A Estética do Anime: Ensaio em Vídeo Explora a Tradição da Animação Japonesa Artes & contextos the aesthetic of anime a new video essay explores a rich tradition of japanese animation

A Estética do Anime: Ensaio em Vídeo Explora a Tradição da Animação Japonesa

2 de abril, 2021 0 Por Artes & contextos

A Estética do Anime

 

Robôs gigantes, meninas da escola, superpoderosas, artistas marciais berzerker: todos nós conhecemos o tipo de figuras que representam o anime. Embora cliché, a natureza generalizada destas percepções mostra, na realidade, até que ponto a animação japonesa chegou nas últimas décadas.

Não há muito tempo atrás, o ocidental médio não conhecia o significado do anime, quanto mais a sua origem. Hoje em dia, graças também aos filmes do Studio Ghibli de Hayao Miyazaki, o mesmo ocidental médio já foi provavelmente exposto a uma ou duas obras-primas do formato.

Esta experiência de visualização dá uma ideia da razão pela qual a animação japonesa, longe de ser simplesmente uma animação japonesa, merece um termo próprio: qualquer um de nós, por mais inexperiente que seja, pode sentir A Estética do Anime.

 

 

Partindo desse conceito como o título do seu último ensaio em vídeo, Lewis e Luiza Liz Bond de The Cinema Cartography mostram-nos uma gama de possibilidades cinematográficas que o anime abriu desde os anos 80. Lembro-me, há muito tempo, de ter ficado acordado até tarde para sintonizar o bloco “Saturday Night Anime” do Sci-Fi Channel para conseguir apanhar clássicos dessa década como Venus Wars e o Projecto A-Ko.

Embora a animação japonesa, em todas as suas formas, tenha sido muito mais difundida em todo o mundo a partir de então, isso não resultou numa perda de inventividade artística, narrativa e temática. Pelo contrário, Bond argumenta: durante o último quarto de século, séries como Neon Genesis Evangelion, Serial Experiments Lain, e Death Note, não só ultrapassaram os limites do anime, como demonstraram um poder de “re-significar convenções narradoras que vão para além da própria forma do anime“.

Na tentativa de revelar a verdadeira natureza do “mundo incompreendido e muitas vezes ignorado do anime“, este ensaio em vídeo faz referências e cita visualmente dezenas de diferentes programas.

 

A Estética do Anime

Death Note  (2006),  Escrito por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata – Série realizada por Tetsurō Araki

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

 

(Para com o também vasto domínio das longas-metragens, tais como Ghost in the Shell ou a obra de Satoshi Kon).

O seu alcance inclui a “meditação existencial sobre a solidão”, que é Cowboy Bebop, tema de outra exegese de Bond anteriormente apresentada aqui na Open Culture, e “a superdimensional city-pop (alimentada pelo pop) Fortress Macross “,  que tanto fez nos anos 80 para definir não só o gigantesco robô anime, mas o próprio anime.

Embora possa parecer muito pesado, exagerado, e “desapologeticamente estranho”  (mas normalmente não, como Bond sugere, sem auto-consciência), o anime continua a realizar visões não disponíveis – nem sequer concebíveis – para qualquer outra forma de arte.


Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

O artigo original foi publicado em @Open Culture
The original article appeared first @Open Culture


Talvez seja do seu interesse: O Anime Desenhado À Mão: Um Estudo De Como Akira De Katsuhiro Otomo Usa A Luz


 

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)