O Acossado de Jean-Luc Godard: Como a II Guerra Mundial Ajudou a Criar a Nouvelle Vague Artes & contextos Jean Luc Godards Breathless FI

O Acossado de Jean-Luc Godard: Como a II Guerra Mundial Ajudou a Criar a Nouvelle Vague

23 de abril, 2021 0 Por Artes & contextos

O Acossado (À bout de souffle / Breathless )

 

Terá a Segunda Guerra Mundial ajudado a criar a Nouvelle Vague Francesa?

De uma forma indireta, sim, de acordo com este ensaio em vídeo de Nerdwriter. Embora O Acossado (A Bout de Souffle no original francês e Breathless na tradução inglesa) de Jean-Luc Godard não tenha sido tecnicamente o primeiro filme Nouvelle Vague, foi o seu caráter revolucionário, e o sentido requintado de Godard de como trabalhar a máquina promocional, que provocou ondas de choque por todo o mundo.

Alguns anos mais tarde, muitos outros países lançariam as suas próprias Nouvelle Vagues: Grã-Bretanha, Alemanha, Europa de Leste, Austrália, Japão, Brasil, Irão, e Estados Unidos  da América. Cada “nova vaga” era característica dos seus próprios países, mas todos procuravam criar uma alternativa à cultura cinematográfica dominante, quer Hollywood, quer as indústrias cinematográficas de cada país, influenciadas por Hollywood.

 

 

Tal decisão não surgiu no vazio, como o vídeo parece sugerir. Depois da guerra, a França ficou com uma dívida de 2 mil milhões de dólares. O antigo Primeiro-Ministro Interino e depois Embaixador Leon Blum assinou um acordo com o Secretário de Estado norte-americano James F. Byrnes para cancelar a dívida e iniciar uma nova linha de crédito. Uma das disposições do acordo Blum-Byrnes de 1946 era a abertura da França ao produto cultural americano, em particular aos filmes de Hollywood.

Nas salas de cinema francesas, quatro em cada treze semanas seriam dedicadas a filmes franceses. As outras nove eram reservadas a filmes estrangeiros (ou seja, na sua maioria americanos). Mas a troca incluía uma taxa sobre os bilhetes de cinema, pelo que o aumento do público ajudou a financiar a própria indústria cinematográfica francesa.

Foram obtidos alguns resultados que não estavam previstos. Nasceu uma jovem geração cinéfila, e a sua principal publicação foi Cahiers du Cinema, a revista editada pelo escritor e teórico André Bazin.

Os franceses não podiam reivindicar uma indústria poderosa como a de Hollywood, mas podiam apontar para a invenção de filmes da forma como os conhecemos agora (Georges Méliès e os irmãos Lumière eram franceses), e tratar o filme como uma forma de arte (pelos surrealistas, pelos dadaístas) antes de mais ninguém, e não apenas como entretenimento.

Os jovens críticos que escreviam para os Cahiers du Cinema adoraram com certeza o influxo de filmes americanos, que devoravam diariamente numa cidade como Paris, especialmente na Cinémathèque Française. Com curadoria de Henri Langlois, este cinema/museu exibiu tanto filmes novos como antigos, de tal forma que aqueles críticos começavam a ver o artista por detrás do entretenimento.

A ascensão da Auteur Theory, cunhada por Andrew Sarris (1) a partir da Politique des Auteurs de Bazin, colocou o realizador no centro, não só do seu próprio filme, mas demonstrou certas técnicas e interesses que passavam por todos os filmes que realizava.

Embora não houvesse muito dinheiro a circular, ainda havia o suficiente para fazer curtas-metragens e aqueles críticos – Jean-Luc Godard, François Truffaut, Claude Chabrol, Jacques Rivette, Eric Rohmer, e outros – começariam a pôr em prática a teoria que tinham elaborado.

Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg em O Acossado

Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg em O Acossado

 

Depois de alguns shorts, Godard realizou O Acossado, e o mundo não voltou a ser o mesmo a partir daí.

Foi filmado com uma câmara de mão, por Raoul Cotard, que tinha utilizado uma câmara deste tipo durante a guerra para os noticiários. Para o efeito, utilizaram a luz disponível e os dois atores, Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg, improvisaram em torno de um guião que Godard escreveria na noite anterior.

Godard deu a volta ao seu cérebro de dentro para fora, como se estivesse a esvaziar um saco sobre uma mesa: todas as suas obsessões culturais, não só no cinema, mas também por escritores, filósofos, músicos, e muito mais, apareceram.

Se Godard ia ser autor, então esta era a forma de o fazer. E, sim, a edição jump-cut, como salienta Nerdwriter, foi chocante para a época. Mas também era chocante ver os atores a passear pelas ruas reais de Paris, assim como ouvir duas pessoas a falar (e falar e falar) tal como fazem na vida real. Mesmo que muitas dessas cenas se tenham tornado comuns nos dias de hoje, quando todos trazem uma câmara de filmar no bolso, O Acossado ainda transborda de vida.

Ao longo dos anos 60, Godard e os seus contemporâneos honrariam, entregar-se-iam e separar-se-iam das influências de Hollywood. O domínio do produto Hollywoodesco começou a sentir-se como uma espécie de imperialismo, e o envolvimento da América no Vietname, para além da sua esmagadora influência na cultura do consumidor, levaria aos acontecimentos de 1968, e à rejeição total de Hollywood por parte de Godard.

Ele viria a “matar” os seus mestres, por assim dizer. Mas isso ainda estava para acontecer. Continua a existir O Acossado, e continua a existir 1960 em Paris.

(1) A expressão Auteur Theory foi cunhada por Andrew Sarris e não por André Bazin, como é dito no artigo original.

O Acossado de Jean-Luc Godard: Como a II Guerra Mundial Ajudou a Criar a Nouvelle Vague Artes & contextos 9f O64XBIGw

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


O artigo original foi publicado @ Open Culture
The original article appeared first @ Open Culture

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: 10 Filmes Para Melhor Entender A Realização

 

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)