First Love Artes & contextos

FIRST LOVE – MotelX

10 de setembro, 2020 0 Por Laura Carvalho Torres
Modo Noturno

FIRST LOVE de Takashi Miike

 

Após mais de 100 filmes, num trabalho desenvolvido ao longo de 30 e poucos anos, Takashi Miike é uma lenda viva no cinema de género.

Num terceiro dia que primou pela temática do amor e das relações e laços familiares, First Love (Hatsukoi) foi o filme ideal para terminar mais um dia de MotelX em grande, e provoca uma boa quantidade de gargalhadas pela plateia. É impossível fechar Miike dentro de um estilo, ou enquadrá-lo no que quer que seja; First Love é prova disso mesmo: desde o drama, ação, violência pura ao humor negro e sádico, tem de tudo um pouco.

A narrativa desenrola-se em volta de uma série de acontecimentos que se interligam, e por sua vez, reúnem todas as personagens no mesmo cenário. Leo (Masataka Kubota) é um pugilista profissional japonês, que, fora do ringue, é um típico rapaz com uma vida normal e rotineira.

First Love

FIRST LOVE – Leo  (Masataka Kubota), Foto ©IMDB

Noutro plano é-nos dada a conhecer Yuri (Maimi Yajima), uma jovem que é obrigada a prostituir-se como forma de pagamento de uma dívida contraída pelo pai a traficantes de droga. Estes, viciaram Yuri e exploravam-na, sem qualquer pretensão de vir sequer, a saldar a dívida.

As vidas de Leo e Yuri, cruzam-se através de duas outras hilariantes personagens: Otomo (Nao Õmori), um polícia corrupto e Kase (Shôta Sometani), membro de um gangue japonês. Estes, tinham como objetivo saquear droga, desviando-a da sua rota, e culpar a prostituta, saindo impunes. Ao receber a chocante notícia de que tinha um tumor cerebral, que lhe iria tomar conta da vida que lhe restava, Leo não tem nada a perder. Seguindo o conselho de um vidente, decide contribuir para a felicidade de outrem, em detrimento da sua.

First Love

FIRST LOVE – Otomo (Nao Ohmori) e Kase (Shôta Sometani), Foto ©IMDB

É neste momento que a ação, a violência e o puro humor negro entram em ação. No meio de uma enorme confusão, Leo e Yuri vêm-se, agora, obrigados a lutar pela vida. Leo havia ajudado Yuri a fugir dos seus pimps, e das mãos da dupla Otomo e Kase.

Desde choques de taser, a cortar cabeças, atropelamentos e cães de peluche a arder, as peripécias de ambos deixam-nos extasiantes. Durante toda a trama vamos observando a crescente relação de Leo e Yuri, apesar de o maior interesse e peso se dirigir para Kase, a personagem mais hilariante, e que maior reação provocou no público.

First Love

FIRST LOVE – Monica (Sakurako Konishi) e Leo (Masataka Kubota), Foto ©IMDB

O filme é longo, mas a narrativa é acelerada. Leo descobre, e tal como o vidente lhe havia dito, que a sua saúde está bem e recomenda-se. O tumor havia sido um diagnóstico falso, o que não pode deixar de fazer a plateia soltar umas boas gargalhadas à medida que o médico vai enchendo a caixa de mensagens de Leo, com pedidos de desculpa sucessivos. Há muita ação e humor, aliados a uma forte componente de alerta, ainda que velada pelo mood fílmico, do tráfico e uso de estupefacientes.

As lutas entre gangues traduzem-se numa perfeita comédia, com bastantes cenas gráficas, mas cujo slapstick não deixa ninguém indiferente.

First Love

FIRST LOVE – Gondo (Seiyô Uchino), Foto ©IMDB

A história é descomplexada de múltiplos cenários e interpretações. É literalmente aquilo que é. Bem realizado e construído, com os objetivos bem definidos, dando-nos o típico romance fílmico sem um enquadramento vulgar.

Um dos grandes da cinematografia de género volta a surpreender, e desta vez com uma história de amor que se cruza com loucos traficantes de droga, policias corruptos e humor.

Leia as nossas críticas aos filmes MotelX 14:



Laura Carvalho Torres
Segue-me
Últimos artigos de Laura Carvalho Torres (exibir todos)
Open Call Artes & contextos