Tintoretto

Tintoretto, o pintor de Veneza

15 de maio, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Tintoretto

 

Filho de uma família de tintureiros de seda, Jacopo Robusti, após uma breve passagem pelo atelier de Ticiano, o seu grande rival, desenvolveu toda a sua carreira na Sereníssima República. Revemos aqui8 a biografia de um artista que pôs em prática novos critérios estéticos.

 

Para começar a entender a personalidade de Tintoretto é útil examinar o seu famoso auto-retrato de 1547, propriedade do Philadelphia Museum of Art. Trata-se de uma pintura pouco convencional para a época, na qual algumas das mais singulares caraterísticas deste prodigioso pintor já começam a ser identificadas.

Jacopo Robusti chamado Tintoretto (Veneza, 1518/19-1594) terminou-o quando tinha trinta anos de idade, no momento em que a sua carreira estava prestes a tomar um rumo decisivo. Nesta tela vemos um jovem artista que quer transmitir a imagem de um homem determinado, cheio de energia e ambição, pronto a demonstrar a sua superioridade, chegando mesmo a contornar algumas das convenções do seu tempo.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos AUTORRETRATO MUSEO FILADELFIA tintoretto
Autorretrato, por Tintoretto, 1547, óleo sobre Tela, 46 x 38 cm, Museu de Arte de Filadelfia.

 

Tintoretto desenvolveu toda a sua carreira em Veneza, cidade que praticamente nunca deixaria, excepto para uma breve viagem a Mântua em 1580. Há pouca documentação sobre os seus anos de formação, mas diz-se que passou muito brevemente pelo atelier de Ticiano. Conta-se que Ticiano o expulsou passados dez dias por temer que o seu talento precoce o ofuscasse. De facto, na Veneza do Cinquecento, Titian Vecellio (1488/89-1576) seria o seu grande rival ao lado de outra figura ilustre da arte da Sereníssima, Veronese (1528-88).

De acordo com os estudos de Robert Echols, historiador de arte, e Frederick Ilchman, curador do Museu de Belas Artes de Boston, as fontes do jovem Tintoretto vão além do ambiente veneziano e permitem-nos supor que ele completou a sua aprendizagem com alguns pintores de nível inferior ao de Ticiano, como Bonifacio Petati e Giovanni Pordenone. Diz-se também que Tintoretto se familiarizou com as novas tendências figurativas importadas de Roma e Florença graças à chegada a Veneza de artistas como Giorgio Vasari, Jacopo Sansovino, Pietro Aretino, Francesco Salviati e Andrea Schiavone.

Mas, na década de 1540, os artistas tinham os olhos postos em Roma e Florença, especialmente nas obras de Rafael e Miguel Ângelo, que Tintoretto conheceu através de gravuras e desenhos que circulavam nas oficinas venezianas. O seu interesse centrou-se essencialmente no trabalho da figura humana baseado no estudo da escultura e dos modelos vivos, numa tentativa de captar a essência da forma e traduzir a terceira dimensão numa superfície plana.

 

Pintura desalinhada

Na altura em que pintou o referido auto-retrato, ou seja, no final dos anos 40, Tintoretto ainda não tinha conseguido destacar-se na cena artística veneziana e deve ter sentido uma certa frustração por ainda não ter visto o seu nome associado a uma grande encomenda. A sua primeira oportunidade surgiu quando, a pedido da Scuola del Santissimo Sacramento, produziu o grande quadro intitulado A Última Ceia para a Igreja de San Marcuola.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos 6 La Última Cena Iglesia de San Marcuola Venecia 1547 I
A Última Ceia, Tintoretto, 1547, Igreja de San Marcuola, Veneza.

 

Como escreve Vittoria Romani no catálogo da exposição O Jovem Tintoretto, na Galeria da Academia em Veneza, é “uma obra essencial para a reconstrução da criação do jovem Tintoretto em que o artista introduz esta dialéctica de luz-sombra que acentua o dramatismo da cena e que será reafirmada em O Milagre de São Marcos um ano mais tarde”.

Esta última obra, encomendada pela Scuola Grande di San Marco, uma das confrarias mais poderosas da Sereníssima, marca uma viragem na carreira de Tintoretto, porque rompe com a pintura veneziana do seu tempo para impor o seu próprio código iconográfico. O Milagre de São Marcos, também conhecido como O Milagre do Escravo e São Marcos Libertando um Escravo, causou sensação e desconcerto, pois introduziu um novo modelo que choca com a tradição conservadora que então prevalecia em Veneza.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos Accademia   Miracle of the Slave by Tintoretto
O Milagre de São Marcos, Tintoretto, 1548, Galería de la Academia.

 

Alguns membros da guilda ficaram indignados, chegando mesmo a sugerir que o quadro deveria ser rejeitado. Ferido no seu orgulho, Tintoretto transportou-o para a sua oficina sem esperar pela resposta da congregação, que acabou por aceitar o trabalho. A partir daí, sentiu-se capaz de assumir mais riscos e alcançar todos os seus objetivos, conseguindo grandes encomendas da Igreja e de poderosas entidades religiosas e civis.

Nesse mesmo ano de 1548 produziu outra obra notável, Cristo lavando os pés dos seus discípulos, para a igreja de San Marcuola e, em 1549, pintou o impressionante quadro São Roque Curando as Vítimas da Peste para a igreja de San Rocco. Seguiram-se outras pinturas particularmente brilhantes, como Susana e os Velhos do Museu Kunsthistorische em Viena e São Jorge libertarando a Princesa da National Gallery em Londres.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos El Lavatorio Tintoretto 1
Cristo lavando os pés dos seus discípulos, Tintoretto, 1548, Museo del Prado, Madrid.

 

No entanto, o sucesso não foi imediato, já que choveram críticas sobre a sua pintura, que foi muitas vezes vista como agressiva e desordenada. Ao mesmo tempo, ficou com ciúmes das alegadas manobras do seu rival Ticiano para ocupar o seu lugar. E como se isso não bastasse, Pablo Veronese tinha acabado de se instalar em Veneza, um novo concorrente que fascinava o público com o seu estilo clássico e extremamente requintado.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos Jacopo Robusti called Tintoretto   Susanna and the Elders   Google Art Project 1
Susana e os Velhos, Tintoretto, 1555-56, Kunsthistorische Museum de Viena.

Talento e originalidade

Excluído do concurso para a Biblioteca Marciana, Tintoretto sentiu-se desprezado e assim tentou vingar-se com a decoração da igreja de Madonna dell’Orto, que culminou com a imensa pintura de O Último Julgamento (1559-60). Estas últimas obras restabeleceram-lhe a confiança e, a partir de 1560, entrou no seu período mais activo com a conclusão de uma série de ciclos narrativos que lhe permitiriam demonstrar, em grande escala, a originalidade do seu talento

Quando a Scuola Grande di San Rocco organizou um concurso para a decoração da Salla dell’Albergo, Veronese, Giuseppe Porta Salviati e Federico Zucarro pareciam estar em melhor posição para assumir a empreitada. No entanto, Tintoretto conseguiu forçar os membros da congregação a aceitar o seu projecto.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos Jacopo Tintoretto 021
Crucificação, Tintoretto, 1565, Scuola Grande di San Rocco.

 

O ano 1574 corresponde a um momento excepcional na carreira de Tintoretto, uma vez que, além de receber a encomenda da Scuola Grande di San Rocco, continuou a produzir retratos de personalidades da sociedade veneziana e colaborou em vários projectos para o Palácio Doge e para o Doge Alvise Mocenigo. A sua notoriedade foi tal, que se tornou o pintor oficial da Serenissima, garantindo-lhe uma pensão anual.

Além disso, a morte de Ticiano em 1576 deixou-o livre para dominar a cena artística, apesar da longa sombra de Veronese, que ainda pairava sobre Veneza. A sua fama espalhou-se pela Europa e trabalhou para grandes famílias como os Gonzagas de Mântua, os Fuggers alemães e para as cortes dos Habsburgos em Madrid e Viena.

 

“Bottega di famiglia”

Esta abundante actividade obrigou-o a expandir o seu atelier, incorporando a colaboração dos seus filhos, Domenico, Marco e Marietta, e de numerosos assistentes, incluindo alguns pintores do Norte da Europa.

Em Veneza, a actividade das oficinas familiares, conhecidas como bottega, em que vários assistentes trabalham sob a supervisão do mestre, era uma prática que remontava a dois séculos.

 

Tintoretto, o pintor de Veneza Artes & contextos Jacopo Tintoretto 036 el procurador marco
Marco Grimani, Tintoretto, -. 1580, Kunsthistorisches Museum.

 

No entanto, a bottega de Tintoretto assumiu uma dimensão até então desconhecida devido à enorme acumulação de encomendas, o que tornou inevitável a multiplicaçãode colaboradores para muitas das obras na última fase da sua carreira, ou seja, desde 1575 até à morte do artista em maio de 1594.

O artigo original foi publicado em @Descubrir el Arte
The original article appeared first @Descubrir el Arte

Este artigo foi traduzido do original em castelhano por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: Paolo Veronese, il pittore della bellezza sovrumana.

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Jaime Roriz Advogados Banner