Ponto sensível, de Laurence Garnesson Artes & contextos laurence garnesson 3 980x575 1

Ponto sensível, de Laurence Garnesson

4 de fevereiro, 2021 0 Por Artes & contextos

Laurence Garnesson

 

Quanto mais o discutimos, menos o compreendemos, mais vale inserirmo-nos nele. – Lao Tseu, Dao de Jing

Nos papéis e volumes de Laurence Garnesson, a confrontação entre os médiums evidencia aquilo que não é visível nos pequenos gestos espontâneos e previamente interiorizados. A procura plástica faz-se na pureza. Trata-se de um diálogo entre a matéria e o espaço branco da não intervenção, aquele que revela particularmente a ausência que não cria. É este silêncio maioritário que denota a pequena quantidade de material utilizado. O vazio anuncia-se pelo símbolo, mesmo sob a forma de um esplendor, e o neutro adquire uma verdadeira materialidade. O papel, cuidadosamente escolhido, não “suporta” o gesto (no sentido de “suporte” pictural): é plenamente médium que se conjuga com a matéria. O desenho não é, desde logo, nem um acrescento, nem uma omissão, pois já lá está tudo, no papel. Se é o artista quem faz a obra, esta faz-se, então, de alguma forma, sem o seu conhecimento.

Trata-se, evidentemente, de fragilidade: tanto no material quanto no desenho. Os gestos são frangíveis, prontos a partir como vidro, e as tintas diluídas invocam uma gama de cores que se dissolvem como açúcar. Frequentemente, estas bandas coloridas são sustentadas por alguns traços escuros e entalhos no papel, despertadas para o mundo tangível pelas barrinhas ou agrafos que furam o desenho para o impedir de se desfazer.

As formas deslizam, sem reserva, para esta atmosfera acolchoada, movidas por um impulso que sacrifica a imagem pelo imaginário, a aparência pela perceção. Por outras palavras, é por camadas que o desenho se revela. Brice Marden refere o “limite espartano do quadro”: tudo tem de ter lugar no seu seio. Este limite é posto em causa por Laurence Garnesson que trabalha o verso do papel, os seus rebordos e tiras numa porosidade que ignora qualquer fronteira. As saliências da pintura são aproveitadas e as sinapses juntam-se, afastam-se e atravessam-se no, e par além, do espaço plástico. Quanto às formas, definem-se menos pela sua unicidade que pela sua relação, pela sua passagem, pela sua porosidade.

Esta relação com o espaço persiste nas obras em volume que retomam os padrões de fissuras e de sobreposições naqueles que parecem ser desenhos em duas dimensões.

Conjuntamente, os materiais nobres são rejeitados para benefício de materiais mais rugosos: terra, cimento, cartão. Estas substâncias de salitre degradam-se, escapam à perfeição e, assim, reatribuem à obra a sua humanidade. Arquiteturas brutas, já precárias, que relembram a tenuidade da matéria, já evidente nos desenhos. De forma geral na obra de Laurence Garnesson, o acesso ganha-se por um interstício, um detalhe, um vão que deve ser aceite, propriamente, como uma proposta plástica, que remete ao pensamento oriental do vazio, segundo o qual o universo se encontra no ínfimo. O observador é convidado a partir de outra coisa do que aquilo que vê e a interessar-se pela obra como uma experiência sensível, tão decisiva quanto parece inofensiva, como um calafrio ou cócegas. Desviar o gesto para melhor o realçar é a palavra de ordem.

Neste projeto, a limitação da expressividade é rigorosa. Pois, para que seja necessário, o gesto, deve despir-se de expressão. Mais do que uma necessidade interior – aquela que as vanguardas históricas, e Kandinsky em particular, apreciavam como princípio criador – é uma necessidade do gesto, desprovida de qualquer tagarelice. “Fazer obra” torna-se uma procura prescrita, substituída pela procura como obra. A artista-investigadora só prospera na chama do sentido, para utilizar uma expressão de Barthes, no seio de uma relação amorosa com a tela que se estabelece pela espera, pelo compromisso e pela exigência.

 

laurence garnesson

Laurence Garnesson, TREES desenho em suspensão 10 08 20 2020, instalação e realização in situ de carvão vegetal e óleo de linho sobre papel

 

laurence garnesson

Laurence Garnesson, [LES] TRAVERSÉES 03 10 19 2019, 76 x 56 cm tinta, lápis, carvão vegetal sobre papel, Fotografia ©Audrey PERZO

laurence garnesson

Laurence Garnesson, ))) AUTRES SUITES 16 01 20 2020, 76 x 56 cm em papel, Fotografia ©Audrey PERZO

 

laurence garnesson

Laurence Garnesson, CHEMINEMENTS VOLUMIQUES 16 06 20 2020, 340 x 145 x 35 cm técnica mista e cartão sobre parede

 

Ponto sensível, de Laurence Garnesson Artes & contextos laurence garnesson 4

Laurence Garnesson, LA FRAGILITE EST UN TERRITOIRE SAUVAGE 06 05 20, concentração do traçado volumétrico I 2020, 32 x 8 x 10 cm, tinta, lápis, ponta seca, papel e argila branca

 

laurence garnesson

Laurence Garnesson, LA FRAGILITE EST UN TERRITOIRE SAUVAGE, concentração do traçado volumétrico técnica mista sobre cartão, Fotografia ©Audrey PERZO

 

laurence garnesson

Laurence Garnesson, LA FRAGILITÉ EST UN TERRITOIRE SAUVAGE ( détail) 2020, 100 x 71 cm,tinta, gesso e ponta seca sobre papel Fotografia ©Audrey PERZO

 

Uma arte heurística, quase-forense na sua tenacidade, em suma, que não abraça a precisão. “É somente a caça, e não a presa, o que procuram” (Pascal, Pensamentos)

Este artigo foi traduzido do original em francês por Constança Costa Santos

O artigo original foi publicado em @Boumbang
The original article appeared first @Boumbang


Talvez seja do seu interesse: Clément Mancini – Noite Branca

Artes & contextos
  • 15
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Open Call Artes & contextos