A&c é tão bom estar em casa - Cultura em tempos de Recolhimento

Cultura em casa #1

1 de janeiro, 2020 Off Por Laura Carvalho Torres

Cultura em tempo de confinamento: o que ver, ouvir e experienciar do mundo exterior, em casa.

 

A cultura é um fator agregador, comunitário, espiritual, e age como tal, mesmo em tempos de crise, como a atual em que, para nos pouparmos e pouparmos os outros, nos obriga a um confinamento doméstico.

Lamentamos pelos infetados e desejamos com toda a força a sua recuperação, lamentamos profundamente pelas famílias e amigos dos que não venceram, mas temos que continuar.

Em casa!

Mas isso não tem que ser mau, pois não? Afinal, estamos nas nossas casas, no nosso ambiente.

O mundo da arte também não para de rodar, não podemos permitir e apesar dos tempos conturbados, continuamos a poder aceder a este mundo, viajar nele e dele usufruir.

O Artes & contextos não quer deixar de relembrar que podem contar connosco, com vários artigos por semana, uma newsletter ao sábado e agora com um novo projeto – Podcast Artes & contextos –  sempre de forma gratuita e com acessibilidade ilimitada.

Ora, ao longo de um mês de isolamento, houve tempo para me deixar enredar numa boa série, uma maratona de filmes e ouvir álbuns bem fresquinhos. São pequenos luxos, os quais desvalorizamos num período perfeitamente normal das nossas vidas, e que agora são time fillers para combater o tempo “a mais” que temos em mãos.

Começando por falar em séries, nunca é demais mencionar a RTP Play, uma plataforma de streaming 100% portuguesa, na qual se pode visionar séries e filmes que estão ou já passaram, na grelha dos dois canais da estação, basta procurar.

Desta forma, tive a oportunidade de ver duas maravilhosas minisséries: A Guerra no Charité (Charité at War) e Motorista Para Todo o Serviço (The Driver), produções alemã e inglesa, respetivamente. Com episódios, em média, de 40 a 50 minutos, valem muito a pena! Bem realizadas, com elencos interessantes e histórias cativantes, que apesar de tão poucos episódios – ou então não seriam minisséries – têm um enredo que nos faz colar ao ecrã. Enquanto que a produção alemã é um típico romance em tempos de guerra (a Segunda Guerra Mundial), e a britânica nos conta a história de um taxista que aceita ser motorista privado de um gangue, para além do próprio interesse, em si, tanto os guiões quanto a fotografia  devem ser realçados em ambas as séries.

Ainda por falar em séries, o AXN está a transmitir a sexta temporada de uma das séries da minha vida: The Blacklist. Amplamente conhecida pela crítica, com o maravilhoso James Spader no papel principal, tem um mote que não se distancia em muito de uma típica série policial, mas é a história base e notável prestação dos seus atores que faz desta série uma produção tão aliciante.

No mesmo canal, podem aproveitar a recente estreia em televisão da série “Outlander”, a ser transmitida desde a primeira temporada, querendo ainda destacar For Life e The Reckoning.

Na Fox Crime, está a passar a belíssima série policial galesa, produzida pela BBC One, Hinterland e, ao fim da tarde o clássico Crime Disse Ela, em Loop.

No canal de comédia da Fox (Fox Comedy) não faltam séries, com disparate para todos os gostos.

A Medeia Filmes, através do seu website (medeiafilmes.com), partilhou uma novidade bastante interessante com a imprensa, a Quarentena Cinéfila, que foi assim anunciada a 16 de março:

“A partir desta terça-feira, pode desfrutar dos prazeres da cinefilia de forma GRATUITA no nosso website oficial: iremos disponibilizar três filmes por semana, todas as terças, quintas e sábados. Cada filme fica disponível no site da Medeia Filmes das 12h às 24h do dia seguinte.”

O link de acesso a cada filme disponibilizado, será partilhado nas páginas de Facebook e Instagram da Medeia Filmes. Assim, de 7 a 11 de Abril, os filmes disponíveis serão:

Trilogia das Cores, de Krzysztof Kieslowski

4 de Abril — VERMELHO, Krzysztof Kieslowski (1994) *** Ainda disponível ***

Cinema francês contemporâneo

7 de Abril — FRANTZ, François Ozon (2016)

9 de Abril — TEMPOS DE VERÃO, Olivier Assayas (2008)

11 de Abril — AS CANÇÕES DE AMOR, Christophe Honoré (2007)

(Sigam os canais de comunicação da Medeia para a a programação das semanas seguintes)

Na RTP Play , da grelha da RTP2,  poderão ainda assistir a “Integral das Sinfonias de Beethoven” e “Leonardo da Vinci: A Origem do Génio”, nos dias 29 e 31, respetivamente.

Não esquecer que vários museus nacionais, e internacionais, estão a disponibilizar visitas guiadas virtuais, como por exemplo, o Museu Nacional de Arte Antiga, onde podem, desde já ver duas visitas, uma que trata a Fonte Bicéfala, e outra que se debruça sobre a Adoração dos Magnos, de Gregório Lopes e Jorge Leal.

Música nova, excelentes álbuns, que se traduzem em autênticas experiências sensoriais, é o que não falta. Gostaria de destacar dois álbuns que saíram na segunda quinzena de Março: “Future Nostalgia” da Dua Lipa, e “Calm” dos 5 Seconds of Summer. Voltando ao mês de Fevereiro, o novo álbum dos Tame Impala – “The Slow Rush”, e, logo em Janeiro, o álbum póstumo de Mac Miller. Para ouvir, experienciar e repetir.

Mesmo chez moi, é possível trazer um pouco do mundo lá de fora, cá para dentro. E deixem que a cultura entre, por favor.

 

 

 

Laura Carvalho Torres
Segue-me
Últimos artigos de Laura Carvalho Torres (exibir todos)
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Open Call Artes & contextos