Jonathan Baldock

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta
0 (0)

26 de agosto, 2021 0 Por Artes & contextos
  • 6Minutos de leitura
  • 1426Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 1 ano, o que em 'Tempo Internet' é bastante. Pode estar desatualizado.

 

Jonathan Baldock

 

Aproveitando título do desenho de Goya Aún aprendo (Ainda aprendo) o artista britânico apresenta na Casa Encendida em Madrid um cenário imaginado, ambientado noutro espaço-tempo, a partir do qual recupera a capacidade de se conetar com os elementos, de nos sincronizar novamente com o ambiente natural e, por extensão, com o planeta.

 

Baldock toma como ponto de partida um desenho de Goya com o mesmo nome (Aún Aprendo), que mostra um velho andando com dificuldade, apoiado por duas muletas. Em primeiro lugar, a imagem coloca diante da vontade e da necessidade de continuar aprendendo diante das deficiências da velhice, mas a interpretação que interessa a Baldock é o sentimento de humildade que ela transmite, o que, na situação de crise humano-cêntrica do mundo atual, acentua a urgência de se adotar uma posição de escuta da Natureza.

 

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta Artes & contextos 06 La Casa Encendida Aun aprendo Jonatha

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e Stephen Friedman Gallery, London.

 

 

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta Artes & contextos un aprendo Jonathan Baldock 1024x768 1

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e Stephen Friedman Gallery, London.

 

Baldock apresenta nesta exposição na Casa Encendida uma realidade alternativa da qual recuperar a capacidade de conexão com os elementos, de logo, de nos sincronizarmos novamente com o ambiente natural e, por extensão, com o planeta. A exposição reflete uma clara intenção de nos conetarmos com a terra e os seus tempos enquanto repensamos o nosso lugar no mundo.

As peças em exposição foram trabalhadas à mão com materiais naturais (argila, serapilheira, cera de abelha, água, vidro soprado à mão, madeira) com o objetivo de facilitar a experiência expositiva através dos cinco sentidos e dos cinco elementos. Na filosofia aiurvédica (na Wikipedia), os sentidos estão relacionados com os elementos (espaço=tato, ar=audição, fogo=visão, água=paladar, terra= olfato) e na medicina tradicional chinesa, os cinco elementos estão ligados a cinco órgãos vitais. Em ambas as crenças, o corpo humano cura recuperando o seu equilíbrio, em sintonia com a natureza. Este espaço de cura e espiritualidade é também para onde as peças de Baldock nos transportam.

 

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta Artes & contextos 08 La Casa Encendida Aun aprendo Jonathan Baldock

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e da Stephen Friedman Gallery, Londres.

 

 

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta Artes & contextos 09 La Casa Encendida Aun aprendo Jonathan Baldock

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e da Stephen Friedman Gallery, Londres.

 

 

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e da Stephen Friedman Gallery, Londres.

Untitled, de Jonathan Baldock, 2021. Cortesia do artista e da Stephen Friedman Gallery, Londres.

 

Para além das peças acima mencionadas, Baldock fez quatro pilares têxteis que resultam em homenagens escultóricas às árvores. Os “troncos”, que são eles próprios ocos, permitem ao espectador espreitar o interior através de uma série de buracos que emitem luz e criam formas sugestivas que fazem alusão a este interior/exterior, perturbando assim noções binárias de ecologia e ligações ao mundo natural.

 

Fundamentos teóricos

As correntes em que estas peças assentam são aquelas que apelam a uma rejeição do mundo roteirizado e excessivamente simplista e racional que nos condiciona. Indica a busca de uma maneira alternativa de conhecer, traçando novos caminhos entre o pensamento antigo e a criação contemporânea. Esta potencialidade ou possibilidade de explorar outras realidades e mundos alternativos conecta-se com queer (Queer Ecologias: Sexo, Natureza, Política, Desejo, José Esteban Muñoz, Cruising Utopia) e com o desejo de explorar a ideia do The Broken Open (So Mayer, in Spells, Ignota Press, 2018).

O artista faz a seguinte pergunta: “De que forma menos narcisista e simplista podemos relacionar-nos com a natureza?” No Ocidente, a nossa realidade foi estruturada por um interesse na extracção e exploração da qual a agricultura é um bom exemplo. A história das estações tem a sua origem em Demeter, a deusa mitológica grega da colheita, cujo estado de espírito determinou o seu sucesso ou fracasso. O número de estações muda de acordo com a cultura. Por exemplo, o antigo calendário japonês reconhece 24 estações, ou sekki, composto por períodos de 15 dias que podem ser divididos em 72 variantes, enquanto na Mesopotâmia o ano solar foi dividido em duas estações e na Assíria em três. Até meteorologistas e astrónomos entram em conflito e organizam-nos de formas diferentes.

“Como vislumbramos uma nova relação com o nosso planeta, para além daquela marcada pelos usos e abusos gerados para o prazer e o empoderamento humano? Em Plant-Thinking: A Philosophy of Vegetal Life, Michael Marder – um filósofo ligado ao pensamento ambiental – exorta-nos a rever o conceito de objectividade, abordando o pensamento vegetal, e propõe a noção de “fitocentrismo” para abordar a vida em relação ao inorgânico, atendendo às “comunidades de crescimento” transespécies e/ou transrecifes. Em The Life of Plants, Emanuele Coccia propõe aprender com eles, especialmente no que diz respeito à sua capacidade de aderir ao mundo que os rodeia,

 

Jonathan Baldock ainda a aprender com o planeta Artes & contextos 10 La Casdo Jonathan Baldock

Natureza a ser comandada deve ser obedecida, por Jonathan Baldock, 2019. Cortesia do artista e Stephen Friedman Gallery, London

 

Não há apenas uma recuperação da natureza, mas também de outros ritmos e outras temporalidades, para além daqueles marcados pela produtividade e eficiência ou por um desenvolvimento linear impulsionado para um futuro marcado por um crescimento supostamente infinito. Trabalhar lentamente durante longos períodos de tempo leva não só a uma estreita afinidade com os próprios materiais, mas também a uma cura íntima e comunitária. A socióloga Silvia Rivera Cusicanqui apela a olhar para trás (para o futuro, para o que não vemos e não sabemos) e para a frente (para o passado) para poder caminhar no futuro presente. Em outras palavras, ela propõe uma celebração anacrônica do tempo transbordante, expandido e maleável. Donna Haraway fala por sua vez de como o lento, feito à mão, bordado indígena de trabalho aberto típico de Cartago (Colômbia) desempenha um papel essencial “nestes tempos difíceis e torna-se um exercício chave para a cura pessoal e íntima, para a reconstrução de comunidades destroçadas e para contar as histórias de terra, água, deslocamento e futuros ainda possíveis”

Sobre o autor

 

Jonathan Baldock (Kent, UK, 1980) vive e trabalha em Londres. O seu trabalho assume frequentemente uma forma biográfica, abordando temas de trauma, stress, sensualidade, mortalidade e espiritualidade através da nossa relação com o corpo e o espaço que este habita. O seu trabalho brilha com humor e sagacidade, assim como uma estranha e macabra qualidade que canaliza seu interesse pelo mito e pelo folclore. Nas suas peças, ele mantém o foco no contraste entre as qualidades materiais da cerâmica e dos têxteis. Preocupado que os aspectos funcionais dos materiais que emprega parecem desaparecer, Baldock trabalha de forma performativa através de assemblages escultóricas, trazendo o espectador, o objeto e o espaço, no qual ambos se encontram, para um possível ato teatral ou ritualístico. O seu trabalho engloba múltiplas técnicas, incluindo escultura, instalação e performance  Me, Myself and I (Kunsthall Stavanger, Noruega, 2020), Facececrime (suspeito) (Stephen Friedman Gallery, Londres, 2020) e Facececrime (Camden Arts Centre, Londres, 2019), que posteriormente fez uma digressão ao Tramway (Glasgow) Bluecoat (Liverpool). Em 2021 também mostrou o seu trabalho na Towner International, bienal de arte contemporânea da Towner Art Gallery (Eastbourne, Reino Unido). Outras exposições de destaque incluem as do Pavilhão De La Warr (Bexhill, Reino Unido, 2017), The Grundy Art Gallery (Blackpool, Reino Unido, 2017), Southwark Park Galleries (Londres, 2017), PEER (Londres, 2016), Chapter Gallery (Cardiff, Reino Unido, 2016) e Wysing Arts Centre (Cambridge, Reino Unido, 2013). Em colaboração com a Stephen Friedman Gallery, Londres

 

La Casa Encendida (Fundación Montemadrid) Aún aprenddo, Jonathan Baldock Até 26 de Setembro de 2021

Este artigo foi traduzido do original em espanhol por Redação Artes & contextos

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos


O artigo original Jonathan Baldock ainda está a aprender com o planeta , foi publicado @ Descubrir el Arte
The original article Jonathan Baldock ainda está a aprender com o planeta , appeared first @ Descubrir el Arte


Talvez seja do seu interesse: Um encontro vegetal – diálogo vivo com a natureza

0

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos