Hungry Hearts Corações Inquietos

Corações Inquietos

26 de março, 2015 0 Por Rui Freitas
Modo Noturno

Jude (Adam Driver) e Mina (Alba Rohrwacher) conheceram-se, apaixonaram-se, juntaram-se, Mina engravidou, casaram e nasceu um bebé.Hungry Hearts

E assim começa a história de uma obsessão, ou de um amor obsessivo até o limite da razão. De um início “demasiado” light, o filme vai-se tornando sombrio e fechado na intimidade da casa e do casal, em volta do bébé do qual não chegamos a saber o nome, talvez porque não faça falta. O bebé, sendo o epicentro do drama, não faz parte dele. É por ele e pelo amor a ele que tudo se move e se vai desmoronando, mas ele próprio passa pela história quase como um falso protagonista.

Por intervenção de uma vidente, ainda durante a gravidez, Mina acredita que tem um bebé “Indigo” e protege-o do mundo para lá do razoável. Protege-o do perigo das impurezas da rua, dos venenos da alimentação animal, dos medicamentos e até do sol. Apenas ela sabe o que é melhor para o filho e não vê como lhe está a fazer mal.

A história escreve-se pela luta de Jude entre o amor ao filho, o amor a Mina e a razão, contra a obsessão de mina pelo resguardo do filho, até se tornar muito mais do que uma luta de princípios.

É um drama intenso, falsamente adocicado por momentos de ternura e pelo amor superior a tudo, mas para o bem e para o mal. Bons papéis, efeitos de câmara em close ups muito fortes, e recurso o a grande angular em movimento, reforçam a intimidade e a aproximação física. A intimidade atinge-nos, e com a ajuda de silêncios demorados e pesados vai-nos puxando para dentro do drama.


Corações Inquietos Artes & contextos 9f46693faa064710fad61649378cc5e6?s=250&d=mm&r=g
Segue-me
Open Call Artes & contextos