Marion Charlet, Paisagens Encenadas Artes & contextos marion charlet

Marion Charlet, Paisagens Encenadas

28 de maio, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Marion Charlet

 

As encenações de Marion Charlet são boas demais para ser verdade.

Sob um filtro clorado, desdobram-se na moldura geométrica de toldos cintilantes que se abrem para paisagens exuberantes. Este tipo de galerias ao ar livre não tem cantos privados para se esconder dos olhos do mundo.

Com influência cinematográfica, são frequentemente vistos de cima, como a bordo de um grande pássaro em voo. O seu espaço é estruturado por pedras de calçada, piscinas e pavilhões. Marion Charlet trabalha com superfícies planas rigorosas e planos cuidadosamente detalhados.

Seguidora do modelo matissiano, não hesita em aplicar a cor de forma uniforme e polida, mesmo que isso implique dar um aspecto decorativo a certos elementos do conjunto. Os tons puros e a vegetação luxuriante anunciam a época dos desfiles. A cena sai directamente de um sonho e sente o ambiente pronto para a vaga da alma. Paradisíaco barraco ou Nautilus em cores ácidas, a imagem é lavada, liquidada com a água de férias rica em vitaminas.

Os prazeres que aí se desdobram são catasténicos, ou seja, em repouso, precisamente não necessários de acordo com a definição epicurista. Eles pertencem à simples alegria de deixar a porta aberta ao calor do verão.

Marion Charlet, A Wedding Banquet, 146x114cm, 2019

Marion Charlet, A Wedding Banquet, 146x114cm, 2019

Marion Charlet, Like a bird II, 146x114cm, 2017

Marion Charlet, Like a bird II, 146x114cm, 2017

Marion Charlet, Ciao IV, 100x80cm, 2020

Marion Charlet, Ciao IV, 100x80cm, 2020

Esta é uma marca registada da técnica de Marion Charlet: o interior e o exterior não estão circunscritos nestas varandas com as suas claraboias e persianas. As contas e painéis de vidro estruturam o espaço mais do que o separam, com o céu a desenrolar-se como uma cortina ao fundo. Calmo e claro, o céu característico da artista dá a impressão de uma paisagem redonda e suave; nem realmente natural nem demasiado iridescente, liga o todo, como água cristalina e envolvente. De um modo geral, a paleta acrílica de Marion Charlet brilha, como as dos pintores Peter Doig e David Hockney, de quem a artista se sente herdeira.

Os estranhos e modernistas édens de Marion Charlet desenham as suas fábricas a partir de memórias passadas através da peneira estilizadora da nostalgia. Os ângulos de visão são justapostos como se se tratasse de um anúncio de um cruzeiro a uma terra imaginária.

Este trabalho por planos e camadas faz eco de uma série recente de gruos de personagens dançantes. Neles, os movimentos decompostos são sobrepostos no espaço, flutuantes e ectoplásmicos. Nas suas roupas, panoramas coloridos pairam como a sombra de uma borboleta. Este conjunto de obras confirma o interesse da artista pela noção de paisagem, que estuda sob o ângulo da percepção, mais do que no seu sentido estético clássico. Nestes sarabandos regados ou nos retiros à beira-mar, a paisagem é acima de tudo uma ideia, que ocupa o espaço de uma forma mais ou menos abstrata.

Marion Charlet, Bonnes Vacances, 145x187cm, 2020

Marion Charlet, Bonnes Vacances, 145x187cm, 2020

Marion Charlet, Paisagens Encenadas Artes & contextos marion charlet 09

Marion Charlet, The hidden language of the soul, 180x230cm, 2020

Marion Charlet, Desert Night, 33x24cm, 2018

Marion Charlet, Desert Night, 33x24cm, 2018

A prática pictórica de Marion Charlet conjuga um imaginário de estadias ideais. Estas estâncias termais-botânicas parecem estar preparadas com uma mão invisível para receber hóspedes que necessitam de ar puro. As suas cores garridas contribuem para uma euforia fresca servida num cocktail lagoa azul. No entanto, nenhuma alma ocupa estes quadros caros, vazios como os aquários a serem renovados.

Lugares despovoados como uma sesta de Verão, têm o aspecto congelado de um buffet refrigerado. Tanto mais preocupante quanto estes pátios límpidos se oferecem sem perturbação à vista, quase num excesso de inteligibilidade. Temos de estar atentos à água adormecida.

A pesada pausa na decoração quase falsa evoca uma cena de crime demasiado perfeita, uma hipóstase em repouso que beira os mortos.

Esta é precisamente a definição de kitsch proposta por Milan Kundera: “O Kitsch é um ecrã que esconde a morte […] O Kitsch exclui do seu campo de visão tudo o que é essencialmente inaceitável na existência humana”1. A vivacidade das cores, iridescentes e cintilantes como isco, esconde uma verdade fatal que alguns títulos nos recordam: « I will rest here », « Soledad », « Far away from Calais »…

Os palácios cintilantes parecem agora navios-fantasma quase sem sombras. Habitados por memórias de lugares vistos e saboreados, sublimam a ausência e sugerem a presença neste silêncio indolente.

Marion Charlet, Matanzas, 110x160cm, 2019

Marion Charlet, Matanzas, 110x160cm, 2019

Exposição de Marion Charlet. Iniciativa privada dos colecionadores, Evelyne e Jacques Deret. Em parceria com a Patio-Art Opéra

 

1 Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser 1984

 

O artigo original foi publicado em @Boumbang
The original article appeared first @Boumbang

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: Multi-Layered Oil Paintings by Jacob Brostrup Blur Natural and Built Environments

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos