metais

O Mais difícil de tocar dos metais

22 de janeiro, 2021 0 Por Artes & contextos

O Mais exigente dos metais

Não sendo eu próprio um tocador de metais, baseei as minhas constatações em ter trabalhado com muitos tocadores de metais e nos comentários feitos por eles e pelos seus estudantes ao longo dos anos. A essência de tocar qualquer instrumento de forma competente, devo acrescentar, é muitas vezes um longo e dedicado caminho de estudo que é simultaneamente amargo e doce.

 

Trompa

A Trompa tem a reputação de ser um dos mais desafiantes instrumentos da classe dos metais a tocar.

É também um dos metais mais utilizados na orquestra, tanto como solista como para aquelas partituras épicas de filmes que nunca seriam tão remotamente inspiradoras se não houvesse na orquestra a secção da Trompa.

Parte da dificuldade de tocar este glorioso instrumento está na sua construção.

Quando se observa uma Trompa, o que se vê é um tubo de latão enrolado que se abre para um campânula.
Se este tubo fosse desenrolado num tubo reto, teria cerca de doze metros de comprimento. É o comprimento do tubo que apresenta os problemas a tocar. Com um pedaço de latão com este comprimento é muito difícil atingir o ponto de uma nota, uma vez que as ‘parciais’ estão muito próximas umas das outras no instrumento. Isto significa que é altamente provável que o músico inexperiente ‘falhe’ a nota e deslize da nota pretendida para a próxima parcial.

O bocal da Trompa é um copo pouco profundo em comparação com outros metais. Isto também cria um desafio ao tocar o instrumento, uma vez que requer uma utilização precisa da embocadura que, segundo sei, leva anos a executar adequadamente.

 

WHY IS THE FRENCH HORN HARD?!?!

 

Semelhante em aparência à Trompa (Francesa) é a Trompa dos Correios. Existem duas versões deste instrumento e podem muitas vezes ser uma fonte de confusão.  A Trompa dos Correios enrolada é um instrumento, enquanto que a Trompa de Cocheiro não é enrolada mas sim recta.

 

 

Outra característica distintiva é que as Trompas dos Cocheiros eram feitas de cobre, mas a Trompa dos Correios era de latão e tinha um furo cilíndrico ao contrário do furo cónico da Trompa dos Cocheiros. Como muito bem pode imaginar, a Trompa dos Correios foi um instrumento utilizado de forma utilitária pelos guardas que acompanhavam os carteiros no decorrer dos séculos XVIII e XIX. A sua gama baseia-se nos campos que pode produzir através da série harmónica, uma vez que não possui válvulas ou um mecanismo de deslizamento. Isto em si oferece um desafio bastante grande para qualquer pessoa que queira tocar o instrumento, embora a gama limitada de ambos os instrumentos os torne um pouco mais acessíveis do que outros.

 

Trompete Piccolo

Muitas vezes pensado como o instrumento de metais mais difícil de tocar bem, é o Trompete Piccolo. Não só tem inerentemente as dificuldades intrínsecas da maioria dos outros instrumentos da família dos metais, como também tem muitas características únicas. O Trompete Piccolo não é um instrumento tão raro de ver como outrora foi e não é invulgar em muitas partituras orquestrais contemporâneas. É também um instrumento de destaque em obras como o “Concerto de Brandenburgo” No.2 do JS Bach. Nesta peça, o trompete traz esplendor a todo o concerto que não poderia ser reproduzido por um instrumento alternativo.

 

Piccolo Trumpet: The Untold Truth!

 

Devido à construção do Trompete Piccolo, para se obter um bom som, a força necessária na embocadura é muito maior do que a de um trompete normal em Si bemol. Como resultado, o Trompete Piccolo tornou-se um instrumento especializado com músicos como Maurice André a fazer carreira a tocar e a compor obras para este instrumento.

 

Trombone

O Trombone é um instrumento frequentemente associado a efeitos cómicos em vez de ser celebrado pelo seu timbre quente, poderosa gama dinâmica, e potencial expressivo. Vários trombones são comuns hoje em dia com o trombone ‘tenor’, talvez em direcção ao topo dessa família. Há também os trombones baixo e alto que completam bem este brazão.

O que torna o Trombone único é o facto de (deixando de lado os trombones de válvula), a mudança de passo ser produzida alterando a posição de um slide. O mecanismo do slide é o método perfeito para produzir o efeito glissando da comédia a que me referi anteriormente, mas é também um grande desafio para qualquer pessoa que aprenda a tocar o trombone. Para tocar um determinado tom, é preciso saber com precisão onde posicionar o slide. O movimento em qualquer direção altera a nota (que pode ser usada para vibrato), mas também pode resultar num tom não intencional.

 

Tuba

Entrando nas gamas mais profundas da família dos metais, chegamos à Tuba. Estes majestosos instrumentos como outros da família, vêm em diferentes tipos, desde a Tuba em Fá até à tuba de contrabaixo em BBb. A maioria das tubas tem três ou quatro válvulas, mas há variações provenientes da Alemanha, com até seis válvulas e diferentes gamas padrão. O tamanho natural da Tuba torna-a um instrumento bastante desafiante de tocar. Há uma quantidade considerável de tubagem que constitui uma Tuba Baixo, por exemplo, é necessária uma forte capacidade pulmonar para sustentar uma linha melódica.

Pelo lado positivo, a Tuba não tende a ser um instrumento que figure em concertos ou domine a paisagem melódica num ambiente orquestral. Em vez disso, tende para a linha de baixo de apoio em muitas composições, tornando os desafios da execução talvez um pouco menos assustadores.

Mas mesmo assim, existem obras a solo para ao Tuba e eu ouvi um arranjo surpreendente do “Flight Of The Bumble Bee” de Rimsky-Korsakov, executado num Tuba. Algo que eu nunca esperei, mas algo que demonstrou o potencial deste nobre instrumento.

 

Flight Of The Bumblebee - Rimsky-Korsakov

 

Serpente

Talvez não seja estritamente um instrumento de metais, apesar de o bocal ser muito semelhante ao dos instrumentos de metais contemporâneos, a Serpente é um instrumento que eu não quero deixar de mencionar.

Era popular na Época Medieval da música e era normalmente feita de madeira rija coberta de couro. Existe também uma versão em metal. Deve ter sido um instrumento complicado de tocar em qualquer nível, devido à sua forma de serpente e à estranha mistura de tone-holes e teclas de latão com as quais se podem produzir diferentes tons. Pensa-se que a serpente é a antecessora da Tuba dos tempos modernos.

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

O artigo original foi publicado em @CMUSE – Classical
The original article appeared first @CMUSE – Classical


Talvez seja do seu interesse: O Inventor Soviético Léon Theremin Mostra O Theremin (1954)

Artes & contextos
  • 39
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Open Call Artes & contextos