Metroplis

Metropolis (1927) como Fritz Lang pretendia que fosse vista

30 de julho, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

A Cena de Dança de Metropolis, Restaurada como Fritz Lang pretendia que fosse vista

 

Quando saiu em 1927, Metropolis de Fritz Lang mostrou ao público o tipo de realidade totalmente inventada, até então para além da imaginação, que podia ser materializada num filme. A sua visão de uma sociedade dividida em colossais arranha-céus e guerras subterrâneas, uma distopia industrial Art Deco, continua a influenciar os cineastas de hoje em dia. Isto apesar – ou talvez por causa – da história simples que conta, na qual Freder, o herdeiro da cidade de Metropolis, se revolta contra o seu pai depois de seguir Maria, uma donzela de bom coração da classe inferior, até às mais baixas profundezas infernais.
Metropolis

A Cena de Dança de Metropolis, restaurada como Fritz Lang pretendia que fosse vista

No papel de Maria estava uma actriz então desconhecida de 18 anos de nome Brigitte Helm.

Para além de todo o vapor e efeitos especiais”, escreve Robert McG. Thomas Jr. no obituário de Helm para o New York Times, “para muitos que viram o filme nas suas várias encarnações, incluindo uma versão colorida e uma com acompanhamento musical, a imagem mais convincente não é nem as torres elevadas nem as fábricas infernais abaixo. É a espantosa transformação de Helm, de uma jovem idealista numa criatura mal vestida a executar uma dança lasciva num bordel”.

 

A meio do filme, Maria é raptada pelo infame inventor Rotwang e clonada com um robô.

É este robô, e não a verdadeira Maria, que toma o palco na cena em questão, praticamente nua pelos padrões do cinema da era do silêncio. Lang utilizou a sequência para forçar não só os limites da propriedade, mas também as capacidades estéticas da sua forma de arte: os espectadores nunca teriam visto nada parecido no campo de preenchimento de moldura dos globos oculares em que se dissolve a multidão de escravos dos homens de smoking. Aqui temos um meio que demonstra decisiva e poderosamente o que o distingue de todos os outros, em apenas uma das cenas restauradas apenas recentemente à sua forma original.

Quando Thomas aludiu aos muitos cortes existentes em Metropolis no seu obituário de Helm, em 1996, a versão agora definitiva do filme que fez dela uma estrela ainda estava no futuro.

The Complete Metropolis de 2010 inclui material redescoberto apenas dois anos antes, numa redução negativa de 16 milímetros armazenada no Museo del Cine de Buenos Aires e há muito esquecida. Mas agora, tal como Lang pretendia, podemos contemplar a sua visão cinematográfica sobre governantes que empregam a mais alta tecnologia para manter até mesmo a elite hipnotizada por espetáculos tentadores – um cenário fantástico que não tem nada a ver, claro, com o futuro tal como ele realmente veio a revelar-se.

O artigo original foi publicado em @Open Culture
The original article appeared first @Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: 10 Grandes Filmes do Expressionismo Alemão: Nosferatu, O Gabinete do Doutor Caligari

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos