Sonata ao Luar

6 Canções como a Sonata ao Luar

9 de fevereiro, 2021 0 Por Artes & contextos

Sonata ao Luar

A Op.27 de Beethoven; No.2 Sonata para piano recebeu o apelido Moonlight (Luar) após um comentário do poeta Ludwig Rellstab segundo o qual o andamento de abertura evocava a imagem de um barco a flutuar num lago iluminado pela lua. Não importa se você tem a mesma sensação ou semelhantes, mas o nome ficou. Se é admirador ou intérprete desta ‘fantasia’ mágica de uma sonata para piano, então este artigo é para si, pois o meu propósito é ajudá-lo a mostrar-lhe peças de natureza semelhante para apreciar.

1. Stephen Heller, Étude No. 15 da sua Op. 47

 

O nome de Heller pode não lhe ser familiar se não tiver estudado o piano, mas para muitos pianistas, ele é uma figura importante. Nascido na Hungria em 1815, foi contemporâneo de Bizet, Schumann, Liszt, e Chopin. Estes grandes compositores tinham um respeito considerável por Heller que ganhou uma reputação enorme como pianista de concerto e professor dotado.

Heller não era apenas um grande intérprete, mas um conceituado compositor, especialmente para piano. Compôs Sonatas, Études, Barcarolles, e muito mais. Compôs mesmo, 21 Études (Op.154) especificamente concebidos para ajudar os pianistas a lidar com as exigências técnicas das obras de Chopin.

A Op.47 é uma obra relativamente precoce que constitui um conjunto de estudos encantadores. Aos meus ouvidos, eles devem tanto a Czerny como a Beethoven.

O Étude acima, ainda que escrito em Mi menor (em oposição ao Dó # menor de Beethoven), é notavelmente semelhante. O que talvez ajude nesta comparação é a figura trigémea que Beethoven também usa no seu andamento de abertura. O tom é igualmente lírico com a melodia de Heller tocada apenas na parte esquerda do piano.

 

2. Robert Schumann, ‘Fantasia em Dó’; Op.17 (1836) (Andamento Final)

 

Aclamada por muitos estudiosos de Schumann como a maior peça para piano que este compositor alguma vez compôs, coloca-a certamente na mesma liga que a Sonata de Beethoven. Schumann dedicou a ‘Fantasia‘ a Franz Liszt e existe sem dúvida uma secção da peça que exige uma fluência técnica perfeita.

A composição divide-se em três andamentos generosos que totalizam quase trinta minutos quando tocados integralmente. Como seria de esperar de qualquer obra significativa de Schumann, o conteúdo emocional e a diversidade são imensos, fluindo desde momentos de lirismo delicado até episódios de paixão tempestuosa.

É no andamento final (Langsam getragen. Durchweg liese zu halten), que se ouve um paralelo nítido com A Sonata ao Luar. Novamente, tal como o Étude de Heller, o de Schumann tem uma qualidade meditativa e uma figura de acompanhamento semelhante. Embora Schumann tenha um compasso diferente do de Beethoven, a sensação de “triplet” é inegável, tal como a simplicidade da melodia e a riqueza da harmonia.

 

3. Franz Liszt, ‘Liebestraum’; S.541; No.3

 

Talvez uma das composições para piano mais interpretadas e admiradas de Franz Liszt, a Liebestraum, inspira-se no poeta alemão Ferdinand Freliligrath. A composição, tal como o poema em que se baseia, tem como temas o amor e a perda do amor. É muito provável que se associe com a Sonata ao Luar na abertura da peça.

Aqui, arpejos em Lá bemol, que sem esforço atravessam o piano, acompanham uma melodia terna que Liszt provoca numa efusão apaixonada de emoções.

Há angústia no início da Liebestraum que também me faz lembrar a Sonata de Beethoven, assim como a sensação de ter sido abandonado pelo amor. As texturas coloridas que Liszt tece ao longo desta bela peça para piano têm um virtuosismo que só é aparente nos andamentos exteriores da Sonata ao Luar. No entanto, a Liebestraum percorre, desde o início, um paralelismo próximo.

 

4. Frédéric Chopin, ‘Noturno’ No.20 em Dó# menor

 

Não só a tonalidade deste Noturno é a mesma que a Sonata ao Luar, mas também o andamento é solene e pensivo. Os quatro acordes de abertura levam a uma melodia simples e descendente que Chopin acompanha com ondulações suavemente fluidas. O que talvez traga uma qualidade perturbadora adicional a esta peça é o facto de ter sido publicada duas décadas após a morte do compositor.

Chopin dedicou o Noturno à sua irmã afirmando que se tratava de um ‘exercício’ antes de embarcar verdadeiramente no seu Segundo Concerto para Piano. Parece uma pena que Chopin tenha descartado tão facilmente esta peça já que é pungente, pensativa, e deixa uma impressão duradoura em quase todos os que a ouvem. Uma das utilizações mais brilhantes deste Nocturno é no filme Polanski O Pianista.

 

5. Edvard Grieg, ‘Holberg Suite: Andante religioso’; Op. 40. No.4

 

Esta suite foi composta em 1884 em celebração do bicentenário do nascimento de Ludvig Holberg. Grieg adotou inteligentemente um estilo quase barroco para esta obra, fazendo uso criativo de formas e estilos que se ouviam mais frequentemente na música mais antiga. A Suíte está escrita em cinco secções, cada uma delas muito bem posicionada por si própria. Os nomes de cada andamentgo destacam a homenagem que Grieg compunha, com a seguinte ordem: Praeludium, Sarabande, Gavotte, Air, e Rigaudon.

Foi no quarto andamento que escolhi concentrar-me aqui, para comparação com a obra de Beethoven. O andamento Air, tal como é intitulado, é colocado num ritmo lento, de carácter meditativo, com uma melodia que tem por vezes o som de um sino de uma passagem de nível. As colcheias suportam a melodia delicada por todo o lado, nunca se tornando intrusivas ou deselegantes. Embora ritmicamente a sensação Air seja um afastamento de Beethoven, para mim o estado de espírito e o tom que prevalece assemelha-se muito à abertura da Sonata do Luar.

 

6. Sergei Rachmaninov, ‘Elegy’ Op.3: No.1

 

Esta é uma de uma colecção de peças para piano que Rachmaninov compôs como a sua Op. 3 em 1892. O título coletivo é na verdade Morceaux de Fantaisie e foi dedicado ao seu professor de harmonia e contraponto Anton Arensky. Esta ‘Elegie’ em Mi bemol menor não é a mais famosa do conjunto, uma vez que o lendário Dó# menor Prelude assume muito bem esse papel.

O que a ‘Elegie’ oferece é mais um exemplo da extraordinária dádiva de Rachmaninov à melodia. Na ‘Elegie’ a melodia entra seguindo uma figura de arpejo de dois compassos tocada na mão esquerda do piano e é sombria e expressiva. A obra constrói-se lentamente para um clímax febril com muitas das caraterísticas que se esperaria de Rachmaninov. O ambiente é semelhante ao desta obra e não desilude.

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

O artigo original foi publicado em @CMUSE – Classical
The original article appeared first @CMUSE – Classical


Talvez seja do seu interesse: O Que Significa Op. na Música?

Artes & contextos