Béla Bartók The Wooden Prince

Béla Bartók | The Wooden Prince

24 de março, 2020 Off Por Artes & contextos
Modo Noturno

Béla Bartók

 

O compositor húngaro Béla Bartok (1881-1945), conhecido pela sua catalogação e colecção de música tradicional húngara, deu um contributo substancial para o mundo da música para piano, grande parte da qual se baseou na música tradicional que adquiriu ou ouviu em seu redor.

The Wooden Prince  (O Príncipe de Pau, em Portugal) é uma peça que contém muitos elementos da música folclórica húngara, tecidos na perfeição nas texturas da música.

É a história intemporal de um príncipe que se apaixona espontaneamente por uma princesa namoradeira. O Príncipe tenta com cada pedaço do seu ser conquistar o coração da Princesa, mas é constantemente perturbado pela magia de uma fada intrometida. O Príncipe, decido a atrair a Princesa, elabora um plano que julga brilhante e que o leva a fazer uma imagem de madeira de si próprio, que erguerá bem alto para que a Princesa no castelo o possa ver.

É aqui que os problemas começam já que a Princesa apaixona-se por este príncipe de madeira, não pelo verdadeiro. Por fim, o amor prevalece e, já com o príncipe resignado a uma vida de solidão, a princesa percebe que aquele pelo qual se apaixonou é falso. O casal volta a encontrar-se e apaixona-se novamente para viver feliz para sempre.

O bailado é dividido em sete etapas de dança como se segue:

 

1. Dance of the Princess

 

2. Dance of The Trees

 

3. Dance of The Waves

 

4. Dance of the Princess with the Wooden Doll

 

5. Dance of the collapsing Wooden Doll

 

6. The Princess and The Prince, a seductive dance

 

7. The Princess and Prince finally are united and nature returns to a balanced state

 

Cada uma destas danças é única e incrivelmente diversificada estilisticamente, como as personagens do Príncipe e da Princesa, que são folclóricas, enquanto que a “natureza” é distintamente impressionista com mais do que uma pitada de Debussy.  Elas formam uma estrutura que Bartók optou por empregar em muitas outras composições posteriores, a de forma de arco. Esta estrutura assemelha-se muito à da história.No início do arco, a chave do C maior domina com um Fá sustenido que matiza a abertura com a incerteza.

Das três danças que levam ao centro do arco, a ‘Dança das Árvores’ é para mim a mais convincente do conjunto. Bartók dá vida à imagem com escalas difíceis, tremolos e frios, perturbados que reproduzem o som do vento e dos pássaros. A Dança das Ondas traz os três saxofones para o primeiro plano da partitura que parece transmitir um gosto de jazz que se infiltraria nas obras de tantos compositores do século XX.

A Dança de The Wooden Prince  é o centro da estrutura e como tal ocupa o maior tempo de execução. Bartók cria um grande drama nesta parte com uma orquestração inteligente que se move gradualmente para uma sensação de abandono e perda. Uma dança sedutora da Princesa desloca o bailado de regresso ao final do arco e o retorno da abertura em C Maior restaurando a tranquilidade da natureza através do amor do casal.

Ao ouvir todo o trabalho, preste atenção ao momento em que, no final, o casal está finalmente junto. Aqui está um exemplo glorioso do uso que Bartók faz da música folclórica húngara. Neste caso, temos uma intitulada “Fly, Peacock” que Bartók também integrou inteligentemente no seu Primeiro Quarteto de Cordas (1909).

 

 

Bartók compôs este trabalho durante um dos muitos momentos conturbados que viveu por toda a sua vida. Por difícil que possa parecer em 2020, a música de Bartók não foi prontamente aceite em vida e ele enfrentou sucessivas desilusões e contratempos às suas ambições como compositor. Foi quase ao ponto de se suicidar, na época da composição de The Wooden Prince . Isto, por si só, está em forte justaposição com o conteúdo e estilo do bailado, embora muitos críticos considerem que há um forte grau de simbolismo na peça. Isso refere-se em particular à idéia do Príncipe como um símbolo para o artista criativo que luta para trabalhar e sobreviver entre a tragédia e a mágoa; despejando tudo o que representa na sua obra. Esta é uma imagem poderosa para Bartók noutras obras que destacam a sua atenção em personagens solitárias que parecem estar numa busca interminável pelo amor.

1914 foi o ano em que Bartok decidiu compor a pantomima/ballet. O escritor Béla Balázs incentivou um Bartók deprimido a considerar a composição de uma pantomima musical e mesmo apesar da obra ter sido intermitente, Bartók sentiu-se estimulado pela perspectiva de uma performance da sua obra. O compositor precisou de dois anos difíceis para completar o bailado. Como nota, foi Béla Balázs quem mais tarde produziu o texto da ópera obscura Bluebeard’s Castle de Bartók.

 

 

Bartók não poupa esforços na partitura para The Wooden Prince. A orquestração é generosa, incluindo uma variedade cintilante de percussão, três saxofones, quatro clarinetes Eb piccolo e Bb Bass, quatro trompas francesas e quatro trompetes, duas harpas, quatro flautas mais dois flautins, quatro oboés e dois corne inglês, duas cornetas e três trombones, uma tuba, para além de uma enorme secção de cordas. Desta extensa gama de instrumentos, é fácil entender porque Bartók descreveu a peça como um “poema sinfónico para a dança”.

Não há dúvida de que a influência de Stravinsky é sentida neste bailado, e muitos consideram O The Wooden Prince como um equivalente a O Rito da Primavera pela sua engenhosidade e orquestração. O Petroushka de Stravinsky (1911), também é provável que tenha tido um efeito profundo no jovem Bartók, principalmente sendo que este trabalho é justamente sobre uma marioneta.

 

 

The Wooden Prince  estreou em Maio de 1917, na Ópera de Budapeste. Os relatos indicariam que a recepção da obra foi favorável, mas por razões talvez relacionadas com a orquestração expansiva, o bailado nunca alcançou grande popularidade. É uma pena se considerarmos a mestria com que a peça foi composta e o puro prazer de a ver encenada. A incursão seguinte de Bartók no mundo do ballet foi em 1926 com The Miraculous Mandarin.

 

Ao contrário do The Wooden Prince, este bailado granjeou aprovação muito mais rapidamente e ainda hoje consegue excelentes desempenhos.

O artigo original Béla Bartók | The Wooden Prince, foi publicado @ Classical Music.com BBC
The original article Béla Bartók | The Wooden Prince, appeared first @ Classical Music.com BBC

Este artigo foi traduzido do original em inglês por Redação Artes & contextos

Talvez seja do seu interesse: 15 of the Best Clarinet Concerti

Artes & contextos
Jaime Roriz Advogados Banner