A Dificuldade de Fantaisie Impromptu | (Op.66) de Frederick Chopin Artes & contextos Fantaisie Impromptu Difficulty

A Dificuldade de Fantaisie Impromptu | (Op.66) de Frederick Chopin

8 de junho, 2021 2 Por Artes & contextos

A Dificuldade da Fantaisie Impromptu

 

Embora Chopin tenha composto esta famosa obra em 1834, ela não foi publicada durante a sua vida. Muita especulação envolve as razões por detrás disto, mas talvez a mais provável, se bem que a menos interessante, é simplesmente porque Chopin a via como propriedade de Madame la Baronne d’Este que lha encomendou.

Uma outra reviravolta na “lenda” é que foi apenas em 1960 que o pianista Artur Rubenstein descobriu um manuscrito da obra num álbum de propriedade da famosa Baronesa.

O manuscrito apresentava a caligrafia de Chopin mas continha diferenças notáveis em relação à versão publicada pelo executor de Chopin, Julian Fontana. Estas diferenças são significativas ao ponto de que, para mim, aumentam os já substanciais desafios que este trabalho apresenta, bem como uma indicação mais próxima das intenções de Chopin.

Fontana foi pianista, compositor, mas deu a sua contribuição para a história musical através da sua devoção ao trabalho como assistente de Chopin. Felizmente para nós, Fontana também publicou com a bênção total dos parentes sobreviventes de Chopin, a coleção de obras agora atribuídas a opus números 66 a 73 que trouxeram grande prazer aos pianistas e ao público de todo o mundo.

 

 

Esta obra é uma das mais difíceis que o mestre compôs? A resposta de um número significativo de pianistas parece ser não. Chopin compôs extensivamente para o piano e embora a Fantaisie-Impromptu apresente uma série de desafios, não se encontra entre os mais difíceis da obra de Chopin.

Olhando uns anos atrás, parece que me recordo de Fantaisie-Impromptu  não ser uma opção na lista Associated Board of The Royal Schools of Music Piano no Grau VIII, nem mesmo ao nível de Diploma. Não é uma peça a ser interpretada por um aluno principiante, embora um músico intermédio confiante e diligente pudesse executar uma performance credível da mesma num dado momento.

A Fantaisie-Impromptu é formada numa estrutura familiar A B A que Chopin explorou em muitas das suas obras para piano. As secções ‘A’ são as partes tecnicamente desafiantes com uma marcação de tempo ardente de ‘Allegro agitato’ e um compasso ‘Alla breve’ . O tom é Dó# menor para as seções externas com a seção central mais lenta colocada na tónica maior (Ré bemol Maior). Esta seção ‘B’ assume o sentido lírico e calmo da sensação de tormenta, com que Chopin lida tão bem. Ela oferece uma pausa momentânea da ocupação das seções ‘A’, destacando a facilidade infalível de Chopin para a invenção melódica e bela cor harmónica.

Vejamos com mais profundidade a Fantaisie-Impromptu para analisar com mais detalhes quais são os desafios identificados na peça. Já sabemos que o tempo marcado por Chopin é em si um desafio, mas dada a prática focada e lenta, a rapidez da peça pode ser alcançada assim que os dedos possam encontrar o seu caminho com confiança.

A próxima questão técnica que é mencionada e que de facto concentra muita atenção em muitas páginas web diferentes, é o ritmo da secção de abertura. O que está a acontecer em toda a secção de abertura é um ritmo tríplice que traça a harmonia e proporciona um momentum rítmico na mão esquerda, enquanto na mão direita os semicírculos dominam a paisagem musical. Isto significa essencialmente tocar grupos de três notas com uma mão e grupos de quatro notas com a outra.

 

 

O perigo é que a mão esquerda possa acelarar para tentar igualar a mão direita, ou os trigémeos se tornem irregulares contra o movimento das semi-colcheias na mão direita. Outro obstáculo é que a mão direita pode abrandar para igualar os trigémeos, especialmente quando mais à frente na secção ‘A’ Chopin marca a segunda semi-colcheia com um acento, atirando a sensação rítmica ainda para mais longe da base.

O que é sugerido por alguns é a aprendizagem diligente, cuidadosa e meticulosa de cada mão separadamente. Nas primeiras etapas de embarque na Fantaisie-Impromptu, isto faz um grande sentido, e também pode chamar-se a atenção para evitar o excesso de marcação e o esbatimento das mudanças harmónicas e frases melódicas.

Uma mudança interessante entre as edições desta composição está na passagem ‘Coda’. Na versão Rubenstein, as colcheias triplas continuam, enquanto em outras edições os triplos são substituídos por colcheias comuns. Isto apenas significa que as considerações técnicas da abertura estão presentes até ao fim se optar por tocar a partir da versão Rubenstein da Fantaisie-Impromptu. (A propósito, é nesta edição que as atuais edições ‘Urtext’ são baseadas).

A boa notícia é que apesar da vivacidade da peça e das complexidades polirrítmicas, Chopin sabia exatamente o que os pianistas eram capazes de tocar. Sim, ele era um pianista que possuía imensos dons quando se tratava de tocar piano, mas a forma como ele compôs esta peça, entrega-se muito facilmente aos dedos. Isto não é para descartar o facto de ainda ter de aprender as notas e trabalhar os melhores dedilhados para a peça, mas que uma vez que este processo tenha sido empreendido, a música tem o potencial de fluir sem problemas.

Na secção central, a crítica da secção ‘B’ é muitas vezes nivelada aos pianistas que ‘sentimentalizam excessivamente’ a música, tornando-a tão desagradável como um bolo de chocolate amontoado com açúcar extra. É preciso dar atenção cuidadosa à clareza melódica, à sensibilidade dinâmica, à pedalada atenciosa e ao equilíbrio entre as mãos. Embora seja compreensível que esta seja a secção ‘mais fácil’ do ‘Fantaisie-Impromptu’ e por isso precise de menos trabalho, isto seria uma grande omissão.

O que se tem com a Fantaisie-Impromptu  de Chopin é um trabalho que o próprio não valorizava muito e nem pretendia publicar. Estranho então que esta se tenha tornado uma das suas peças mais executadas. Até certo ponto, isso pode ser explicado pelo facto de, apesar de não ser uma das suas peças mais difíceis, resultar numa exibição muito impressionante e poder ser dominada num tempo relativamente curto.

Leio muitos comentários de pianistas que expressam o seu desagrado pela peça depois de tocá-la algumas vezes, alguns sentem que falta a substância e a profundidade de outras Peças de Chopin para piano. Isto parece-me um pouco duro, mas a oinião é de cada um.

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


O artigo original Como é Difícil Improvisar Fantaisie | (Op.66) por Frederick Chopin , foi publicado @ CMUSE – Classical
The original article Como é Difícil Improvisar Fantaisie | (Op.66) por Frederick Chopin , appeared first @ CMUSE – Classical


Talvez seja do seu interesse: 6 Excelentes Compositores Semelhantes A Chopin

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

0

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)