MotelX 21

Premiére MotelX 2021

29 de julho, 2021 0 Por Laura Carvalho Torres

MotelX 21

 

 

No passado dia 20 de julho o Artes & contextos esteve presente na cerimónia de apresentação da 15ª edição do Festival de Cinema de Terror MOTELX,  que irá decorrer em Lisboa, de 7 a 13 de setembro de 2021.

Na sua segunda edição pandémica, apresentaram os vários segmentos do festival, tal como uma das longas-metragens do Serviço de Quarto –  The Lodger (2020), de Baptiste Drapeau – como é habitual.

Pela voz dos diretores do MOTELX, Pedro Souto, João Monteiro e João Viana, foi-nos apresentado o spot promocional deste ano, realizado por Nuno Baltazar, produção da Grumpy Panda, e que conta com Sónia Balacó e Guilherme Moura no elenco. Seguindo a temática deste ano, mulheres serial killers, o spot representa isso mesmo, numa paleta de cores néon e uma construção imagética bastante forte.

 

MotelX 21 Secção "Lobo Mau"

15º MotelX, Secção “Mulheres Serial Killer”, Foto © MotelX

 

A 15ª edição do festival traz-nos como temática as mulheres assassinas no cinema e as memórias da Guerra Colonial em África, por ocasião dos 60 anos do início dos confrontos. O festival é, como sempre, antecedido pelo Warm-Up, que, este ano, se vai realizar entre 2 e 4 de setembro. Em parceria com a Santa Casa da Misericórdia, o Warm-Up deste ano conta com três eventos: um storytelling, uma encenação e uma sessão de cinema ao ar livre.

Rapsodo, é uma história contada por Maria João Luís, José Anjos, Miguel Borges e Vítor Alves da Silva com som de fundo de NOISERV. Já sabemos que o MOTELX faz questão de acompanhar o folclore próprio, e assim, este ano, o Convento São Pedro de Alcântara acolhe uma noite de mistério e histórias ligadas ao mundo do terror e do fantástico.

Visões do Ego é uma encenação pictórica de Edgar Pêra, que junta os mundos da pintura, teatro expressionista e cinema fantástico, dramatizada pelo desenho de luzes de Rui Monteiro e banda sonora de Artur Cyaneto. O último evento passa-se no Largo Trindade Coelho, tradição desde 2018, recebendo a exibição de um clássico de cinema de terror.

Quanto aos filmes, a “Secção Serviço de Quarto” traz-nos a seleção de oito longas-metragens realizadas nos últimos dois anos, a nível mundial. Os escolhidos são:

 

Quanto à secção “Doc Terror”, a seleção recaiu sobre dois documentários de 2020: A Glitch in the Matrix, de Rodney Ascher (EUA) e Alien on Stage, de Danielle Kummer e Lucy Harvey (Reino Unido). Já as “Sessões Especiais” deste ano recordam-nos dois mestres do cinema: Andrian Lyne e George A. Romero, com Jacob’s Ladder (1990) e The Amusement Park (2019).

Seguindo o mote desta edição, em memória dos 60 anos da Guerra Colonial portuguesa, marcando o início da mesma, foram escolhidos dois dos filmes, da ainda, incompleta trilogia de Joaquim Leitão. São eles 20 13 Purgatório (2006) e Inferno (1999).

 

Uma das secções mais aguardadas é das “Curtas Internacionais”, que, este ano, reúne sete amostras de produção europeia. As curtas-metragens são:

 

MotelX 21 Secção "Lobo Mau"

15º MotelX, Secção “Lobo Mau”, Foto © MotelX

 

Ainda na onda das curtas-metragens a “Secção X” apresenta-nos cinema de terror experimental e underground através de experiências visuais alternativas. As escolhas são:

 

Como sempre, as crianças não ficam esquecidas, e o “Lobo Mau” traz cinema e workshops, com oito sessões:

 

O tema central desta edição é a “Fúria Assassina: Mulheres Serial Killer”, com a seleção de cinco filmes que representam as mulheres assassinas na história do cinema de terror:

  • Audition, de Takashi Miike, Japão, 1999;
  • Base-Moi, de Virgine Despentes e Coralie Trinh Thi, França, 2020;
  • Monster, de Patty Jenkins, EUA, 2003;
  • Serial Mom, de John Waters, EUA, 1994;
  • The Countess, de Julie Delpy, França, Alemanha, 2009.

 

Motelx21 microcurtas

15º MotelX, Prémio microCURTAS, Foto © MotelX

 

Sem esquecer, até 2 de agosto ainda é possível submeter curtas-metragens até 2 minutos, realizadas com um telemóvel, tablet ou webcam para a secção das microCURTAS.

Para concluir esta apresentação, foi exibida uma das longas-metragens em competição na principal secção do festival.

The Lodger, de Baptiste Drapeau é o típico filme de suspense, que oferece uma história e cujo thriller cresce em momentos. O que faz brilhar o filme, em parte, são as maravilhosas atrizes Jacqueline Bissete (Elizabeth) e Alice Isaaz (Julie), que desempenham os seus papeis com mestria. O filme conta-nos a história de Julie, uma jovem estudante em Bordéus, que se muda para casa de Elizabeth, que, em troca de quarto, ajuda a viúva nas tarefas diárias, agindo sempre como se Victor (François-Dominique Blin), o falecido marido de Elizabeth, estivesse vivo. De uma forma quase obsessiva, Julie começa a sentir a sua presença e a desenvolver um sentimento amoroso por Victor. Ambas as atrizes fazem desenrolar o filme de uma forma apaixonante e bela, com cenas fortes e intensas.

Depois desta pequena amostra do que será a edição deste ano, sentimos que poderemos contar com mais um ano de terror e fantasia a povoar a cidade de Lisboa.

 

Até setembro. Lá vos espero no MotelX 2021


Talvez seja do seu interesse: Première Motelx 2020

0

Licenciada em História da Arte, apaixonada por arte e fotografia, com o lema: a vida só começa depois de um bom café, e uma pintura de Velázquez.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos