Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas Artes & contextos rafa macarron mergulha em la nave salinas

Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas
0 (0)

31 de agosto, 2021 0 Por Artes & contextos
  • 6Minutos de leitura
  • 1550Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 1 ano, o que em 'Tempo Internet' é bastante. Pode estar desatualizado.

 

Rafa Macarrón

 

O talentoso artista madrileno oferece a sua particular homenagem à praia e à luz do Mediterrâneo com El bañista, uma exposição na Fundação La Nave Salinas em Ibiza composta por mais de 15 quadros de grande formato que o tornam o primeiro espanhol a expor neste espaço. Até 31 de Outubro

O artista nascido em Madrid entra neste Olimpo como o jovem talento espanhol que está a crar um lugar para si na cena artística internacional. O seu trabalho, de facto, já se encontra em importantes colecções e foi exibido no Porto, Nova Iorque, Miami, Hong Kong, Tóquio, Toronto, Istambul e Bogotá.

Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas Artes & contextos Rafa Macarron retrato 1 apert pafqt48iq5e2p88qbh0bs9b3vt9atai2u66mj5m32s 1

O artista no seu estúdio. Cortesia do autor e CANO ESTUDIO.

 

A sua última exposição foi uma exposição individual no museu do CAC em Málaga e agora, durante o Verão de 2021, apresenta El bañista / The Batheren na fundação da ilha de Ibiza. As suas telas com as suas personagens características de mudança de forma, cheias de humildade, afastam-se da solidão para criar legiões de seguidores fascinados por eles.

Rafa Macarrón

El bañista / The bather, por Rafa Macarrón, 2021. 183 x 296 cm.

 

A exposição, que pode ser visitada até 31 de Outubro, reúne mais de 15 quadros em vários formatos que foram realizados em 2021. Neles encontramos os diferentes mundos que o pintor tem vindo a criar. Há as pinturas pretas em formatos verticais gigantes e as paisagens panorâmicas. É nestes formatos horizontais que milhares de cenas ocorrem simultaneamente. Existem praias superlotadas, mas também figuras solitárias. Há cor, muita, mas em três obras reina o preto e branco supremo, acompanhado de tons de cinza. Em todos eles um universo próprio, um realismo mágico, que o amador, o coleccionador ou o crítico já reconhece como o “universo Macarrón”.

Como Juan Manuel Bonet, ex-director do Museo Nacional Reina Sofía e do IVAM, salienta, foi o crítico Rubén Suárez que definiu muito bem o seu trabalho:

 

“Não falta tradição no tipo de tendência que cultiva, esta figuração fantástica e ornamental com derivações de abstração, surrealismo e expressionismo, que sem recuar muito na história, e com as nuances que se deseje, pode ter familiaridade com alguns do grupo Cobra, como Alechinsky, o primeiro Dubuffet ou o nosso Bonifácio e Alfonso Fraile, passando por Miró ou Arshile Gorky, para quem André Breton inventou personagens híbridos”, escreveu Suárez.

Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas Artes & contextos @nicofaletty 2N7A3944

Interior de la sala La Nave Salinas de Ibiza con el montaje de la exposición El bañista, de Rafa Macarrón, 2021. Fotografía: Nico Faletty.

Como aponta Boneto:

“Desde o início, Rafa Macarrón é claro que quer falar, com humor mais branco que negro, mais compassivo que cruel, da rua, da vida quotidiana, da sua própria existência, do seu espanto perante o mundo. Ele escolhe uma gama de cores inicialmente estridente (áreas mais escuras viriam mais tarde), um estilo inspirado em pintores como os que temos vindo a mencionar – Picasso, Picabia, Duchamp, Dubuffet,… ou Arroyo e Gordillo – assim como a linguagem da banda desenhada. Há uma sucessão de interiores, paisagens e praias, pinturas cósmicas, rostos bestiários, humanos…”

Macarrón define o seu trabalho da seguinte forma: “é expressionismo porque nasce de um gesto, mas também de uma nova figuração”. Para fazer estas figuras alongadas, ajudou-me muito a conhecer a anatomia. Eu conheço muito bem a estrutura do corpo. Eu comecei a experimentar deformações e vi que funcionavam muito bem. É um pouco como criar as suas próprias personagens, cada uma com a sua própria alma”.

Os críticos, sempre prontos para criar árvores genealógicas, encontram no trabalho de Macarrón restos de Basquiat, Dubuffet ou Picasso. Do mestre de Málaga, encontramos uma boa dose de humor. Quando as referências são mais locais, falamos também de Millares, Fraile, e podemos acabar com Goya e o seu Semi-sunken dog. “O trabalho do Rafa entusiasmou-me desde o início. As suas imagens pareceram-me nascer do universo de constelações de Joan Miró e das paisagens otimistas de Manuel H. Mompó. Eu sabia que Rafa era herdeiro de uma importante tradição da pintura espanhola que eu pessoalmente admiro, e tenho uma intuição firme de que ele fará sua retransmissão artística com muita justiça”, explica Lio Malca, promotor da Fundación La Nave Salinas e um dos primeiros e mais importantes colecionadores de Keith Haring e Basquiat.

 

 

Malca acrescenta, “imaginei muito rapidamente o trabalho de Rafa entre os pinheiros e o Mar Mediterrâneo que rodeiam La Nave Salinas, sendo parte orgânica e integrante da paisagem de Ibiza e, de certa forma, celebrando, as pinturas também com a sua presença, o nascer do sol, a vida das suas praias e das suas gentes e os pores-do-sol quentes que temos no Verão no parque natural que rodeia o espaço”. Estou convencido de que Rafa e La Nave Salinas de Ibiza vão dar-se muito bem juntos.

 

Sobre o artista

Rafa Macarrón é o representante da nova geração de uma importante saga na história do galerismo, arte e arquitectura espanhola. Começou a pintar em 2006, aos 25 anos de idade. Autodidata, foi o pintor Juan Barjola que o encorajou a não entrar na Academia de Belas Artes. Mas ele tinha sempre um lápis nas mãos desde muito novo. “Coincidindo com a inauguração do Museu Picasso em Paris, quando entrou numa das salas pediu um caderno e lápis de cor, deitado no chão durante uma manhã inteira a tentar compreender o que tinha à sua frente. Evidentemente que o amor de Picasso ainda flui nas suas veias. Ele tinha quatro anos de idade. Aos sete anos, Rafa estava a fazer desenhos cheios de cores, de animais ou pessoas nascidas em algum mundo desconhecido, mas habitando nossa terra ou circulando ao redor dela, e ele ainda está imerso nesse seu mundo árido”, conta-nos o seu pai, o arquiteto Rafael Macarrón

Depois de deixar o liceu começou como ciclista profissional. O mesmo esforço individual e solitário com que ele pedalou até ao cume do Turmalet também está presente nas suas pinturas. “Na bicicleta entrei no mesmo estado de fluxo que chego quando pinto, onde se passa oito, dez horas sem parar e não se nota o passar do tempo”, diz o pintor. A sua disciplina – ele cumpre um horário rigoroso – como um pintor vem disto. Ele não tem medo de grandes telas de 3,80 x 2,90 metros ou 1,40 x 4,09 metros. Alguns dos quadros, à distância, podem parecer puro expressionismo mas, quando se aproxima, há centenas de desenhos das suas personagens que enchem a cena à maneira de um Bosch contemporâneo ou Brueghel.

Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas Artes & contextos Rafa Macarron retrato 6

O artista Rafa Macarrón, retratado no seu estúdio. Cortesia do autor e CANO ESTUDIO.

 

Em 2010 ganhou o prestigioso BMW Painting Prize e em 2013 foi escolhido como o artista mais interessante na feira de arte de Madrid ARCO. O trabalho de Macarrón começa sempre em folhas de papel A4 ou pequenas folhas de papel. Ele é um desenhador incansável. O rabisco às vezes torna-se uma tela, mas nunca é o mesmo. Ele é rápido. Ele não leva mais de uma semana para terminar um quadro. Caso contrário, eles perdem a frescura. “O trabalho tem de ser espontâneo, mesmo que seja trabalhado”, confessa ele. Ele usa cores que não se complementam e uma vasta gama de materiais. “Lápis, canetas de feltro e a mão do pintor fornecem a trama. As ceras, assim como os acrílicos e os guaches, fornecem transparências nuances e o óleo é o mais complexo, é o “mestre” que sabe dar peso à pintura com pequenos pontos, mas o seu impasto e textura fazem dele o responsável, não há a menor dúvida.

A tinta em spray dá modernidade, dinamismo, cor”. E, é claro, há os livros. Na entrada do seu estúdio encontramos catálogos de Mark Rothko, Gorky, de Kooning, Oehlen, Dubuffet, Miró, Guerrero e Barjola. Eles são quase uma declaração de intenções. Há também obras ou biografias de Le Corbusier. As suas telas são montadas com base no sistema mítico de medidas – Modulor – do arquiteto francês.

Este artigo foi traduzido do original em espanhol por Redação Artes & contextos


O artigo original Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas , foi publicado @ Descubrir el Arte
The original article Rafa Macarrón mergulha em La Nave Salinas , appeared first @ Descubrir el Arte


Talvez seja do seu interesse: Retratos Minimalistas e Coloridos de Luciano Cian

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos