As Nuvens de Sils Maria

As Nuvens de Sils Maria
0 (0)

30 de junho, 2015 0 Por Rui Freitas
  • 2Minutos de leitura
  • 521Palavras
Também o tempo torna tudo relativo

Este artigo foi inicialmente publicado há mais de 7 anos - o que é muito em "Tempo Internet". Pode estar desatualizado e pode ter incongruências estéticas.

O realizador francês Olivier Assayas, traz-nos um filme sobre mulheres, sobre a Mulher em geral e sobre as atrizes em particular. É um filme reflexivo e interior que aborda a vida e sobretudo o envelhecimento em jogos mentais profundos. Um enredo em que os palcos se confundem, onde a mulher, a atriz e as suas personagens se relacionam, se confrontam e se magoam. Onde e quando um papel pode representar mais do que isso, ou quando a personagem, como um doubleganger malicioso tenta subjugar a atriz.As Nuvens de Sils Maria FI

A atriz é Maria Enders (Juliette Binoche) que aos dezoito anos teve um grande sucesso representando Sigrid na peça Cobra de Maloja. Nesta peça dramática, Sigrid é uma jovem ambiciosa, atraente e manipuladora que se envolve emocionalmente com a personagem principal, Helena, uma mulher mais velha e madura, que ao ver-se depois abandonada se suicida. Hoje, vinte anos mais tarde e no auge da carreira, um encenador alemão (Lars Eidinger)  convidada Maria para participar de novo na peça, mas desta vez para o papel de Helena.

Maria vê-se então confrontada com um espelho para o qual se recusa a olhar, e que lhe diz que o tempo passou e que agora já não é ela a encantadora e sinuosa manipuladora, mas sim a sua “vítima”. Maria não pode aceitar, Sigrid é a sua personagem, o papel de quem dita as regras e não o do elo mais fraco. No entanto, este foi entregue a Jo-Ann Ellis (Chloë Grace Moretz ) uma jovem atriz de Hollywood, impetuosa, encantadora e dada ao populismo, e que não tem a menor empatia com Maria.

“Sigrid e Helena são a mesma pessoa e por teres sido Sigrid, só tu podes ser Helena” disse-lhe o encenador.

Maria, insegura retira-se para uma moradia em Sils Maria, nos Alpes com a sua assistente Valentine (Kristen Stewart) para preparar a peça e inevitavelmente se confrontar com o seu passado.

Ajuda-nos a manter o Artes & contextos gratuito, livre e sem publicidade pelo meio dos artigos

Os contornos fortemente enigmáticos da ação e até alguma tensão erótica que cresce entre Maria e Valentine, vêm adensar o labirinto de espelhos levando-nos a pensar se não estará afinal Maria, obcecada por si própria. Ela vive no seu casulo à margem das modas e das personagens culturais e é Valentine quem através do Youtube a põe a par da popularidade e da irreverência de Jo-Ann.

E é Valentine, que com a sua jovem descontração e calma imperturbáveis, acaba por ser quem Maria precisava para, ao mesmo tempo que vai mantendo a vida da chefe organizada, a encaminhar e acompanhar no seu acerto de contas consigo própria. Elas representam a peça explorando as personagens e trocando de papéis, confundindo-as consigo próprias e à peça com a vida nas suas contingências do tempo e das idades. Maria é obrigada a entender a Helena de que se sentira tão distante. Será Valentine a verdadeira Sigrid?

O nome do filme deve-se a um fenómeno meteorológico que ocorre neste vale dos Alpes em que as nuvens serpenteiam como uma corrente por entre as montanhas.

Como classificas este artigo?

Jornalista, Diretor. Licenciado em Estudos Artísticos. Escreve poesia e conto, pinta com quase tudo e divaga sobre as artes. É um diletante irrecuperável.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos