, e embora Renoir não pudesse conhecer o futuro, o filme utiliza as suas personagens “para ilustrar como os temas da primeira guerra se agravariam tragicamente na segunda”, escreve Ebert. Centra-se em três oficiais franceses capturados: “De Boieldieu (Pierre Fresnay), de uma antiga família aristocrática…. Marechal (Jean Gabin), um trabalhador, membro do proletariado emergente, e Rosenthal (Marcel Dalio), um banqueiro judeu que ironicamente comprou o castelo que a família de Boieldieu já não podia pagar”.

 

video
play-rounded-fill

 

O carcereiro dos oficiais franceses, o piloto ferido von Rauffenstein (interpretado pelo grande realizafor alemão e silencioso Erich von Stroheim), acredita ter mais em comum com de Boieldieu do que este último com os seus compatriotas, e em muitos aspetos, isso prova-o. Ainda assim, o aristocrata francês usa o seu privilégio, como dizemos hoje, para ajudar os outros prisioneiros a escapar, à custa da própria vida. Quando Marechal e Rosenthal recebem abrigo de uma viúva agrícola alemã, “talvez Renoir esteja a sussurrar que a verdadeira ligação de classe entre as linhas inimigas é entre os trabalhadores, e não entre os governantes”, escreve Ebert. Talvez tenha sido também a solidariedade nacional entre os prisioneiros que inquietou Goebbels — a sua persistente, “única obsessão: escapar”, apesar do conforto do seu cativeiro, como diz dramaticamente o trailer do filme. A guerra ainda não tinha começado, e ainda assim, escreve A.O. Scott no  The New York Times:

 

Em França, no final da década de 1930, foram os anos da Frente Popular,  uma tentativa da esquerda de contrariar a ascensão do fascismo e superar as suas próprias tendências para o sectarismo e a ortodoxia. O rosto político da frente era  Léon Blum, um socialista judeu moderado cujos dois termos truncados e frustrantes como primeiro-ministro coincidiram com a produção e lançamento do filme de Renoir…. A ação ocorre durante a Primeira Guerra Mundial (na qual Renoir serviu como piloto), quando o  Caso Dreyfus ainda era uma memória recente, mas tem um olho no antissemitismo contemporâneo e na militância laboral, bem como uma subtil e ansiosa premonição dos conflitos globais que estão para vir.

A Grande Ilusão  não só inspirou dois dos momentos mais famosos da história do cinema – o túnel em The Great Escape  e o canto de “La Marseillaise” em  Casablanca  – mas continua a ser, por si só, um dos maiores filmes alguma vez realizados. (Orson Welles reivindicou-o como um dos dois únicos filmes que levaria consigo “na arca”.

Continua na sua forma “gentilmente irónica”, a “questionar todo o tipo de ‘ilusões'”,  escreve David M. Lubin, “que, na visão [de Renoir] sustentam a guerra moderna: que um lado é moralmente superior ao outro… que as divisões de classes são naturais, que os homens devem ser convencionalmente viris, que os judeus são inferiores aos gentios, e assim por diante. Em vez de simplesmente denunciar A Grande Ilusão como uma grande mentira propagandística, Goebbels tentou apagar a sua existência.

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

Considera, por favor fazer um donativo ao nosso site.
Ajuda-nos a não depender da publicidade para continuarmos a partilhar Arte mantendo o Artes & contextos livre.
Podes também ajudar-nos ao subscreveres a nossa Newsletter e acompanhando-nos no Facebook, no Twitter e no Instagram


O artigo original How Jean Renoir’s Great Anti-War Film Grand Illusion Became “Cinematographic Enemy Number One” to the Nazis , foi publicado @ Open Culture
The original articleHow Jean Renoir’s Great Anti-War Film Grand Illusion Became “Cinematographic Enemy Number One” to the Nazis , appeared first @ Open Culture


Talvez seja do seu interesse:  O Acossado de Jean-Luc Godard: Como a II Guerra Mundial Ajudou a Criar a Nouvelle Vague

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos