EXPO Cristina Ataíde "Dar corpo ao vazio"

Dar corpo ao vazio, de Cristina Ataíde
0 (0)

4 de dezembro, 2020 0 Por Laura Carvalho Torres
  • 3Minutos de leitura
  • 694Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 2 anos - o que é muito em "Tempo Internet". Pode estar desatualizado e pode ter incongruências estéticas.

Cristina Ataíde

 

No dia 25 de Novembro, o Museu Coleção Berardo recebeu a abertura gratuita da exposição Dar corpo ao vazio, da autoria de Cristina Ataíde e com a curadoria de Sérgio Fazenda Rodrigues. Com a preponderante e intensa cor vermelha, a percorrer o espaço, Sérgio e Cristina exploram o espaço e comunicam com o público, abrindo portas para uma experimentação e permitindo-nos descobrir e redescobrir o trabalho de Ataíde.

Natural de Viseu, terminou o curso de Escultura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa em 1978, frequentando o terceiro ano do curso de Design. Contemporânea de artistas como Fernando Calhau e Julião Sarmento, em 1982, integrou o Emarte, ao lado de João Cutileiro. Cofundou a Madein, uma empresa de mármore e rochas ornamentais, em Alenquer, e desenvolveu peças de mobiliário, objetos de design e escultura marmoreada, trabalhando ainda com Anish Kapoor, Pistoletto, Joel Fisher, entre outros.

 

 Montanha Suspensa @foto Paulo Cintra

Montanha Suspensa @foto Paulo Cintra

 

Várias vezes bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, e, atualmente, docente na Universidade Lusófona de Lisboa, tem vindo a desenvolver a sua obra com base em materiais pétreos, madeira, metal, recorrendo à fotografia e escultura. Através da instalação, tem dado proeminência a aspetos sociológicos, antropológicos e intervencionistas, essencialmente do ponto de vista da consciência ecológica.

A exposição Dar o corpo ao vazio é uma sumula bastante interessante do trabalho que Ataíde tem vindo a desenvolver ao longo de mais de três décadas, através de obras esculturais – incluindo instalações – instalações de vídeo, fotografia e desenho.

Sérgio e Ataíde conduzem-nos por uma viagem de perspetivas e de olhares, através das contundentes manchas de vermelho e preto, que criam uma leitura de contrastes, mas também elevam as obras a um nível, concomitantemente, espiritual (yin e yang) e térreo.

 

Dar corpo ao vazio, de Cristina Ataíde Artes & contextos

Vista de exposição “Dar Corpo ao Vazio” de Cristina Ataide / Foto ©Rita Carmo

 

Cristina Ataíde - Impermanencias-@foto-Alberto-Mayer

“Dar Corpo ao Vazio” de Cristina Ataíde – Impermanencias @foto-Alberto-Mayer

 

Dar corpo ao vazio, de Cristina Ataíde Artes & contextos

Vista de exposição “Dar Corpo ao Vazio” de Cristina Ataide / Foto ©Rita Carmo

 

A representação térrea é-nos induzida pela presença de gravuras de montanhas, numa instalação suspensa, abrindo o percurso da exposição, na qual é possível «entrar», ficando com parte do tronco coberta pelo «abajur» de papel, numa leitura de verso e inverso, através da luz incidente.

 

Vista de exposição “Dar Corpo ao Vazio” de Cristina Ataide / Foto ©Rita Carmo

Vista de exposição “Dar Corpo ao Vazio” de Cristina Ataide / Foto ©Rita Carmo

 

Toda a exposição prima pela inserção de elementos que nos remetem para a natureza, quer sejam relevos e esculturas, muitos deles feitos com base em madeira, ou instalações que, figurativa e simbolicamente, se associam ao mundo natural. O trabalho das cores, entre os vermelhos, acastanhados e dourados e o uso do preto, criam um ambiente térreo, e aludem a todo o percurso que a artista e o curador querem transmitir.

Há, e de forma extremamente perspicaz, a divisão da exposição através de um vídeo hall, com ondas de águas cristalinas, seguido de uma enorme canoa suspensa. Com luzes baixas, e incidentes no objeto, criando a sua duplicação através da sombra que o mesmo reflete. Este mesmo, conduz-nos à última sala, onde Ataíde comunica diretamente com o observador, através de frases, escritas no chão. As ladainhas, tal como ela as apelidou, fazem um jogo de palavras e sentimentos, viscerais e profundos, que nos colocam em questão connosco mesmos, em diálogo direto com as fotografias expostas na parede, das anteriores videografadas águas cristalinas.

Considera, por favor fazer um donativo ao nosso site.
Ajuda-nos a não depender da publicidade para continuarmos a partilhar Arte mantendo o Artes & contextos livre.
Podes também ajudar-nos ao subscreveres a nossa Newsletter e acompanhando-nos no Facebook, no Twitter e no Instagram

A exposição transmite emoção e interioridade, num espaço visual clean, ainda que intenso o suficiente para comunicar com o observador, de forma direta.


Talvez seja do seu interesse: Uma Viagem de 5 horas pelo Museu Hermitage

0

Como classificas este artigo?

Licenciada em História da Arte, apaixonada por arte e fotografia, com o lema: a vida só começa depois de um bom café, e uma pintura de Velázquez.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos