Camille Pozzo di Borgo

Camille Pozzo di Borgo A Garra da Artista

3 de março, 2020 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Camille Pozzo di Borgo

 

Camille Pozzo di Borgo grava no material como um tigre com as suas garras. Ela cava incisivamente, e ao mesmo tempo delicadamente, como uma carícia. Enquanto estudante de Belas Artes em Paris, descobriu a gravura, que pratica há 5 anos. Um olhar atento às suas imagens revela uma miríade de linhas entrecruzadas e sobrepostas.

Mas se dermos alguns passos atrás, vemos estas curvas desenhando o gesto monumental de um animal enfrentando o seu duplo. A língua retorcida, os dentes salientes, os olhos bem abertos, a boca escancarada. A artista está interessada na violência de animais selvagens como leões, rinocerontes, tigres, carniceiros, gorilas e outros hominídeos. Eles lutam. Em combate corpo a corpo, com um gesto que é tão violento e monumental; tão fino e realista.

Camille Pozzo di Borgo

Detalhes, gravura, a seco sobre acrílico impresso sobre papel em cinco passagens, 120 x 160 cm, outubro – novembro 2017

Camille Pozzo di Borgo

Detalhes, gravura, a seco sobre acrílico impresso sobre papel em cinco passagens 120 x 160 cm, outubro – novembro 2017

Camille Pozzo di Borgo

Díptico, gravura, ponto seco em acrílico impresso em papel em cinco passagens, 240 x 160 cm, 2017

Camille Pozzo di Borgo

Gravura, ponto seco em acrílico impresso em papel em três passagens, 120 x 140cm, 2019

Camille Pozzo di Borgo

Gravura, ponto seco em acrílico impresso em papel em três passagens, 120 x 140cm, 2019

Espontaneamente, as lutas dos animais poderiam evocar cenas estrondosas, animalescas e impiedosas. Mas é um silêncio ensurdecedor que reina em face do combate. Esta contradição presente sugere-nos outras. Monumental, mas bom. Violento, mas sem feridas. Eles gemem em silêncio. Estas oposições que tocam o oximoro dão um vislumbre da beleza na animalidade destas lutas.

As suas obras podem denotar a influência do pintor naturalista americano Walton Ford, que retrata animais exóticos em grandes formatos. Mas Camille Pozzo di Borgo não procura transmitir uma mensagem política ou ideológica, ao retratar estes animais. Ela pretende registar a beleza do gesto. Um gesto de nudez. Sem sentido. A luta entre os corpos é então feita com um olhar omnisciente. Os corpos são representados com uma objetividade e realismo puros. Este aspeto realista, quase científico, poderia lembrar-nos as placas zoológicas ou as representações dos animais nos livros de anatomia comparativa.

Mas se a artista está interessada nesta violência, o resultado é a esteticização da luta. A raiva destes animais está impregnada de cores rosa, laranja, azul; o que sublima o ato bárbaro. Os animais são majestosos, altivos, nobres. E se os seus corpos não apresentam feridas, a representação da interioridade do corpo soa como a prefiguração da sua futura decomposição.

Através da violência, a artista consegue substanciar o ato. Pois são os seus próprios gestos, o seu movimento que a fascina, não a sua história ou a sua identidade. É precisamente o fundo branco que insinua que a luta é travada sem contexto. Não há causa para a violência deles, não há narrativa. É o momento que a fascina. O ponto de viragem. Aquele momento em que a bestialidade dos corpos se desdobra crua e sem razão. Essa violência primitiva, sem causa, poderia refletir a violência do homem nos instintos primários que tenta controlar.

Mas paradoxalmente, os animais lutam sem realmente poderem entrar em contacto ou tocar uns nos outros. Os corpos misturam-se pela transparência, sobrepõem-se uns aos outros. Por vezes o artista parece brincar com o nosso olhar, perdendo-o nas sobreposições de corpos incapazes de se confrontarem. As cores permitem-nos discernir os corpos sobrepostos. Mas nas gravuras a preto e branco, os contornos dissipam-se, como nas gravuras acima. Os corpos desaparecem e depois formam uma criatura híbrida, como uma quimera.
As Quimeras eram uma espécie de monstros imaginários compostos por várias partes de animais, muitas vezes exibidos em vitrines de curiosidades no século XVII.

Estes seres participaram na fantasia de um imaginário e improvável noutros lugares. Camille inspirou-se neste mundo imaginário monstruoso para brincar com as formas, para olhar o animal como um tema, a trama de um ritmo. Nesta luta ou duelo, em vez de colidirem, os animais misturam-se. O duelo torna-se um dueto, quase uma dança. Um jogo de cores e ritmos. Forma híbrida e fantasiosa. Esta sobreposição violenta de corpos abre-se finalmente para a beleza de um encontro colorido.

Camille Pozzo di Borgo

Gravura, ponto seco em acrílico impresso em papel, 140 x 120 cm 2018

Camille Pozzo di Borgo

Gravura (pormenor), ponto seco em acrílico impresso em papel em três passagens, 120 x 140 cm, 2019

Camille Pozzo di Borgo

Gravura, ponto seco em acrílico, 135 x 115 cm, 2016

Camille Pozzo di Borgo

Pormenor, gravura, ponto seco em acrílico impresso em três passagens em papel,135 x 115 cm, julho, setembro 2017

Camille Pozzo di Borgo

Gravura, ponto seco em acrílico impresso em papel em três passagens, 60 x 60 cm, 2018

 

O artigo original Camille Pozzo di Borgo La griffe de l’artiste foi publicado @ BOUMBANG
The original article Camille Pozzo di Borgo La griffe de l’artiste appeared first @ BOUMBANG

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos

Talvez seja do seu interesse: Multi-Layered Oil Paintings by Jacob Brostrup Blur Natural and Built Environments


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos