Bolero de Ravel

Alunos da Juilliard & New York Philharmonic Tocam Bolero de Ravel

8 de maio, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Bolero de Ravel em confinamento.

Como todos os que estamos no isolamento COVID-19, os estudantes da Juilliard estão ansiosos por sair e tocar. Para eles, o desejo é um pouco mais um imperativo. Sem se encontrarem e ensaiarem juntos, estes artistas dedicados e em início de carreira não conseguem aperfeiçoar as suas capacidades. “Em épocas normais”, escreve Benjamin Sosland no Juilliard Journal, “os salões da Juilliard estariam nesta altura,  a fervilhar com vários grupos: quartetos de cordas, conjuntos de jazz e cantores a trabalhar em salas de ensaio no quarto andar; bailarinos a criar novas coreografias no terceiro andar; alunos de HP (N. da R. – Hand Percussion) a embelezar linhas de baixo em conjunto na Sala 554, o principal estúdio de cravo; actores a fazer trabalhos em conjunto na lendária Sala 301″.

O distanciamento social tem sido um sacrifício para todos, mas estes artistas, em vez de desistirem, fizeram o melhor com a colaboração editada logo abaixo, Bolero Juilliard. É fácil perder de vista o facto de se tratar de uma colagem de performances individuais, apesar de ser exactamente isso que temos diante de nós.

 

 

Os movimentos são tão bem coreografados, as actuações tão bem sincronizadas, que suspendemos a descrença. Não ouvimos as falas, as indicações perdidas, as notas azedas e as piadas maliciosas que devem acontecer mesmo nos mais altos níveis de desempenho. Mas vocês também dariam o vosso melhor se soubessem que iriam atuar (de certa forma) com ex-alunos tão ilustres como Yo-Yo Ma, Laura Linney, Patti Lupone e Itzhak Perlman, não?

“Proposta pelo Presidente [Juilliard] Damian Woetzel e sob a liderança artística do coreógrafo… Larry Keigwin”, relata Sosland, a colaboração virtual reúne ” bailarinos, instrumentistas, cantores, actores e ex-alunos” numa versão pessoal de uma peça encenada por Keigwin em 14 cidades dos Estados Unidos nos últimos anos.

O Bolero de Maurice Ravel é em si mesmo “uma composição particularmente colaborativa na medida em que passa o tema melódico através de uma série de solos”, escreve Grace Ebert no Colossal. “As performances sequenciais realçam os tons e sons distintos de cada instrumento, seja uma flauta, um violino ou o anómalo saxofone”.

 

É uma peça que exprime directamente a experiência de tocar em conjunto isoladamente, talvez tenha sido por isso que a New York Philharmonic também optou por tocar Bolero, juntos e afastados numa homenagem em vídeo aos “trabalhadores da saúde na linha da frente da crise da COVID-19”.

Sem os intensos efeitos coreográficos e de montagem minuciosa do Bolero Juilliard, o vídeo não confirma a ilusão de que estes músicos estão realmente a tocar juntos, mas fecha os olhos e podes imaginar que estás na plateia, a ouvi-los do palco e não das suas casas. É obviamente um trabalho que estes músicos fazem com alegria, por gratidão e amor à sua arte… e também provavelmente porque é assim que vão ter de tocar juntos num futuro previsível.

(Respeitosamente o A&c não partilha desta última imagem pouco otimista. Temos que acreditar.)

O artigo original foi publicado em @Open Culture
The original article appeared first @Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: The Virtual Choir: 3500 Cantores de 73 Países Unidos Virtualmente


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos