Fotografias do Confinamento

Spring Studios e Artspace oferecem fotografias do confinamento feitas em casa

16 de fevereiro, 2021 0 Por Artes & contextos

Fotografias do Confinamento

 

Durante o confinamento, a Spring Studios, empresa de comunicação de moda, beleza, estilo de vida e marcas de luxo, iniciou um movimento para encontrar novas formas para a comunidade partilhar experiências pessoais em fotografia. Robin Harvey, Diretor Criativo Global da Spring Studios, pediu aos funcionários e à rede de contactos que captassem imagens inspiradoras a partir de casa, com o objetivo de encorajar a esperança, a bondade, e a solidariedade em circunstâncias sem precedentes.

“Quando, em março, entrámos em confinamento e o mundo parou literalmente, muitos artistas continuavam a procurar uma saída criativa algures, de alguma forma”,

contou à Artspace.

“Com as filmagens fotográficas na nossa indústria a entrar numa pausa, perguntámo-nos o que poderíamos fazer para aproveitar algum desse talento. Inspirados pelo fotógrafo André Kertész, cujo trabalho eu adoro, definimos o projeto de fotografar a partir de casa. Quando foi para a América pela primeira vez, Kertész só foi autorizado a filmar a partir do seu apartamento (devido ao seu estatuto de estrangeiro). Ele tinha vista para o Central Park a partir da sua janela e criou muitas imagens icónicas, e também fotografou o que estava à sua volta, no seu apartamento. Acabou por criar, assim, uma série de maravilhosas imagens de natureza morta”.

fotografias do confinamento

Michel Haddi – Still life flower, 2020

 

“Partindo desta inspiração fomos ter com fotógrafos e pedimos-lhes para ver o que os inspirava nesta altura. Inicialmente os temas centravam-se em torno da casa ou das suas vistas (a fotografia de Mark Seliger do ‘Navio hospitalar’ foi tirada do seu telhado). Com o lento levantamento do confinamento, abrimos a proposta ao que eles viram à sua volta. Era importante que estas imagens representassem uma época em que a criatividade poderia e florescerá sempre. Estávamos interessados em ver o que inspirava estas pessoas quando se retirava a indústria à sua volta”.

 

fotografias do confinamento

Mark Seliger – USNS Comfort, Nova Iorque, 30 de abril

 

A Spring recebeu imagens poderosas de nomes como Craig McDean, Sølve Sundsbø, Camilla Akrans, Tom Munro, Carlton Davis, Alexi Lubomirski, Alique, e Victor Demarchelier, que foram lançadas regularmente na conta @SpringStudios Instagram, com o hashtag #shotathathome. Cada imagem contava uma história única, captando a forma como a criatividade pode continuar a viver mesmo em tempos difíceis.

 

fotografias do confinamento

Camilla Akrans – Free

 

Agora, esta coleção única de trabalho está a ser exibida numa inovadora galeria virtual e está disponível para compra no Artspace até 16 de dezembro, sendo todas as receitas doadas a um dos parceiros de longa data da Spring Studios, o British Fashion Council e a sua iniciativa, a BFC Foundation Fashion Fund for the Covid Crisis, destinado a apoiar empresas e indivíduos de moda criativa.

A Spring Studios fez a curadoria e o design da galeria em parceria com a Change of Paradigm, a produtora de virtualização 3D, conteúdos e experiências. O ambiente dá aos espectadores uma sensação a 360º de estar nos estúdios. As obras de arte estão totalmente integradas no espaço virtual, e cada peça é cuidadosamente iluminada e refletida contra os pisos polidos. Ao selecionar uma peça, o público é redirecionado para a Artspace.

 

fotografias do confinamento

Galeria Virtual Spring Studios

 

“A indústria da moda britânica foi severamente atingida pela Covid-19; estima-se atualmente que a pandemia possa acabar com o crescimento alcançado pela indústria nos últimos dez anos”,

diz Caroline Rush, Chefe Executiva do BFC.

“Projetos como o #shotathome são cruciais, pois ajudam a apoiar os nossos brilhantes negócios criativos britânicos”.

A exposição virtual #Shotathome pode ser acedida em springstudios.com aqui.

Segue também uma entrevista realizada pela Artspace com o fotógrafo baseado Londres Paolo Zerbini, cuja imagem abaixo é apresentada na exposição online.

 

 

fotografias do confinamento

Paolo Zerbini – Knick-knacks CDMX 2020

 

Como descreveria a sua experiência de quarentena e como é que a sua obra “Shot At Home” reflete isso? Tive uma experiência bastante invulgar uma vez que passei metade da quarentena na Cidade do México, o que foi uma grande sorte. Pude ver o que estava a acontecer na Europa antes de tudo ter começado onde eu estava e de me mudar para a costa do México à medida que a pandemia chegava às cidades maiores. Quando regressei a Londres, achei esse período muito calmante e surpreendentemente não me preocupei muito.

Pode falar-nos sobre o que podemos ver na sua peça? Posso ver uma espécie de nostalgia e uma estranha sensação de necessidade de recolher. Também vejo padrões. As cores que compõem a imagem trazem-me de volta a uma certa altura da minha infância.
Como é que a quarentena afetou o seu processo criativo? Deu-me muito em que pensar e tempo e espaço para criar um trabalho interessante. Imprimir mais imagens, ponderar sobre os projetos. Escrever muito mais sobre eles e ver como desenvolver cada um deles.

Nasceu em Itália, e viveu tanto nos EUA como no Reino Unido. Como caracterizaria a cultura fotográfica em cada um desses sítios? Bem, os americanos são muito mais fáceis de fotografar porque tendem a ser muito mais exibicionistas, extrovertidos e bastante ousados na sua aparência. Também não colocam demasiadas questões quando nos aproximamos deles, apenas assumem que queremos uma fotografia de recordação. Em Itália as coisas são um pouco diferentes, a maioria das pessoas tende a ser muito mais protetora da sua imagem. Acabo por conseguir, mas em muitas situações não é fácil.

Assistiu David Sims, Max Vadukul e Nadav Kander. Poderia oferecer-nos alguma informação sobre o que aprendeu com cada um deles? Cada pessoa que assisti ensinou-me coisas diferentes e embora pareça estranho, penso que as coisas mais valiosas que aprendi, aprendi com os não tão reconhecidos. Acho que David consegue ter sempre tudo sob controlo e espalha uma sensação de ligeira tensão que por vezes pode ser útil para conseguir fazer as coisas. Max é um cavalheiro e penso que com ele aprendi a ser gentil a todo o custo. Tento manter um bom equilíbrio entre os dois.
Que imagens tem na parede de sua casa? Acima da minha cama tenho uma grande impressão de Alexander Gronsky, da série Pastoral.

 

fotografias do confinamento

Camilla Akrans- Smoke

 

Parece ter uma habilidade notável para encontrar cenários que se pareçam com o século XX (por exemplo, a sua sessão fotográfica para a revista Twin, que parece ter sido encenada num ferry). Tem um sistema para encontrar esses lugares? Seleciono os meus locais de forma muito instintiva, enquanto viajo ou enquanto faço outros trabalhos. Vejo algo que me atrai e de repente quero fazer ali uma história ou um projeto. Não tenho um sistema em particular, mas fico contente por haver aí um padrão.
O encerramento deu-nos a todos a oportunidade de nos reavaliarmos. Deu-lhe a oportunidade de rever o seu trabalho? Existem projetos ou imagens antigos a que tenha voltado? Certamente. Durante este período decidi retomar um projeto que tinha em atraso há muito tempo e, francamente, não sabia se alguma vez o iria terminar. Mas este tempo deu-me finalmente a oportunidade de olhar cuidadosamente para ele e acabei por decidir voltar para a câmara escura e agora estou a montá-lo para um livro. Foi um período muito benéfico.
Está de olho no trabalho de quem neste momento? Adoro realmente o trabalho de Richard Mosse e Nigel Shafran. Também aprecio muito o trabalho de Sam Rock como novo fotógrafo de moda e Vivienne Sassen, como sempre. Mas volto sempre aos clássicos para prazer verdadeiro. Tom Wood é provavelmente um dos meus favoritos de todos os tempos.
Onde planeia fotografar, quando terminarem as restrições de viagem e o distanciamento social? Voltarei certamente ao México assim que puder. Penso que há lá outro livro à espera de ser fotografado.

 

Spring Studios

Sølve Sundsbø – s/Título

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Constança Costa Santos

O artigo original foi publicado em @Artspace
The original article appeared first @Artspace


Talvez seja do seu interesse: Fares Micue Em Impressionantes Autorretratos

Artes & contextos
  • 17
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Open Call Artes & contextos