Bitches Brew

50 Anos de ‘Bitches Brew’ de Miles Davis

8 de abril, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Bitches Brew faz 50 anos

A Obra prima do Funk-Jazz-Psych-Rock

 

Não será preciso dizer-vos que o álbum Bitches Brew, de Miles Davis lançado há cinquenta anos neste mês, é um disco verdadeiramente revolucionário.

A obra-prima do funk-jazz-psych-rock conquistou o reconhecimento nos “best of” ao longo de meio século. “Bitches Brew não se assemelha a qualquer outro disco do seu tempo, ou de qualquer outra época”, afirmava enfaticamente Rick Frystak no blogue da Amoeba Records no ano passado, no 50º aniversário da entrada em cena do álbum em 1969, no palco e no estúdio.

Davis “deu muito poucas indicações à banda”, diz o baixista e apresentador do Jazz Night in America Christian McBride ao Audie Cornish da NPR. “Miles pode aparecer com partituras com, tipo, quatro compassos”. Mas depois, tu fazes o teu trabalho”.

Ou como o guitarrista John McLaughlin se lembra, no clip acima do The Miles Davis Story, ” Eu acho que nem mesmo Miles tinha uma ideia muito clara daquilo que queria fazer”. Mas ele era um homem com uma intuição inacreditável, e no momento em as coisas aconteciam, ele sabia que era isso”. “Já está”, dizia.

“O que ficou registado foi o processo”, diz o baixista Dave Holland, de descobrir, por exemplo, como fazer funcionar três teclados ao mesmo tempo. O autor e estudioso de Miles Davis, Paul Tingen, atenua a ideia de que a banda fez tudo no momento.

“Três das peças já tinham sido trabalhadas em concertos”, escreveu, como o vídeo ao vivo (acima) de “Bitches Brew”, de 1969, em Copenhaga. Além disso alguns dos músicos foram ensaiar antes das sessões de estúdio.

Mas durante grande parte da produção do álbum, Miles ” trazia esboços musicais que nunca ninguém tinha visto”, diz o próprio Davis, e a banda, com 13 músicos no total, encontrou o seu caminho. Tingen escreve:

No terceiro dia, a secção rítmica era composta por 11 músicos: três teclados, guitarra eléctrica, dois baixos, quatro bateristas/percussionistas e um clarinete baixo. Miles tinha retirado todas as paragens na sua busca por um fim mais obscuro

A densidade do álbum, o eco da gravação de Davis e a guitarra distorcida e estridente de McLaughlin afastaram muitos jazzheads.

“Muita gente considerou-o um traidor artístico”, explica McBride. “Mas penso que havia uma série de universitários que ouviam rock progressivo [e] música soul que adoraram verdadeiramente este disco”. Davis foi escolhido para abrir os Grateful Dead, Neil Young, e a Steve Miller Band. Uma nova geração voltou-se para o jazz quase da noite para o dia.

Depois de Bitches Brew, o jazz continuou a fundir-se com a instrumentação e a sobrecarga do rock, “de Chick Corea com Return to Forever e Wayne Shorter com Weather Report, a Herbie Hancock com The Headhunters” – e, claro, a Mahavishnu Orchestra de McLaughlin.

Tal como os discos experimentais dos anos 60 de Coltrane tinham feito, o álbum de fusão de Davis, libertou o rock das suas fórmulas, dando-lhe espaço para se espalhar e explorar.

Até os Radiohead o citaram como uma influência no seu inovador Ok Computer de 1997. “Estava a construir algo e a vê-lo desmoronar-se”, diz Thom Yorke, “essa é a beleza da coisa”.

A rejeição inicial do álbum nos círculos de jazz não durou muito, como qualquer pessoa informada sobre os caminhos da  música sabe. Davis determinou o seu rumo nos anos 70 (como o designer (de capas) Mati Karwein determinou o seu aspecto). “Não sei se o jazz alguma vez se desligou”, diz McBride, e influentes fusionistas do jazz contemporâneo, como Kamasi Washington, Thundercat, e The Comet is Coming, comprovam o seu ponto de vista.

Há cinquenta anos, o terreno foi desbravado para o jazz eléctrico experimental, e os músicos ainda hoje trabalham a partir das intuições de Miles Davis em Bitches Brew.

 

O artigo original  Turns 50: Celebrate the Funk-Jazz-Psych-Rock Masterpiece, foi publicado @ Open Culture
The original article Turns 50: Celebrate the Funk-Jazz-Psych-Rock Masterpiece, appeared first @ Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em castelhano por Redação Artes & contextos

Talvez seja do seu interesse: Jazz: Origens e Influências (Parte I)

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos