Sonata Op. 27 Nº 2

O Que Significa Op. na Música?

9 de outubro, 2020 0 Por Artes & contextos

O Que Significa Op. na Música?

 

Os compositores nem sempre se distinguem pelas suas capacidades de organização. Manter o trabalho de composição em ordem e catalogado não foi algo que muitos compositores tenham pensado em fazer. Para muitos, isto foi tratado postumamente, e nem sempre com um grande grau de precisão. Isto deu origem a catálogos de obras de compositores com uma variedade de precursores como ‘K’ para as composições de Mozart, ‘BWV’ para JS Bach’s e Beethoven normalmente, ‘WoO’ que significa ‘works without opus number’ (‘trabalhos sem número de obra’). Isto porque muitas das obras de Beethoven não tinham número de catálogo quando foram publicadas, o que levou a alguma confusão significativa sobre quando foram escritas. É aqui que a exploração começa.

Notará que a palavra “opus” é utilizada no contexto das obras ou composições dos compositores. A abreviatura, frequentemente escrita como ‘Op.’, refere-se a esta palavra que significa obra. A sua entomologia é, como seria de esperar, da mesma palavra latina que significa “obra, trabalho ou esforço”. Muitas vezes as pessoas referem-se à melhor obra de um autor como a sua ‘magnum opus’ ou a sua maior, mais grandiosa, e melhor obra. Na música, a palavra significa simplesmente ‘obra’. Uma única obra é por vezes referida como ‘Opp’. Em oposição a uma colecção que usa ‘Op.’ O que nem toda a gente sabe é que o plural de Opus (Op.) é Ópera.

O que descobrimos ao aprofundarmos este estudo é que com um número de “opus” apenas, nem sempre existe uma forma de saber a data da composição ou composições, uma vez que os números eram frequentemente atribuídos à medida que as composições eram publicadas. Tanto para os musicólogos como para os entusiastas de música clássica, isto torna a compreensão da sequência das composições e do seu contexto um desafio. Para os editores do século XIX, serviu como uma forma conveniente de acompanhar as obras de um determinado compositor, mas para qualquer pessoa com um desejo mais profundo de compreender a vida do compositor e as obras não é tão satisfatório.

Isto levou à catalogação do trabalho dos compositores por uma impressionante selecção de indivíduos para colocar cada composição nalguma forma de ordem correcta. Os diferentes sistemas de catalogação adotados por diferentes académicos, que incluem regularmente um índice temático juntamente com a sua metodologia única de catalogação, foram muito longe para resolver a confusão e estabelecer o que foi aceite como correcto. Por exemplo, as composições de Joseph Haydn são prefixadas por ‘Hob’ e depois pelo número a seguir a Anthony van Hoboken. O catálogo de obras de Franz Liszt tem um ‘S’ a partir do musicólogo e compositor Humphrey Searle e Franz Schubert um ‘D’ a partir de Otto Erich Deutsch.

A utilização da palavra “opus” ou (Op.), para composições musicais, remonta ao século XVII. Durante este período, a norma foi convencionada na Europa entre muitos compositores, especialmente os residentes em Itália. O conceito propagou-se gradualmente a outros países europeus e em meados do século XVII muitos outros compositores optaram por reconhecer as suas composições com um ‘número de opus’. Foi no século XVIII quando as editoras tomaram o controlo e tentaram trazer a sua imagem de marca ao mundo da composição musical que o sistema de numeração com que estamos familiarizados se tornou uma instituição.

Curiosamente, embora as composições de Joseph Haydn tenham um número Hob, o seu Quarteto de Cordas ‘Op.76’, permanece apenas com o número de opus.

À primeira vista, isto parece contribuir para uma abordagem mais bem organizada das obras dos compositores vivos e mortos. Existem no entanto outros problemas especialmente quando se consideram as obras de Mendelssohn. Muitas das suas composições foram publicadas após a sua morte por membros sobreviventes da sua família. A questão é que os “números de opus” que foram então atribuídos a estas composições não foram os que o próprio compositor lhes atribuiu. Isto é particularmente verdade em relação às suas obras sinfónicas que Mendelssohn retirou por uma variedade de razões apenas para que fossem renumeradas e publicadas postumamente.

Segundo algumas fontes, Dvorak foi também objecto de uma numeração curiosa com muitas das suas composições publicadas sob números de opus que não se encontram em parte alguma perto da ordem em que foram escritas. É aqui que encontramos a interferência dos editores. Numa tentativa de gerar um maior número de seguidores para compositores que talvez não fossem tão bem conhecidos, eles atribuiriam um número de opus mais elevado a uma composição que pode ter sido uma obra inicial. A ideia foi levada a cabo com o objectivo de fazer mais dinheiro com estas publicações, essencialmente levando o público a acreditar que aquele compositor era mais prolífico do que era realmente. O resultado traz o caos à cronologia das obras destes compositores mas uma boa compreensão das estratégias de marketing no século XIX.

 

À entrada do século XX, os números de opus começavam a perder a sua atração e moda. Alguns compositores incluindo Alban Berg, Schoenberg, Béla Bartók, e Cesar Franck começaram por escrever composições com números de opus e depois pararam ou mais tarde decidiram atribuir um novo número a uma obra já numerada. É fácil ver quão facilmente todo o sistema se pode tornar impraticável, confuso, e talvez um pouco humorístico. A famosa 9ª Sinfonia de Dvorak, “O Novo Mundo” foi inicialmente impressa sob o título 5ª Sinfonia. Isto mudou pouco depois para A 8ª Sinfonia, para finalmente se estabelecer como 9ª Sinfonia em meados do século XX, quando uma edição definitiva das obras do compositor foi concluída.

Se estiver interessado em saber mais sobre os sistemas de catalogação e números de opus, uma visita ao site de qualquer editora de partituras online irá levá-lo mais longe nestas complexidades. Considere por um momento que o catálogo de Joseph Haydn numera cerca de duas mil páginas que mostram a seriedade com que aqueles que optam por documentar as obras dos compositores levam o seu trabalho.

Se estiver interessado em saber mais sobre os sistemas de catalogação e números de opus, uma visita ao site de qualquer editora de partituras online irá levá-lo mais longe nestas complexidades. Considere por um momento que o catálogo de Joseph Haydn numera cerca de duas mil páginas que mostram a seriedade com que aqueles que optam por documentar as obras dos compositores levam o seu trabalho.

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

O artigo original foi publicado em @CMUSE – Classical
The original article appeared first @CMUSE – Classical


Talvez seja do seu interesse: Como Compreender e Apreciar a Música Clássica


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos