Ao Vivo e em Directo - no Teatro Aberto Artes & contextos Rui Mendes Paulo Pires

Ao Vivo e em Directo – no Teatro Aberto
0 (0)

18 de abril, 2016 0 Por Rui Freitas
  • 2Minutos de leitura
  • 520Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 6 anos - o que é muito em "Tempo Internet". Pode estar desatualizado e pode ter incongruências estéticas.

Verdade, mentira ou consequência?

O que vale a confissão de uma série de crimes, entre os quais um homicídio, feita 23 anos depois, ou seja com os crimes prescritos perante a justiça?

“A verdade não tem prazo” diz a personagem de Maria Emília Correia, que como todos os outros não tem nome. São a Senhora, o Senhor Diretor, o Senhor Doutor, (o político, conhecido como “o Intangível”), a filha, o senhor Doutor (ao telefone), o Jornalista, os repórteres, a secretária atiradiça e o senhor Inspetor…, num país qualquer civilizado imaginado, nos nossos dias – que até poderia ser o nosso.

Um ex-ministro resolve confessar-se coautor e denunciar os restantes, de uma série de crimes – desde o desvio de dinheiros públicos, suborno, falsificação, até ao assassinato mandado de um jornalista, – cometidos há muitos anos, por ele e por uma série de outras pessoas, que por falta de provas foram absolvidos em tribunal.Ao Vivo e em Directo1

O protagonista (Rui Mendes) portador dos documentos de prova, dos quais e segundo ele próprio apenas ele um amigo já falecido, têm conhecimento, tomou esta decisão após longa reflexão, diz, e porque “o homem que sou se quer ver livre do homem que fui”. Decide fazê-lo, mas de uma forma dramática, diante das câmaras de televisão em direto, para o que contacta o diretor de um canal (Paulo Pires) a quem resume o que pretende confessar, mas ao qual pede promessa de sigilo. Mas o sigilo rapidamente foi comprometido. A verdade, é que “a Verdade” só tem prazo para a justiça, porque um segredo desta extensão revelado ao fim de muitos anos pode, ainda assim, provocar temíveis e temidas ondas de choque. A manipulação, os jogos de interesses, a importância dos media no nosso “conhecimento” da realidade e as diversas instâncias da verdade, são jogadas com imensa destreza por Raul Malaquias Marques no texto que deu à peça o Grande Prémio do Teatro Português em 2014. Com excelentes interpretações, Ao Vivo e em Directo, corre para o inesperado – que acontece ao vivo e em direto – e continua a adensar-se em jogos furtivos e ocultos de poder e manipulação. A peça tem excelentes dramaturgia e encenação, entregues a Fernando Heitor, num palco de uma fantástica elasticidade em que as cenas mudam de ambiente como numa sucessão de quadros ou de páginas a um ritmo vivo.

Considera, por favor fazer um donativo ao nosso site.
Ajuda-nos a não depender da publicidade para continuarmos a partilhar Arte mantendo o Artes & contextos livre.
Podes também ajudar-nos ao subscreveres a nossa Newsletter e acompanhando-nos no Facebook, no Twitter e no Instagram

No fim, só há uma verdade. Só?…

Um final cuidadosamente abrupto obriga-nos a encerrarmos nós próprios a história com um fim que afinal está lá, … ou não está?

 

De Raúl Malaquias Marques

Encenação e Dramaturgia de Fernando Heitor
 Cenário de Eurico Lopes
 Figurinos de Dino Alves
 Desenho de Luz e Vídeo de José Álvaro Correia
 com: Maria Emília Correia, Rui Mendes, Paulo Pires, Ana Lopes, Dina Félix da Costa, Emanuel Rodrigues, Francisco Pestana, Tiago Costa, Vítor de Andrade

 

Como classificas este artigo?

Jornalista, Diretor. Licenciado em Estudos Artísticos. Escreve poesia e conto, pinta com quase tudo e divaga sobre as artes. É um diletante irrecuperável.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos