Ovidio amores y mitos

Ovídio: amores e mitos

4 de janeiro, 2019 0 Por Artes & contextos

Ovídio: amores e mitos

Os Estábulos do Quirinal (Roma) encerraram as celebrações do Bimilenário de Ovidiano com uma exposição dedicada à obra deste poeta e às suas infinitas fontes de inspiração. Dividido em três temas fundamentais, o amor, o seu desacordo com Augusto e o mito, ilustrado com 250 obras de diferentes géneros e cronologia. Até 20 de janeiro (2020).

“Já fiz uma obra que nem a ira de Júpiter, nem o fogo, nem o ferro, nem o tempo devorador poderão apagar … e  o meu nome permanecerá indelével.  E onde quer que o poder romano se estenda nas terras dominadas, as  pessoas ler-me-ão, e por todos os séculos,  graças à fama, se houver alguma verdade nas profecias dos poetas, eu viverei … ”(Ovídio).

Concluindo as celebrações realizadas no Bimilenário de Ovidiano, os Estábulos do Quirinal acolhem a  exposição  Ovidio. Amores, Mitos e Outras Histórias,  com curadoria da Professora  Francesca Ghedini, dedicado à obra do grande poeta latino e às suas infinitas fontes de inspiração em representações figurativas relativamente antigas e modernas. Ovidio combinou espontaneidade e simplicidade com um estilo cuidadoso nas suas composições, dividido em três categorias:  erótico, mitológico e poemas do exílio.

Ovídio: amores e mitos Artes & contextos 2 leda e il cigno

Leda e o Cisne,  fresco, 60-79 dC, de Herculano, Nápoles, Museu Nacional de Arqueologia.

 

Assim, um dia  entre os anos 17 e 18 dC, morreu  um dos maiores protagonistas da latinidade , na mais completa solidão e esquecido por todos:  Publius Ovidio Nasón, um  elegante intérprete da mitologia grega e romana. O que se sabe é que o poeta  nasceu em Sulmona (L’Aquila) em 43 aC  e que viveu em Roma entre aristocratas e intelectuais, até ao  ano 8 da nossa era,  por um motivo cujo conteúdo ainda é desconhecido. um severo édito condenou-o a um  rebaixamento  definitivo numa localidade quase desconhecida,  Tomis, em Pont Euxino localizado nos limites do mundo conhecido até então. Passaram-se dois mil anos e Ovídio ficou entre nós … A sua influência inclui não só imagens mas também expressões actuais como: “Não posso viver contigo nem sem ti”, “no amor vence quem foge” ou o termo “narcisismo”, para seu  Narciso de sucesso  .

Ressalte-se que entre as grandes figuras latinas, Ovídio destaca-se principalmente pela amplitude da sua produção literária (variada em argumentos e capaz de deixar na memória coletiva a complexidade do universo de deuses, heróis, jovens e ninfas) interpretando e criando personagens às vezes inesquecíveis como o  hermafrodita de dupla natureza,  o ambíguo Narciso, o  orgulhoso Niobis  e o  impetuoso Feton,  entre outros. E não podia faltar  “Leda e o Cisne”,  cujo  fresco  de altíssima qualidade foi  encontrado no quarto de uma mansão na Via del Vesúvio, em Pompéia.  A última maravilha descoberta no sítio arqueológico.

 

Ovídio: amores e mitos Artes & contextos 1 venere callipigia

Venus “Callipigia”, estatua de mediados del siglo II d.C., mármol blanco, Nápoles, Museo Nacional Arqueológico.

 

A sua proficiente obra poética abre inúmeras perspectivas, como o  conhecimento da Roma do seu tempo:  as rotas, o lazer, o centro do poder personificado por um  príncipe –  pronto e sem preconceitos, que conseguiu transformar uma constituição republicana num regime monocráticp -, que  previu o futuro da sua cidade  e do seu povo a partir do rigor moral e de uma organização estatal com aparente retorno à  grande tradição republicana.

Frequentando os intelectuais “rebeldes”, o vate defendia os  prazeres do amor  e  almejava um império de estilo oriental,  aderindo ao projeto de  Marco António,  rival de  Augusto.  Outra inovação ovidiana foi o que ele introduziu na poesia,  estreando  novas formas literárias: como o  género epistolar  dedicado a heroínas traídas ou a aplicação de didáticos princípios  na arte de amar,  oferecendo um autêntico manual (lugares para encontros, truques, enganos , e estratagemas para seduzir, conquistar ou abandonar a pessoa desejada). Mesmo a partir do seu exílio em Tomis, ele soube criar novas fórmulas narrativas antecipando o seu romance autobiográfico,  que fez tanto sucesso nos tempos modernos.

 

Ovídio

Venus púdica, por Sandro Botticelli, c/ 1485-90, témpera e óleo sobre tábua transferido para tela.

 

A sua importância residetambém no facto de nos ter ajudado a  compreender a cultura figurativa da sua época.  Da Idade Média ao Renascimento, a fama do poeta foi crescendo à medida que os poderosos descobriam o valor significativo dos clássicos, decorando as suas casas com imagens inspiradas naquele universo inspirado do grande poeta.

Três temas fundamentais se encontram concentrados na exposição romana: o  amor, o contraste com Augusto e o mito, ilustrado com  250 obras de diferentes géneros e cronologia.  Trata-se de um entrelaçamento entre poesia e arte, ou seja, entre imagens e palavras, que extrai da rede de conexões as influências recíprocas entre as várias linguagens. Para isso, utiliza uma série de peças emprestadas por cerca de 80 museus italianos e internacionais, que criam uma galeria com obras-primas de prestigiosos acervos públicos, como o Louvre, a Galeria Nacional, o Uffizi, o Muse Arqueológico de Nápoles à Biblioteca Gotha Na Alemanha, a Eretria na Grécia ou a Biblioteca Real Dinamarquesa em Copenhaga.

 

Ovídio: amores e mitos Artes & contextos 4. amore e psiche

Amor y Psique, 60-79 d.C., fresco de Pompeya, Nápoles, Museu Arqueológico Nacional.

 

Essas obras reforçam a narrativa  da vida do poeta  e a sua  difícil relação com o imperador Augusto,  que, como comentamos antes, condenou o poeta supremo à pena de um  exílio cruel nas margens do Mar Negro,  onde morreu implorando perdão. que nunca obteve.

Ao longo do percurso expositivo, cruzam-se entre séculos  frescos de Pompeia,  esculturas da época imperial,  trinta textos antigos, a  Vénus púdica  de  Botticelli  e recriações das histórias de Ovidio porartistas do século XV ao XVIII, como Ludovico Carracci  (Queda de Feton),  Tintoretto  (Estupro da Europa) Ticiano  (O nascimento de Adônis) Ribera  (Vênus cobre o corpo de Adônis),  Poussin  (Triunfo de Ovídio),  Batoni  (Baco e Ariadne)  até uma incursão excepcional na arte contemporânea com uma  instalação de néon de Joseph Kosuth  – que dá as boas-vindas ao visitante – inspirado nos textos ovidianos.

 

Ovídio: amores e mitos Artes & contextos 1 venere callipigia

A Vénus “Callipigia”,  meados do século 2 DC, estátua de mármore branco, Nápoles, Museu Nacional de Arqueologia.

 

De facto, percorrendo os esplêndidos quartos – criados para a sua função expositiva – o espectador deslumbra-se com os temas centrais da sua poesia: desde o olhar fixo no universo feminino com os meios mais sedutores em oposição à severidade mitológica com as suas figuras sensuais que dão vida aos  versos deAs Metamorfoses  (que descreve  250 mitos clássicos  ligados pelo  tema da transformação).  As divindades do Panteão – Vénus, Apolo, Diana e Júpiter – tornam-se no mundo Ovidiano vítimas de amor tão veementes quanto ilegítimas ou criadoras de vingança cruel ou punições atrozes, como pode ser visto na trágica história de  Niobe, filha de Tântalo, obrigada a testemunhar a morte dos filhos, representada por esculturas recentemente descobertas.

 

Ovídio: amores e mitos Artes & contextos 6. kosuth Maxima Proposito

Maxima Proposito,  de Joseph Kosuth, 2017, neón colorido, Pescara, Coleção Donatelli.

 

O objetivo das celebrações deste aniversário foi suscitar emoção e dar a conhecer o poeta em todas as suas dimensões, que com os seus  versos fundou a cultura figurativa da Europa,  e festejar o seu regresso, já vitorioso, a Roma.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos

 

O artigo Ovidio: amores y mitos, foi publicado @DescubrirElArte
The post Ovidio: amores y mitos, appeared first @DescubrirElArte


Artes & contextos
Últimos artigos de Artes & contextos (exibir todos)