Amadeo Modigliani

Modigliani: El Greco das Vanguardas

27 de março, 2020 Off Por Artes & contextos
Modo Noturno

Amedeo Modigliani

 

O diálogo entre passado e presente, entre classicismo e modernidade, é evidente na obra do artista de Livorno, cujo centenário é comemorado este ano. Um criador complexo, com uma vida agitada e melancólica, tendendo para o isolamento e a solidão, algo que se reflectiu nas suas composições.

O artista italiano pinta uma mulher.

Redu-la à essência, mostrando na sua linha segura a simplicidade do seu ser. Desta forma, consegue possuí-la. É o seu jogo de amor.Não se pode fazer amor com um cubo”, disse a Picasso quando se iniciava com Braque no Cubismo. A salvação do artista reside no sonho da felicidade eterna, na lucidez de encontrar a verdade através da arte, a fim de compreender a realidade da nossa existência.

Modigliani: El Greco das Vanguardas Artes & contextos RETRATO AMEDEO

Nestas linhas, Retrato de Modigliani, de Marc Vaux, 1918, Arquivo Hulton. Acima, Nu Reclinado, de Amedeo Modigliani, 1917, óleo sobre tela, 60,6 x 92,7 cm, Nova Iorque, Met.

Como El Greco, Modigliani (Livorno, 12 de julho de 1884-Paris, 24 de janeiro de 1929), tentou alcançar o céu com as suas infinitas figuras, não esquecendo a escultura de rostos de alongamentos sinuosos, com olhos de órbitas vazias. A escultura aproxima-o da antropologia do africano, da simplicidade e beleza do grego, da filosofia do silêncio das igrejas onde ele descobre Bellini e Carpaccio. Tem dificuldade em respirar porque a vida o sufoca. Pleurisia e doença constante marcam sua produção artística, que é limitada e intensa para uma existência que, eterna, termina aos trinta e cinco anos de idade.

Nascido numa família judia sefardita, o seu avô materno mostra-lhe o caminho da Cabala e a filosofia de Spinoza e Nietzsche. Desde muito jovem lê também Dante, Baudelaire e Isadore Ducasse (pseudónimo do Conde de Lautréamont), com quem partilhava o gosto pela autodestruição.

Doente e melancólico, aos catorze anos Amedeo começou a ter aulas de pintura com o artista Guglielmo Michelli, um discípulo de Giovanni Fattori, um dos maiores representantes do movimento conhecido como os Macchiaioli.
Mais tarde, o pintor entraria na Escola Livre dos Nus (Florença) e, em 1903, iria para a das Artes (Veneza).

Amedeo Modigliani

Retrato de Paulette Jourdain, por Amedeo Modigliani, 1919, óleo sobre tela, 100,3 x 65,5 cm, coleção particular.

Transferência para Paris

Em 1906 Amedeo Modigliani foi para a todo-poderosa Paris, de uma vanguarda que ainda hoje é imortal.

Estava na hora de mudar o curso da arte. A avantgarde está exposta nas galerias. As homenagens a Gauguin e Cézanne no Salon d’Automne em 1906 e 1907, respetivamente, animaram a linguagem criativa de Modi (amaldiçoado, como foi chamado por seus amigos, incluindo os pintores Maurice Utrillo e Ortiz de Zarate) até que desistiu do academismo formativo e deixou-se influenciar por Toulouse-Lautrec, pelo cubismo, o período azul Picassiano (especialmente no seu Retrato de Maude Abrantes, 1907) e Gustav Klimt.

Com uma paleta rápida e uma execução ininterrupta, ele nunca retoca os seus quadros. Em 1908 apresentou cinco obras no Salon des Indépendants, incluindo The Jewess (coleção Alexandre, Paris).

Em 1909, a sua linguagem artística foi recomposta nas mãos de Paul Alexandre, com quem visitou o Museu do Homem Trocadero.

África na cabeça e nas suas cabeças femininas esculpidas com olhos vazios e histórias de exílio, como a Cabeça de Caryatid. Traz sempre no bolso uma reprodução do Jovem Rapaz com Colete Vermelho de Cézanne (1888-89).

Ele quer esculpir, mas a maldita asma e a tuberculose o impedem-no de ser Brancusi, que ele conhece nesse mesmo ano através do jovem negociante de arte Paul Guillaume. Brancusi e Modi roubam juntos material para as suas esculturas nos arredores de Paris e levam-no para o estúdio que alugam em Montparnasse.

Até 1914 quase exclusivamente esculpiu, embora a partir desse ano fosse o seu magnífico Retrato de Diego Rivera, que frequentava assiduamente.

Modigliani: El Greco das Vanguardas Artes & contextos Amedeo Modigliani   Caryatid   Google Art Project

Caryatid, de Amedeo Modigliani, 1913-15, lápis azul e preto sobre papel, 64,6 x 49,9 cm, Melbourne, Galeria Nacional de Victoria.

Em 1917 regressou à pintura, tentando captar a psicologia dos seus modelos. Gestos, estilização, um compêndio de arte gótica aprendida nos anos florentinos. Desde esta etapa e até à sua morte são as suas grandes obras, cheias de sensualidade: O Grande Nu (1917) ou Nu Dormindo com os Braços Abertos – Nu Vermelho  (1917).

musas do pintor

Entre as suas amantes está a poetisa russa Anna Akhmatova.
Juntos visitaram o pavilhão indochinês do Trocadero no inverno de 1910 e as salas dedicadas à arte egípcia e grega no Louvre. Modi desenha Akhmatova.
Estes dois estrangeiros em Paris recitam Verlaine, Mallarmé e Baudelaire. Como escreve Marina Valcárcel, “a adição do Modigliani ao álcool e ao haxixe é frequentemente lembrada, mas quase nunca aos livros”.

Em 1914 começou a sua relação com a também poetisa e crítica de arte Beatrice Hastings (pseudónimo de Emily Alice Haigh). Nascida em Inglaterra e educada na cultura sul-africana. Dois anos foram suficientes para decidirem seguir caminhos diferentes, tanto de dor como de tragédia, de limitações e excessos. “Ela era um porco e uma pérola, haxixe e brandy, ferocidade e gula”, diz Modi. Beatrice acabará por se suicidar em 1943 por inalação de monóxido de carbono.>

Amedeo Modigliani

Anna Akhmatova, por Amedeo Modigliani, estudo para um retrato, 1911, lápis sobre papel.

Depois do amor de Beatrice, ele conhece a jovem Jeanne Hébuterne, uma estudante de pintura, burguesa cuja família repudia o idílio. A jovem mulher torna-se a sua musa até ao fim da sua vida. Em 1919, após algumas breves exposições em galerias, Modigliani adoece novamente e viaja com Jeanne, que está grávida, para Nice, onde, isolado das tendências artísticas de vanguarda, volta a ter prazer nos seus nus femininos, o que escandaliza muita gente. Majas e venus, “goyas” e “giorgiões” deitados sobre o erotismo delirante das linhas planas e corpos próximos.
Com uma clara gama cromática e cravos rosa, as figuras de Modigliani são versos soltos em universos de interior moderno. Ele retrata a sua amada, mas nunca nua e sempre em cenas interiores, com pouca mobília e uma atitude recatada (Retrato de Jeanne Hébuterne, 1919).

Pintor e musa regressam a Paris, à Rue de la Grande Chaumiére, onde ocorrem discussões, brigas de bairro, absinto, planos de casamento e uma nova gravidez. Como naobra Ciencia y caridad de Picasso (1897), Modigliani, na cama, de um lado, o abraço da tuberculose, do outro, a mão trémula de Jeanne.

Amedeo Modigliani

Retrato de Jeanne Hébuterne sentada, por Amedeo Modigliani, 1918, óleo sobre tela, 55 x 38 cm, Jerusalém, Museu de Israel

Toda Montmartre e Montparnasse marcham em uníssono, em 24 de janeiro de 1920, até ao cemitério eterno parisiense de Père Lachaise, o último lugar de descanso dos deuses. Em questão de horas, Jeanne lança-se no vazio, grávida do seu segundo filho, do quinto andar da casa da família.

Após a sua morte, Modi tornou-se imortal, a sua existência pode ser vista nas paredes dos melhores museus e as suas obras atingiram 160 milhões de euros, um preço mais do que razoável por uma história mais do que triste. A sua órfã Jeanne, adotada pela avó e tia e transferida para Florença, escreveu sobre o pai, Homem e Mito, a história do artista; Jean Cocteau, escritor, amigo e modelo do pintor, publicou a sua biografia em 1950, na qual afirma que a sua forma de desenhar foi sempre “uma conversa silenciosa”, e André Salmon, crítico de arte, também amigo e regular nos meios parisienses de vanguarda, foi autor de um livro revelador, A Vida Apaixonada de Modigliani.

 Amedeo Modigliani

Retrato de Lunia Czechowska (vestida de preto), de Amedeo Modigliani, 1919, óleo sobre tela, 92,4 x 60 cm, coleção privada

A miséria não o impediu de se transformar num dandy. “O único em Paris que se sabe vestir é Modigliani”, afirmava Picasso. Casacos de veludo com lustres, camisas de cretone, cachecóis e chapéus de aba larga. Uma elegância desastrosa que vomita, arrogante, entre garrafas de absinto.

Amedeo Modigliani

Retrato de Paul Alexandre, de Amedeo Modigliani, 1913, óleo sobre tela, 80 x 45 cm, Rouen, Museu de Belas Artes.

Modigliani: El Greco das Vanguardas Artes & contextos El caballero de la mano en el pecho

El caballero de la mano en el pecho, de El Greco, c/ 1580, óleo sobre tela, 81,8 x 66,1 cm, Madrid, Museo del Prado

A lenda em torno do seu trabalho só aumentou o mito. As exposições multiplicam-se na comemoração do centenário da sua morte. Os catálogos raisonnés sobre o seu legado ainda não são conclusivos. Decifrar a sua autoria não é fácil porque Modi trocava as suas obras por um copo de absinto. “Quando está bêbado, desenha como um mestre”, disse o poeta e romancista alemão Franz Hessel.

Amedeo Modigliani

Retrato de Diego Rivera, por Amedeo Modigliani, 1916, óleo sobre cartão, 100 x 79 cm, Museu de Arte de São Paulo

O artigo original Modigliani: el Greco de las vanguardias foi publicado @ Descubrir el Arte
The original article Modigliani: el Greco de las vanguardias appeared first @ Descubrir el Arte

Este artigo foi traduzido do original em castelhano por Redação Artes & contextos

Talvez seja do seu interesse: Periodo blu di Pablo Picasso – Sai i segreti, le fonti e le ossessioni dell’esordio parigino?

Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos