Digestion

Pierre Daniel, Digestion
0 (0)

23 de setembro, 2021 0 Por Artes & contextos
  • 5Minutos de leitura
  • 1157Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 1 ano, o que em 'Tempo Internet' é bastante. Pode estar desatualizado.

Digestion

 

 

Seria plástico como o barro, primal. Seria a infância, o riso do que não entendemos bem, que entendemos muito bem. Seria o polícia e o ladrão, seria um cassetetete. Pierre Daniel toma e dá. O sistema digestivo transforma-se, é uma passagem dentro da qual se realiza a alquimia que nutre.

Quando partiu para a Bélgica, de Paris onde tinha estudado Belas Artes, Pierre Daniel teve de ir para Ostende para representar o estado em que a tradução o colocou: colonização, violência, lucro, cliché, humor, jogo, desprezo, gordura, baixeza, riqueza, bolores e ritos. James Ensor, Leopold II e o mar. Assim Pierre Daniel integra Ostende, integra o mexilhão, o seu folclore, integra o rei, aquele mesmo que previu que o Congo filantrópico para sair do Inferno, integra Ensor, que é a estrela, a fantasia. Em qualquer caso, é antes de mais uma história que nos é contada, com adereços feitos de volume de plástico com um efeito repugnante, um efeito intestinal, sempre lá para nos lembrar tanto a terra, o barro, como as fezes que passam pelos intestinos, ao qual Pierre Daniel presta frequentemente homenagem. Isto é para evitar ver, de facto, a delicadeza com que o artista tece as suas referências, a intensidade com que a Bélgica deve tê-lo impressionado.

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 2 980x858 1

Pierre Daniel, Vista da exposição: performance IJ’ai perdu le Nord épisode II : Les serres Royales de Laeken à Pantin, Atelier W, Pantin, 2021 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 1 980x653 1

Pierre Daniel,  Performance J’ai perdu le Nord épisode II : Les serres Royales de Laeken à Pantin, Atelier W, Pantin, 2021 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 3 980x915 1

Pierre Daniel, James Ensor et Leopold II troudeballisés,  tecido felpudo, amendoins, bolores, chocolate, cola quente derretida 5m20x4m60, 2016 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 4 980x1470 1

Pierre Daniel, Leopold II et la fanfare des moules escargotés,  plástico derretido, chocolate, 165x110x80 cm, 2017, exposição Magnetic North,  2021, espace Vidéochroniques, Marselha, foto Jean-Christophe Lett ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 24 980x1470 1

Pierre Daniel, La cabosse, 2021, exposição  Magnetic North,  2021, espace Vidéochroniques, Marselha, foto Jean-Christophe Lett ©

 

Transformado em Tom Cruise Top Gun em Apocalypse Now in Heart of Darnkess, o homem-orquestrador sob o plástico incómodo, com a sua voz torcida por um dispositivo de handicap que segura na mão exatamente como aquelas crianças que complicam as coisas onde alguém sensato, para produzir o mesmo efeito, teria ido diretamente ao assunto, este homem é agora apenas um corpo suado e concentrado, vetor da nossa hilaridade de cumplicidade. Imagina-se que o frontal, apesar da aparente trivialidade geral, não é o tom preferido do artista. Que é provavelmente uma questão de não fazer um slogan. Todo este brilho congelado, pingado, enquanto o plástico não tem nada de orgânico, é a embalagem que protege, é a limpeza perfeita. Este é o milagre Daniel: utilizar o material para regressar à fonte simbólica e tangível da coisa, para apontar a carga, para encarnar. É preciso dizer que para um artista francês, estabelecer-se na Bélgica é, antes de mais, quase o mesmo. É quase o mesmo porque se fala a mesma língua, porque as piadas transfronteiriças são imemoriais, porque é diante do mesmo, presos no quase idêntico, que descobrimos com horror a relatividade de qualquer identidade. Uma história de uma bola de espelhos, então, um jogo de diferenças. Espelho de capital, cagalhão transcendental. Nada para ver, acha? O jogo proposto é, no entanto, precisamente da ordem da difracção. Olhem para o guache, estou a contar-vos uma história. Olha para o meu corpo, o teu é o mesmo. Vejam as proporções, a tradição, o imaginário, estamos em redefinição. Sempre, ao traduzir, Pierre Daniel deixa que algo subjacente ao presente venha à tona, algo que não é História como se diz, que é antes um ponto cego, uma bolha de febre no Ocidente, uma purulência que o plástico e o mesmo perfume têm a função de esconder.

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 14 980x1307 1

Pierre Daniel,  Improvisation #23  (estufa, palmeira, bastão), 76,5×56,5 cm, guache e tinta sobre papel, 2021 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 15 980x1307 1

Pierre Daniel, Improvisation #24  (estufa, capacete, palmeira), 76,5×56,5 cm, guache e tinta sobre papel, 2021 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 16 980x1307 1

Pierre Daniel, Improvisation #25  (estufa, palmeira, bastão, rangers), 76,5×56,5 cm, guache e tinta sobre papel, 2021 © 2021

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 18 980x1307 1

Pierre Daniel, Improvisation #26  (palmeira, CRS), 76,5×56,5 cm, guache e tinta sobre papel, 2021 © 2021

 

Quando olhamos para os guaches pintados em confinamento, que são o fruto de tintas anteriormente iluminadas, vemos algo mais: a natureza mutável do exercício. Um orifício liga-se, a sombra é usada no braço, a infra-estrutura arma corpos rosados entre o bebé e os doces, a palmeira forma a terra. Já não se sabe o que entra ou sai, compõe, perfura, se não a cor que acaricia e seduz. Complementaridade, ondas, transparências traduzem na superfície o que a imaginação produz. A experiência da arte e a sua monstração ritual como um jogo com as correntes da consciência, como uma paragem virtual de um pensamento. A performance de Pierre Daniel, em relação à prática (vestida na sua obra, pendurando a obra e comentando-a no espaço, atravessada por estados em estrato, recitando a sua obra) refere-se à montagem das atracções Eisensteinianas: saturação máxima dos sentidos pela justaposição dos elementos apresentados ao ponto de a mente não poder seguir, analisar, apenas captar alguns elementos salientes de passagem e que marcam. Como dizer sem dizer, dizer mais do que dizer, dizer através de dizer e fazer, expressar, trazer à tona algo da necessidade de partilhar ou de apontar as imagens do mundo? Pierre Daniel recorda os territórios da infância, a sua vasta verdade, horizontes com relevos contraditórios, a sua legítima defesa contra o horror da síntese, o monstro da razão, a baixeza da lógica. Ele sabe a diferença entre imagem e ilustração.

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 22 980x1472 1

Pierre Daniel, Detalhe: James Ensor et Leopold II troudeballisés,~tecido felpudo, amendoins, bolores, chocolate, cola quente derretida, 5m20x4m60, 2016 ©

 

 

Pierre Daniel, Digestion Artes & contextos pierre daniel 23 980x652 1

Pierre Daniel, Detalhe: James Ensor et Leopold II troudeballisés, tecido felpudo, amendoins, bolores, chocolate, cola quente derretida, 5m20x4m60, 2016 ©

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos


O artigo original Pierre Daniel , foi publicado @ BOUM!BANG!
The original article Pierre Daniel , appeared first @ BOUM!BANG!


Talvez seja do seu interesse: A experiência imersiva de Borondo sobre o património artístico

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos