marie boralevi FI

Marie Boralevi – Persona Non Grata

24 de dezembro, 2019 0 Por Artes & contextos
Modo Noturno

Nascida em 1986, Marie Boralevi é uma artista francesa formada nas escolas Duperré e Estienne.

Designer e gravadora, tem um traço tão rock’n’roll quanto delicado, definido por uma escala puramente a preto e branco. O seus trabalhos já foram mostrados em várias feiras (DDESSIN em Paris, Lyon Art Paper, Art on Paper em Bruxelas…) e instituições (Fondation Taylor em Paris, Musée Jean Cocteau em Menton, Musée des Beaux-Arts em Liège…).

Artista de temperamento, talvez um pouco licantrópica, Marie Boralevi povoa os seus desenhos com seres imaginários, resultantes da sua comédia meio-humana, meio-animal. Vários trabalhos exibem uma mascarada de bestas misteriosas e burlescas, apreciadoras de jogos e de mitos. Na sua última série, ela inclina-se mais para o retrato realista da figura humana, sem contudo se livrar das máscaras e do sonho, palpáveis nestas figuras de nubentes desgrenhadas.

Significativamente intitulado Persona non grata, este conjunto de desenhos convida-nos a conhecer alguns andróginos velhacos criados a partir do zero.

marie boralevi

Don’t tell your poppa, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 100 x 140 cm © marie boralevi

Marie Boralevi - Persona Non Grata Artes & contextos marie boralevi 01 1 980x1121 1 scaled

God knows I’m good, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 100 x 120 cm © marie boralevi

 

Desenhar a carne sem a ajuda da cor: este é o desafio lançado pelo desenho de Marie Boralevi. O trabalho com fotografias da pele e do rosto permite uma precisão de representação bastante realista. Estas personagens têm a aparência andrógina e fria dos modelos de moda: podemos perceber isso no seu olhar fixo, algo vazio e na sua atitude fleumática.

O corpo centrado na composição, em três quartos e o enquadramento, frequentemente no busto, cabeça ou meia figura, acentuam o aspecto fotogénico da linha. Compete agora aos sujeitos afirmarem a sua personalidade num espaço vazio e imaculado!

Se tudo é preto e branco, o ambiente é, pelo contrário, cheio de sabores na interação entre os materiais: penas, tatuagens, piercings, palha, correntes e orelhas de coelho vestem esses jovens patifes. As suas sardas são acentuadas, como que para sublinhar o borbulhar do adolescente em plena mutação, a pele inflamada pelo sol e os doces. A não ser que seja para mostrar que eles pertencem à mesma tribo? Como uma marca de clã, estas manchas fazem parte de uma ideia geral de cobertura, uma espécie de resíduo genético do pêlo de um animal.

Marie Boralevi não hesita em citar o Frankenstein de Mary Shelley para explicar as origens desta série. Este livro, que já a tinha marcado na juventude, dá uma parte das instruções: criar algo que pareça verdadeiro enquanto é falso. Cada personagem vem de múltiplas partes do corpo, femininas ou masculinas: um lóbulo da orelha, um lábio superior, uma asa do nariz formará uma criatura perfeitamente imperfeita cuja presença será então multiplicada por dez.

marie boralevi

School’s out, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 100 x 117 cm © marie boralevi

Após a montagem vem a impressão a laser, depois a transferência para acetona da fotomontagem em papel japonês. Esta transferência química, resultante da formação da artista com a gravura, faz a imagem transpirar como a pele brilhante destes jovens. O lápis de grafite esculpe então o todo para dar os valores de luz e traçar os pêlos, um a um.

A partir das suas frequentes viagens aos Estados Unidos, Marie Boralevi trouxe a descoberta da arte lowbrow, o que a levou a interessar-se pelo mau gosto dos seus rapazes brancos atrevidos.

Entre o show das aberrações e o lado vermelho das coisas, a cultura lúdica da banda desenhada norte americana está em casa. O No Future é a bandeira que eles carregam como bons soldados punk, fãs do famoso hit dos Sex Pistols.

marie boralevi

Youth, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 80 x 85 cm © marie boralevi

Podemos perfeitamente imaginá-los a abrir uma fábrica abandonada com um pé-de-cabra a fim de planear a sua próxima jogada contra os seus companheiros do gangue adversário. Sem violência, no entanto. As tatuagens destes patifes são demasiado ostensivas, o seu aspecto demasiado desajeitado debaixo dos seus grandes capuzes para que realmente nos intimidem. “Doctor called me”, “Life is confusing”, “Like father like son”, “Life is great without it you’d be dead”. As frases com que eles andam marcados têm algo que te faz sorrir. Da mesma forma, o seu corte de cabelo de menino mau, choca com o seu peito jovem e os seus dentes de felicidade.

É que estes pubescentes estão com bom aspecto! Os ternos bandidos olham por baixo das sobrancelhas, aquele olhar de animal da floresta que abre a boca à mais leve intrusão suspeita. Adoptam uma postura hierática e silenciosa que oferece a curva do pescoço à menor predação. As suas peles não são peles de tristeza, mas sim fantasias de salão de baile para um sábado de delicados hipsters. Então? Gémeos falsos ou mestiços? Fãs da Disney ou do Grease? As crianças perdidas de Marie Boralevi revelam a sua matilha, humana e animal, tenra e selvagem.

marie boralevi

Mouse, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 100 x 140 cm © marie boralevi

marie boralevi

Kid of tomorrow, Persona non grata, 2019, Diversos meios e pó de grafite em papel, 70 x 100 cm © marie boralevi


O artigo original Marie Boralevi No future foi publicado @ BOUMBANG
The original article Marie Boralevi No future appeared first @ BOUMBANG

Este artigo foi traduzido do original em francês por Redação Artes & contextos


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)
Open Call Artes & contextos