Porque é “Rapariga com Brinco de Pérola” considerada uma obra-prima?

16 de abril, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Rapariga com Brinco de Pérola de Vermeer

Embora pintada em meados do século XVII nos Países Baixos, a obra do mestre holandês parece apelar cada vez mais aos apreciadores modernos de todo o mundo.
A maioria dos que entram no universo de Vermeer fazem-no através do “portal” que é o seu retrato de 1665
Rapariga com Brinco de Pérola. O que nos cativa naquela jovem contra um fundo preto liso, uma imagem tão mais simples do que os interiores domésticos detalhados que constituem a maior parte da obra de Vermeer?

Na TED-Ed lesson acima, o historiador de arte James Earle enquadra a Rapariga com Brinco de Pérola no contexto da restante obra de Vermeer, revelando como se enquadra e como se destaca. “Em vez de funcionar como uma peça de cenário de uma cena narrativa teatral, ela torna-se um objecto psicológico”, diz Earle. “O seu contacto visual e os lábios ligeiramente entreabertos, como se estivesse prestes a dizer algo, atraem-nos para o seu olhar” – um dos aspetos que conferiram à pintura a reputação de “a Mona Lisa do Norte”.

Embora não seja membro da nobreza nem do clero, as principais fontes dos retratos tradicionais da época de Vermeer, esta “menina anónima” é enobrecida pela forma como o artista a retrata. Isto reflete a realidade política e económica em mutação dos Países Baixos da época, um país que se tinha “virado contra a aristocracia dominante e contra a Igreja Católica”.

As cidades como a pequena cidade natal de Vermeer, em Delft, diz-nos Earle, “não eram controladas por reis ou bispos, por isso muitos artistas como Vermeer ficaram sem patronos tradicionais”. Mas a classe mercante ascendente, impulsionada pela inovação da Companhia Holandesa das Índias Orientais, produziu novos. Estes patronos de classe média preferiam ser representados com símbolos da sua própria mundanidade: mapas pendurados nas paredes em interiores domésticos, ou mais ostensivamente o “turbante oriental” usado pelo modelo da Rapariga com Brinco de Pérola.

“Provavelmente apenas uma conta de vidro ou de metal envernizado para parecer uma pérola”, o objeto parece no entanto ter forma e peso consideráveis” – pelo menos antes de “uma vista detalhada revelar que se trata apenas de uma mancha de tinta flutuante”. Mas que mancha, na qual “nos lembramos do poder de Vermeer como criador de ilusões”.

 

O artigo original foi publicado @Open Culture
The original article appeared first  @Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos


Talvez seja do seu interesse: See the Complete Works of Vermeer in Augmented Reality: Google Makes Them Available on Your Smartphone


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos