Tursunay Ziawudun by Mahn Kloix

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha

17 de dezembro, 2021 0 Por Artes & contextos

Mahn Kloix

 

O artista de rua Mahn Kloix concluiu recentemente o seu último mural em Marselha. Ocupando uma parede de 200 metros quadrados da operadora de telecomunicações Orange é o retrato de Tursunay Ziawudun, uma mulher Uyghurs que passou o calvário nos “campos” chineses.

 

Fotos:  © Fabrice Calmettes
Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0965 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

 

Suspenso pelos seus cabos, o artista deu os retoques finais ao seu retrato no dia 7 de outubro, na imensa fachada deste edifício, na rue Félix-Pyat, no coração de um dos bairros mais pobres da segunda maior cidade da França. E assinou a obra a 8 de outubro com um simples, Tursunay Ziawudun, de Mahn Kloix.

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0775 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix , Marselha (em desenvolvimento)

 

Nenhuma mensagem para além deste nome e deste rosto, que o artista pintou a partir de uma imagem de um documentário da BBC onde esta mulher de 43 anos narra as violações que sofreu num dos “campos” criados pelo regime chinês na região ocidental de Xinjiang, primeiro em 2017, depois em 2018.

Várias organizações de direitos humanos acusaram Pequim de ter “internado” pelo menos um milhão de Uyghurs em Xinjiang em “campos de reeducação”, sujeitando alguns a trabalhos forçados. A Amnistia Internacional denunciou “crimes contra a humanidade”.

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0755 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Pequim nega esta figura e fala de “centros de formação profissional” para apoiar o emprego e combater o extremismo muçulmano nesta província que tinha sido atingida por ataques atribuídos a Uyghurs.

Sob um véu de renda quase transparente, o olhar é suave. Com a mão na bochecha, Tursunay Ziawudun parece “olhar para o futuro”:

 

“Um dos meus desafios”, explica Mahn Kloix à AFP, “é falar de coisas negativas sem cair no negativo, para dar sempre uma imagem de esperança”. A viagem desta mulher tem sido “violenta”, explica o artista de 40 anos, que passou dois anos em Pequim, quando ainda era desenhador gráfico e sobretudo um viajante de longo curso. Foi através deste documentário da BBC que ele descobriu a provação de Tursunay Ziawudun. Revolveu-me as  entranhas.

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0965 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

“Esta é talvez a cicatriz mais difícil de esquecer”, explica esta sobrevivente Uyghur, no seu testemunho, revendo as suas três violações em grupo: “Já nem quero que essas palavras saiam da minha boca, (…) de facto o seu objectivo é destruir-nos a todos”, afirma, sobre a política do regime chinês em relação à comunidade muçulmana em Xinjiang.

 

“O meu tema atualmente são as minorias oprimidas”, explica o artista. Numa parede em Marselha, pintou Nüdem Durak, um cantor curdo preso na Turquia. Numa porta de garagem, ainda em Marselha, é Yulia Tsetkova, uma ativista russa processada por defender os direitos das mulheres e do povo LGBT. Em Eauze (Gers), Greta Thunberg, a jovem activista ambiental sueca. Em Paris, na WALL (Modular, Urban, Reactive) de Oberkampf, um beijo é escandaloso, o de Shaza e Jimena, duas mulheres que tiveram de fugir do Dubai onde a homossexualidade é punível com a morte.

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0843 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Com Tursunay Ziawudun, é outra resistência que ele aborda:

 

“Pintei este retrato nas paredes do histórico operador telefónico em França, no país do lema Liberdade, Igualdade, Fraternidade, o país que se afirma como garante dos direitos humanos mas que continua a realizar trocas comerciais com a China, isso faz todo o sentido! “, alega com ironia.

 

Mahn Kloix começou a pintar em espaços urbanos na cidade de Nova Iorque. Fortemente influenciado pela cena artística de rua, o fluxo contemporâneo e a figuração livre de Kloix é também expressado em tela e papel. Presta homenagem a jovens manifestantes em Istambul, Tunísia e Atenas, transmitindo as suas semelhanças nas suas obras. Os seus retratos são um leitmotiv para destacar as lutas humanas e ambientais.

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0333 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0353 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0303 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0636 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (em desenvolvimento)

 

Tursunay Ziawudun por Mahn Kloix em Marselha Artes & contextos DJI 0892 4 5

Tursunay Ziawudun  por Mahn Kloix, Marselha (concluído)

Website de Mahn Kloix
Mahn Kloix no Instagram

Este artigo foi traduzido do original em inglês por software


O artigo original“Tursunay Ziawudun” por Mahn Kloix em Marselha, França , foi publicado @ StreetArtNews
The original article “Tursunay Ziawudun” por Mahn Kloix em Marselha, França , appeared first @ StreetArtNews


Talvez seja do seu interesse: Rise Above, de Shepard Fairey no Dubai

0

close

Oferecemos-lhe ao sábado de manhã, a semana em Arte

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.