O Universo do Desenho

O Universo do Desenho no Museu Thyssen Málaga

31 de dezembro, 2020 0 Por Artes & contextos

O Desenho das Vanguardas

 

A partir de quase trinta obras executadas em papel por alguns dos mais destacados criadores de arte de vanguarda da primeira metade do século XX, a Sala Nobre do Museu Carmen Thyssen em Málaga exibe peças fundamentais das coleções da Fundação MAPFRE.

Um recurso fundamental na formação do artista e no processo de criação de pintores e escultores, no século XX o desenho passou a ser valorizado como uma forma de expressão artística, independente de academismos ou esboços preparatórios. Artistas de várias disciplinas, abertos então às mais diversas e ousadas experiências de uma nova arte, e historiadores, fascinados por um meio em que podiam ler a expressão mais íntima e genuína dos grandes mestres, transformaram as técnicas de desenho nos protagonistas da cena artística moderna.

Montagem da exposição Vanguardia Dibujada[1910-1945]. Colecção Fundación Mapfre no Museu Thyssen Málaga.

 

Uma expressão que, para além da sua importância histórica na educação artística, alcançou como género independente nas primeiras décadas do século passado uma proeminência invulgar e contribuiu, subvertendo com uma base realista os códigos interpretativos até então prevalecentes, para o desenvolvimento das línguas da modernidade.

Assim, em Vanguardia Dibujada [1910-1945]. Mapfre Foundation Collections, o Museu Carmen Thyssen Málaga apresenta magníficos exemplos que exprimem uma dualidade intencional. Por um lado, a dimensão privada do desenho, como meio experimental no campo criativo – compositivo, estrutural, cromático ou estilístico – ou como exercício prévio para a elaboração de um trabalho de maior envergadura. Por outro lado, a sua dimensão pública, como obras autónomas que manifestam o resultado final do processo artístico.

Quanto aos desenhos provenientes do ambiente íntimo dos artistas, propõem uma sugestiva identificação com os seus autores, permitindo-nos ver através dos seus olhos e compreender melhor um processo plástico que constitui a base da pintura e da escultura. Apesar de apresentarem imprecisões ou excessos, são a expressão do pensamento visual e subjetividade autêntica do artista, traduzindo e projetando as suas idéias.

O Universo do Desenho

Sala da exposição Vanguardia Dibujada no Museu Thyssen Málaga.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

 

No entanto, os desenhos “acabados” mostram-nos o valor explícito e emancipado da criação artística, o conceito plástico associado a certas correntes e convenientemente preparado para a sua difusão. É o desenho como um género que, através de certos sinais gráficos, compete em pé de igualdade com a pintura e a escultura.

Para além das disquisições sobre a génese destas obras, a exposição permite uma comparação visual das diferentes tendências que moldaram a arte da vanguarda internacional e espanhola. Assim, encontramos as soluções desconstrutivas do cubismo ortodoxo de Pablo Picasso, Juan Gris ou Albert Gleizes; as ideias em torno do classicismo moderno na obra de André Lhote; a experimentação com a cor e a abstracção da simultaneidade de Sonia Delaunay; as transposições abstractas dadaístas de Francis Picabia; a investigação sobre as formas e volumes da escultura experimental de Alexander Archipenko ou Julio González.

O Universo do Desenho no Museu Thyssen Málaga Artes & contextos albert gleizes new york 1916 trivium art history 1

Nova Iorque, Albert Gleizes, 1916, Colecciones Fundación MAPFRE.

 

O Universo do Desenho no Museu Thyssen Málaga Artes & contextos julio gzlez

Sem título, Julio González, 1940, Colecciones Fundación MAPFRE.

 

O Universo do Desenho no Museu Thyssen Málaga Artes & contextos a arpichenko

Collage No 2, Alexander Archipenko, 1913, Colecciones Fundación MAPFRE.

Também as soluções originais dos mestres da Bauhaus, tais como László Moholy-Nagy e Lyonel Feininger; a grotesca e satírica acentuação do expressionismo de George Grosz; a linha ondulante e voluptuosidade do melhor Henri Matisse; ou as propostas dos dois principais artistas uruguaios do século XX, de Rafael Barradas a sua síntese pessoal da vanguarda através do vibrationismo, e de Joaquín Torres-García a sua proposta de uma arte construtiva através de um repertório geométrico e simbólico.

O Universo do Desenho

Zíngaras, por Rafael Barradas, 1917. Guache sobre cartão, 47,3 × 49,7 cm. Colecciones Fundación Mapfre.

 

Da arte produzida por artistas espanhóis, a série de peças ligadas ao surrealismo é particularmente representativa, desde os ideogramas característicos de Joan Miró ou os recursos plásticos do inconsciente libertado de Salvador Dalí, às propostas pessoais de Maruja Mallo, Remedios Varo, José Caballero, Luis Fernández e Óscar Domínguez. E da parte dos representantes da Arte Nova agrupados na chamada Escola de Paris, a interpretação do cubismo por Ismael González de la Serna, a figuração lírica original de Francisco Bores ou as criações surrealistas de Manuel Ángeles Ortiz e Benjamín Palencia.

Por todas estas razões, esta magnífica lista de obras em papel é um banquete para os sentidos. A exposição oferece a oportunidade de comparar os movimentos fundadores da modernidade artística e descobrir, para além da honestidade que está sempre subjacente ao desenho, que uma grande arte em pequeno formato é possível.

Até 17 de janeiro

 

Este artigo foi traduzido do original em espanhol por Rui Freitas

O artigo original foi publicado em @Descubrir el Arte
The original article appeared first @Descubrir el Arte


Talvez seja do seu interesse: Modernismo Brasileiro no Museu Colecçãoo Berardo

Artes & contextos