Como o Jazz Estimulou o Movimento dos Direitos Civis dos Anos 60

Como o Jazz Estimulou o Movimento dos Direitos Civis dos Anos 60

11 de junho, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

O Jazz e o Movimento dos Direitos Civis

 

Oh, Lord, don’t let ‘em shoot us!
Oh, Lord, don’t let ‘em stab us!
Oh, Lord, don’t let ‘em tar and feather us!
Oh, Lord, no more swastikas!
Oh, Lord, no more Ku Klux Klan!

—Charles Mingus, “Fables of Faubus”

Em 1957, o Governador do Arkansas Orval Faubus decidiu que a integração – imposta três anos antes por Brown v. Conselho de Ed. – constituía um estado de emergência tal, que mobilizou a National Guard para impedir nove estudantes negros de irem à escola. Um escandalizado Charles Mingus respondeu com a letra de “Fables of Faubus”, uma composição que apareceu pela primeira vez no seu célebre Mingus Ah Um, de 1959.

 

 

Aqueles que conhecem o álbum podem ficar confusos – essa gravação não tem letra, não há palavras. A Columbia Records, nota Michael Verity considerou-as “tão incendiários que se recusaram a permitir que fossem gravadas”. Mingus regravou a canção no ano seguinte para a Candid Records, “lyrics and all, on Charles Mingus Presents Charles Mingus”. As palavras do irascível baixista e líder de banda ” representam algumas das mais gritantes e duras críticas às atitudes de Jim Crow em todo o activismo do jazz”

 

 

A história de Mingus com a Columbia mostra a linha que a maioria dos artistas de jazz teve de percorrer nos primeiros anos do movimento dos Direitos Civis. Muitos dos antecessores de Mingus, como Louis Armstrong e Duke Ellington, abstiveram-se de tecer declarações públicas sobre injustiças raciais, pelas quais foram mais tarde duramente criticados.

Mas entre as duas versões de “Fables of Faubus”, de Mingus, o jazz Rompeu radicalmente com as tradições mais antigas que serviam e dependiam das audiências de brancos. “‘Se não gostas, não ouças’, foi a atitude”, como Amiri Baraka escreveu em 1962.

 

 

Os músicos voltaram-se para dentro: tocaram uns para os outros e para as suas comunidades, inventaram novas linguagens para confundir os oportunistas do jazz e fazer avançar a música nos seus próprios termos. Nat Hentoff, proprietário da editora com o seu nome, há muito tempo crítico de jazz e colunista da Village Voice, não só emitiu o protesto vocal de Mingus Faubus, como também nesse mesmo ano o We Insist! Freedom Now Suite, de Max Roach que apresentava uma foto de capa de um protesto ao balcão do almoço e actuações da sua então esposa, cantora e activista Abbey Lincoln.

 

 

Roach gravou dois outros álbuns com temas relevantes para os Direitos Civis, Speak Brother Speak, em 1962, e Lift Every Voice and Sing, em 1971. A viragem do Jazz para o movimento estava em pleno andamento com o amanhecer dos anos 60. “Nina Simone cantou o incendiário Mississippi Goddam, escreve Tom Schnabel, da KCRW, “Coltrane interpretou uma triste dança com, Alabama para lamentar o bombardeamento da igreja de Birmingham, Alabama, em 1963. Sonny Rollins gravou The Freedom Suite for Riverside Records como uma declaração de liberdade musical e racial”.

 

 

Cada geração dedicada aos Direitos Civis até hoje tem tido as suas canções de tristeza, raiva e celebração. Enquanto o evangelho guiou as primeiras marchas, os músicos de jazz dos anos 60 tomaram a si próprios a tarefa de marcar o movimento. Embora não gostasse muito de falar sobre isso em entrevistas, “Coltrane estava profundamente envolvido no movimento dos direitos civis”, escreve Blank on Blank, “e partilhou muitas das opiniões de Malcolm X sobre a consciência negra e o pan-africanismo, que incorporou na sua música”.

 

Os clubes de jazz tornaram-se mesmo espaços de mobilização:

Em 1963, o CORE — Congress of Racial Equality (Congresso de Igualdade Racial) — organizou dois espectáculos de beneficência no Five Spot Café, [com] uma série de músicos e jornalistas musicais de destaque.

No seguimento do discurso “I have a dream” do Dr. King na Marcha sobre Washington e com o bombardeamento da igreja em Birmingham que matou quatro rapariguinhas no mês anterior, o evento atraiu uma série de músicos como Ben Webster, Al Cohn e Zoot Sims em apoio à organização, que, em conjunto com a NAACP e o SNCC, era um dos principais grupos de direitos civis da altura.

O novo jazz, quente ou frio, tornou-se mais profundamente expressivo das personalidades individuais dos músicos e, portanto, de todo o seu eu político, social e espiritual. Não foi uma coisa sem importância; o jazz pode ter sido uma invenção americana, mas foi um fenómeno internacional. Os artistas dos anos 60 travaram a luta com a música e o activismo. Após uma onda de brutais bombardeamentos, assassinatos e espancamentos, “não havia mais linhas divisórias”, escreve Ashawnta Jackson no JSTOR Daily. “Os músicos de jazz, como qualquer outro americano, tinham o dever de comunicar com o mundo à sua volta”. E o mundo ouviu.

 

 

O primeiro Festival de Jazz de Berlim, realizado em 1964, foi inaugurado com um discurso de Martin Luther King, Jr. (que não compareceu pessoalmente). “O jazz é exportado para o mundo”, escreveu King, e “muito do poder do nosso Movimento pela Liberdade nos Estados Unidos veio desta música”. Ele fortaleceu-nos com os seus ritmos doces quando a coragem começou a faltar. Acalmou-nos com as suas harmonias ricas quando os espíritos estavam em baixo”. A música continua a desempenhar o mesmo papel nas lutas de hoje. É um som diferente agora, mas ainda se ouvem os versos de Mingus nas ruas, contra mais ondas de ódio e força bruta:

The first Berlin Jazz Festival, held in 1964, was introduced with an address by Martin Luther King, Jr. (who did not attend in person). “Jazz is exported to the world,” King wrote, and “much of the power of our Freedom Movement in the United States has come from this music. It has strengthened us with its sweet rhythms when courage began to fail. It has calmed us with its rich harmonies when spirits were down.” Music still plays the same role in today’s struggles. It’s a different sound now, but you’ll still hear Mingus’ verses in the streets, against more waves of hatred and brute force:

Boo! Nazi Fascist supremacists
Boo! Ku Klux Klan (with your Jim Crow plan)

O artigo original foi publicado em @Open Culture
The original article appeared first @Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: Jazz Origens e Influências (Parte I)

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos