Marlon Wobst

Marlon Wobst – As Indolências Coloridas

17 de dezembro, 2019 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Marlon Wobst

Nascido em 1980 em Wiesbaden, Alemanha, Marlon Wobst vive e trabalha em Berlim. Expõe regularmente no Brasil, Dinamarca e Alemanha, e em 2015 é apresentado pela primeira vez em França pela galeria Maria Lund, que tem vindo a defender o seu trabalho desde os primeiros termpos. Corpos nus, bonecos de feltro e materiais semelhantes a carne: retrato de um sonhador de cenas enevoadas.

Marlon Wobst, Mann, K51103

Marlon Wobst, Mann, 188 x 84 cm, feltro de lãe, 2019. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Os seus trabalhos giram em torno de três meios-chave: pintura, cerâmica, feltro. Cada prática, no entanto, reflete seu próprio estilo, que é muito reconhecível de um suporte para outro. A assinatura de Wobst está sobretudo nos habitantes destas regiões indefinidas: a tribo de pessoas sem rosto com membros retos e cores distintas.

Mas estes pequenos bonecos com corpos moles parecem prontos a evaporar-se ao menor piscar de olhos. Uma certa ternura emana dessa fragilidade, dessas bonecas de trapo cujos atributos são reduzidos ao extremo.

Gráficos e, no entanto, confusos, não aparentam realmente mais do que figuras de papel sem órgãos vitais. Nenhum detalhe supérfluo quebra a impessoalidade dos corpos.

A única individualidade é finalmente expressa no facto de ser, na existência de um acto, seja qual for a sua natureza e intenção. “Faço-o portanto sou”. Se não há referência à história da arte, o interesse pelo corpo e pelo desporto é evidente.

Os narcisos modernos que observamos são sonhadores, atores e fazedores com membros esbeltos. Mas a sua cultura corporal é antes de mais nada baseada na lascívia hedonista, como se não soubessem o que mais poderiam fazer.

Girls (devant - front), 27 x 27 x 7 cm, faïence et glaçure, 2017. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Girls (frente), 27 x 27 x 7 cm, louça e esmalte, 2017. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

Sabbat, K51077, 83 x 98 cm, feutre de laine, 2018. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Sabbat, 83 x 98 cm, feltro de lã, 2018. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

Mare Mosso (Mer agitée), K51102, 154 x 225 cm, feutre de laine, 2018. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Mare Mosso (Mar agitado), K51102, 154 x 225 cm, feltro de lã, 2018. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

Die Flucht (L’Echappée-The Escape), K51075, 110 x 148 cm, feutre de laine, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris

Die Flucht (L’Echappée – O Escape), K51075, 110 x 148 cm, feltro de lã, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris

 

Der Traum des Chirurgen (Le rêve du chirurgien), 90 x 130 cm, huile sur toile, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Der Traum des Chirurgen (O Sonho do Cirurgião), 90 x 130 cm, óleo sobre tela, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

 FünfPaare (Cinq couples –Five couples), K51089, 70 x 60 cm, huile sur toile, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

FünfPaare (Cinq couples – Cinco casais), K51089, 70 x 60 cm, óleo sobre tela, 2019. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

 Stuntshom im Fre Frein, huile sur papier, 30 x 42 cm, 2019. Courtesy Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

Stuntshow im Freien (Espetáculo de Duplos ao Ar Livre), óleo sobre papel, 30 x 42 cm, 2019. Cortesia Marlon Wobst & Galerie Maria Lund, Paris.

 

A vulnerabilidade dos organismos é particularmente sensível nos óleos sobre tela. Personagens ingénuas e pálidas, as cabeças carecas de Wobst adotam gestos simples em situações de grande banalidade. Entre eles, muitos surfistas, nadadores, mergulhadores, banhistas, ficam parecem ficar maravilhados, ociosos, nas águas calmas, pastel onde se dissolvem. Também nós os vemos a brincar, a beijar, a caminhar, a dormir, por vezes até a fazer o seu trabalho, sem saberem realmente o que estão a fazer. Este amarra os atacadores, o outro faz musculação em frente ao espelho. Uma situação embaraçosa? Divertido? Os bonecos, muitas vezes nus ou em roupa interior, parecem ficar presos em posições ricas em ambiguidades. O toque suave e a simplicidade das características sublinham a vacuidade dos gestos praticados. Neste espaço vazio e inútil, tem-se a impressão de que os esboços minimalistas e pouco detalhados são pensamentos rapidamente lançados sobre a tela antes de desaparecerem.

Wobst mostra um apetite claro pelas cores da pele. É como se a pintura em si fosse exposta. A famosa frase de De Kooning é mais do que bem-vinda aqui: “A carne foi a razão para inventar a pintura a óleo”. Os tons creme, carne, vermelho pálido, rosa, branco ou amarelo são por vezes ligeiramente realçados por tons azuis-acinzentados ou verdes nas zonas sombreadas. E pintura para afirmar a sua autonomia. Porque os pântanos pigmentados de Wobst continuam a chamar-nos. O olho mergulha na tela como os corpos representados, derretendo-se como açúcar. As linhas são porosas, as formas dissolvidas. Aparência e desaparecimento de corpos nas pinceladas ásperas e nebulosas.

Sem perspectiva, as composições, muitas vezes em cores sólidas, são arranjadas com uma ingenuidade próxima da abstracção. Se pensarmos em encáustica, estas figuras geométricas ainda estão muito vivas. As cerâmicas, com a sua trivialidade kitschy e muitas vezes lasciva, testemunham-no. Com este medium, Wobst desenvolve uma imagem louca e terrena, recheada de humor e poesia.

Mas o material verdadeiramente espantoso usado por Wobst é o feltro de lã. Feito de uma camada de pelos prensados e friccionados, o feltro não é um tecido, mas um entrelaçamento de fibras mais ou menos grosseiro. Felpudas, macias ou ásperas, as peças de feltro parecem ter-se tornado o recreio até do que está representado… Com arestas irregulares e uma dimensão algo animal, são véus de cor onde é bom afogar-se.

 

O artigo original Marlon Wobst – Les lassitudes colorées foi publicado @ BOUMBANG
The original article Marlon Wobst – Les lassitudes colorées appeared first @ BOUMBANG

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos

Talvez seja do seu interesse: Émeric Chantier na Origem : da natureza e das pessoas


Artes & contextos
Open Call Artes & contextos